Atletas aprovam formato

Atletas do Surf Talentos Virtual falam sobre o formato inédito da competição válida pelo Circuito Catarinense Amador.

0
Campeão Sub 18, Luã Silveira aprova dinâmica do campeonato.

Os campeões do inédito Mini Kalzone e Silverbay apresentam Surf Talentos Oceano Virtual 2020 foram definidos nesta semana e oito surfistas gravaram seus nomes na primeira galeria de campeões virtuais de uma etapa do circuito Fecasurf (Federação Catarinense de Surf).

O objetivo do evento era dar sequência aos campeonatos no estado durante o período de isolamento imposto pela pandemia de Covid-19. De acordo com o regulamento, os atletas deveriam registrar em vídeo suas oito melhores ondas surfadas em qualquer lugar do País dentro do período estabelecido.

A organização liberou a participação de atletas de outros estados e surfistas do Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, São Paulo, Ceará, Paraná e Santa Catarina participaram da etapa, que começou no dia 19 de junho.

Confira abaixo a opinião de atletas e envolvidos no primeiro evento virtual da história válido pelo Circuito Catarinense Amador.

“Achei a dinâmica do campeonato totalmente diferente dos eventos presenciais. Esse formato de disputa é novo, e acredito que tenha sido uma ótima experiência para todos. Parabéns aos juízes pelo trabalho justo que realizaram e toda a organização, mandaram muito bem.” – Luã Silveira (SC), campeão da categoria Sub 18 Masculina e líder do circuito.

“Gostaria de exaltar o trabalho da Fecasurf e da Swell Eventos, que no meio dessa pandemia conseguiram motivar os atletas a competir. Mesmo não estando acostumado ao formato virtual de disputa, esse evento me instigou a dar o melhor de mim nos treinos e poder me sair bem no campeonato. Fiquei um pouco ansioso apenas com a demora na divulgação das notas e das baterias, mas isso dá para aprimorar. Parabéns a todos!” Léo Casal (SC), campeão da categoria Sub 16 Masculina.

Aos 7 anos, Matheus Jhones foi o caçula do evento.

“Participar do primeiro campeonato virtual julgado por árbitros profissionais foi demais, principalmente por tudo que estamos passando com essa pandemia. Deixo os meus parabéns aos organizadores pela iniciativa, e torço para que possa ter mais eventos virtuais como esse. O que eu mais gostei não foram as notas e as baterias em si, mas sim o processo de filmagem, porque me motivou bastante.” –  Nairê Marquez (SP), campeã da categoria Feminina Sub 14.

“Achei esse conceito de evento excelente, pois dá de mostrar bem nosso surfe, o que muitas vezes não acontece numa bateria de 15 minutos. Eu me dediquei bastante para produzir boas imagens pra essa competição, e graças a Deus consegui. Destaco também o excelente trabalho dos juízes, sempre pontuando as performances com notas justas. Agradeço a minha família e aos meus apoiadores pelo suporte que recebo para continuar minha trajetória.”Laura Raupp, campeã da categoria Feminina Sub 18.

“Estou com muita saudade de competir e ver os amigos. Esse ano os meus pais já haviam me dito que iríamos disputar os eventos no Sul, mas infelizmente ainda não deu. Estou feliz pelo resultado que consegui, além dos amigos que fiz na internet pelas redes sociais. Parabéns a todos. O campeonato foi incrível!” – Matheus Jhones (RN), 7 anos, atleta mais novo da etapa virtual.

“Achei uma iniciativa muito bacana por parte da organização, com todos os critérios respeitados, o que contribui no desenvolvimento do surfe competição brasileiro. O único ponto que questiono é o fato do evento ter sido realizado no inverno, e termos que usar roupas de borracha, enquanto que os atletas do sudeste e nordeste não necessitam. Isso pode influenciar um pouco nas performances. No mais, estão todos de parabéns.” Otoney Xavier – Ex-técnico da seleção brasileira e catarinense, e técnico de atletas.

“São mais de 20 anos atuando como juiz no quadro técnico da Fecasurf. Julgar essa etapa virtual de casa foi uma experiência singular, que só agregou pontos positivos na carreira de todos do staff. Mais uma vez o surf catarinense mostrou sua competência quando o assunto é campeonatos de surf, nível dos atletas e dos profissionais que trabalham na organização dos eventos.” – Erivelton Cristóvão “Neguitcha” – árbitro do quadro técnico da Fecasurf.