Ciclones e furacões

Como são batizados?

Saiba como são escolhidos os nomes de ciclones, tufões e furacões.

0
Ciclone Yakecan causou estragos no Rio Grande do Sul.

Um ciclone de trajetória incomum e rara intensidade chegou ao Brasil e provocou estragos nas regiões do Sul do país. Assim como todas as tempestades tropicais (furacão, ciclone e tufão) formadas ao redor do mundo, essa também recebeu um nome: Yakecan (som do céu, em tupi-guarani).

Quem escolheu o nome foi a divisão de previsões meteoceanográficas, do Centro de Hidrografia da Marinha, responsável pelas atividades do serviço meteorológico marinho.

Desde 2011, é padrão que todas as tempestades tropicais formadas na área da Metarea-V do Atlântico Sul, área marítima de responsabilidade do Brasil, recebam nomes em tupi-guarani —uma das línguas indígenas mais conhecidas na América do Sul.

O acordo envolveu Marinha, Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), Força Aérea Brasileira e o CPTEC/Inpe (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos).

O último ciclone que ocorreu aqui, em dezembro de 2021, por exemplo, foi chamado de tempestade subtropical Ubá.

Veja os 15 nomes usados e seus significados em tupi-guarani.

-Arani (tempo furioso)
-Bapo (chocalho)
-Cari (homem branco)
-Deni (tribo indígena)
-Eçaí (olho pequeno)
-Guará (lobo do cerrado)
-Iba (ruim)
-Jaguar (lobo) –
Kurumí (menino)
-Mani (deusa indígena)
-Oquira (broto de folhagem)
-Potira (flor)
-Raoni (grande guerreiro)
-Ubá (canoa indígena)
-Yakecan (o som do céu).

Ao atingir o fim da lista, os nomes são reutilizados para nomear as novas tempestades tropicais.

As tempestades tropicais são nomeadas para facilitar a conscientização, a preparação, o gerenciamento e a redução do risco de desastres.

Como ciclones tropicais podem durar uma semana ou mais e podem acontecer de forma simultânea, os meteorologistas escolhem nomes para evitar confusão. Além disso, é mais fácil lembrar de um nome do que de números e termos técnicos. Isso ajuda na hora de enviar mensagens e alertas.

A lista de nomes é proposta pelos serviços meteorológicos e hidrológicos de cada país-membro da Organização Meteorológica Mundial (WMO) para uma região específica e aprovada pelos órgãos regionais de tempestades tropicais.

Os nomes precisam ser curtos e fáceis de pronunciar.

A maioria das listas é organizada em ordem alfabética, alternando entre nomes femininos e masculinos.

Na região do Pacífico Norte Central, por exemplo, os nomes são, principalmente, havaianos e estão organizados em quatro listas de 12 nomes cada.

No Atlântico Norte (mar do Caribe e golfo do México), são seis listas de 21 nomes em inglês, espanhol ou francês —assim, a lista de 2019 será usada novamente em 2025. Não há nomes com as letras Q, U, X, Y ou Z, porque é difícil achar tantos nomes fáceis com essas letras.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Balanço Geral Florianópolis (@bgfloripa)


Antigamente, quando havia mais de 21 tempestades em uma temporada, era usado o alfabeto grego na sequência. Mas, após uma temporada recorde em 2020, preferiram estabelecer duas listas de nomes extras, um do Atlântico e um para o Pacífico.

Ficou assim:
-Alex – Arlene – Alberto – Andrea – Arthur – Ana – Extra: Adria.
-Bonnie – Bret – Beryl – Barry – Bertha – Bill – Extra: Braylen.
-Colin – Cindy – Chris – Chantal – Cristobal – Claudette – Extra: Caridad.
-Danielle – Don – Debby – Dexter – Dolly – Danny – Extra: Deshawn.
-Earl – Emily – Ernesto – Erin – Edouard – Elsa – Extra: Emery.
-Fiona – Franklin – Francine – Fernand – Fay – Fred – Extra: Foster.
-Gaston – Gert – Gordon – Gabrielle – Gonzalo – Grace – Extra: Gemma.
-Hermine – Harold – Helene – Humberto – Hanna – Henri – Extra: Heath.
-Ian – Idalia – Isaac – Imelda – Isaias – Imani – Extra: Isla.
-Julia – Jose – Joyce – Jerry – Josephine – Julian – Extra: Jacobus.
-Karl – Katia – Kirk – Karen – Kyle – Kate – Extra: Kenzie.
-Lisa – Lee – Leslie – Lorenzo – Leah – Larry – Extra: Lucio.
-Martin – Margot – Milton – Melissa – Marco – Mindy – Extra: Makayla.
-Nicole – Nigel – Nadine – Nestor – Nana – Nicholas – Extra: Nolan.
-Owen – Ophelia – Oscar – Olga – Omar – Odette – Extra: Orlanda.
-Paula – Philippe – Patty – Pablo – Paulette – Peter – Extra: Pax.
-Richard – Rina – Rafael – Rebekah – Rene – Rose – Extra: Ronin.
-Shary – Sean – Sara – Sebastien – Sally – Sam – Extra: Sophie.
-Tobias – Tammy – Tony – Tanya – Teddy – Teresa – Extra: Tayshaun.
-Virginie – Vince – Valerie – Van – Vicky – Victor – Extra: Viviana.
-Walter – Whitney – William – Wendy – Wilfred – Wanda – Extra: Will.

Nomes aposentados

Em todas as regiões, os nomes são revisados e alterados quando uma tempestade tropical é excepcionalmente catastrófica e mortal —o seu nome retirado da lista, por sensibilidades aos afetados.

Alguns dos nomes aposentados são:

-Katrina (EUA, 2005) – virou Kátia.
-Sandy (EUA, 2012) – virou Sara.
-Haiyan (Filipinas, 2013).
-Joaquin (2015).
-Irma (Caribe, 2017).
-Maria (Caribe, 2017).
-Florence (2018).
-Mitch (Honduras, 1998).
-Tracy (Darwin, 1974).
-Mangkhut (Filipinas, 2018).

Furacão Katrina atingiu New Orleans em 2005.

Fonte UOL