Prancha viaja o Pacífico

Surfista perde prancha nas ondas pesadas de Waimea Bay e ela é encontrada dois anos depois nas Filipinas, a mais de 8 mil km de distância.

0
Giovanne (à esq.) com a prancha encontrada recentemente e o fotógrafo Doug Falter com ela em 2018 (à dir.).

Depois de perder sua prancha há mais de dois anos em uma sessão nas ondas pesadas de Waimea Bay, Havaí, o fotógrafo do Doug Falter finalmente a encontrou.

Agora, ele só precisa de uma maneira de recuperá-la, já que a gunzeira foi achada em uma pequena ilha nas Filipinas, a mais de 8 mil km de distância.

Falter afirmou que surfava em Waimea, no dia 3 de fevereiro de 2018, quando o leash arrebentou e a prancha simplesmente desapareceu. Como já era quase de noite, ele não conseguiu mais recuperá-la.

Mas Giovanne, um professor nas Filipinas, encontrou o foguete há cerca de três semanas e contatou o shaper responsável pela criação, Lyle Carlson, que sabia do desaparecimento da prancha.

View this post on Instagram

LOST BOARD!!! – While surfing Waimea yesterday my leash came off and I couldn’t catch up to my board in time before it floated off into the channel and kept goin. If anyone sees or hears anything about a light blue @lylecarlsonsurfboards washed up on the beach or rocks please DM or call me at (614) 580-3100 – This was my only big wave board! 😭 If anyone feels like reposting or sharing on their story I would be forever grateful. I last saw it floating really close to the rocks on the left side of Waimea Bay just before dark at around 6:45pm. There is a good chance it could be washed up between Waimea and Haleiwa Harbor. It could definitely be around Alligators, Lanis, Hultons area as Ive heard or boards washing up around there before. Keeping my fingers 🤞🏽

A post shared by Doug Falter (@dougfalter) on

“Você mal podia dizer que era minha prancha, mas dava para perceber que era ela mesma”, diz Doug Falter ao canal Hawaii News Now.

“Foi uma verdadeira chatice quando a perdi, porque aquela prancha significava muito para mim. Mas agora significa ainda mais saber que foi parar nas mãos de um cara que quer aprender a surfar”, conta.

Falter ressalta ainda que a prancha é muito especial, porque ele também surfou com ela no mesmo dia em que rolou o último Eddie Aikau, em 2016.

Agora, ele espera encontrar o homem e ensiná-lo a surfar, assim que as restrições de viagem forem suspensas. Falter também criou uma página no montou um GoFundMe para enviar materiais de surfe para Giovanne e seus alunos.