Déjà Vu Medina

Gabriel Medina volta a dar show nos tubos de Paúba, litoral norte paulista.

0

Nesta semana, um grande swell encostou no litoral brasileiro e proporcionou ondas com tamanho e pressão em diversos picos. A ondulação chegou na segunda-feira (21) e manteve pressão até quarta (23). Mas ela também trouxe muito vento (maral) e chuva, o que deixou as condições difíceis e piores ainda para captar as imagens, principalmente na segunda.

Ficou a expectativa para terça-feira, quando acordamos cedo e as condições ainda estavam ruins. Por volta da hora do almoço, a chuva deu uma trégua e ficamos sabendo que Paúba começava a funcionar. Assim, logo partimos em direção ao pico, famoso pelo shorebreak com tubos pesados e que quebram próximos à areia.

Ao chegar lá uma galera já estava na água, assim como vários atletas e surfistas locais. A primeira visão que tivemos, logo quando pisamos na areia, foi a do bicampeão mundial Gabriel Medina fazendo o que ele sabe de melhor: air drop atrasado, colocando por trás do canudo e saindo junto com a baforada, antes de a onda fechar por inteiro.

Tivemos aquele efeito inevitável de Déjà Vu, que é uma sensação desencadeada no cérebro humano, mais precisamente no lobo temporal (região responsável pela memória), que faz com que aquele fato presente pareça muito com alguma situação que você já vivenciou, mas na realidade nunca aconteceu.

Mas, de fato, já vimos cenas muito parecidas com aquela antes, como há mais ou menos um mês, no último swell que registramos no pico e que também foi matéria aqui no Waves.

A ciência também diz que esse mesmo Déjà Vu acaba inesperadamente com acontecimentos imprevisíveis, pois na realidade você nunca presenciou de fato aquela cena, então qualquer coisa fora do “roteiro” é algo que sua memória não previu.

E assistir Gabriel Medina surfando é isso, você tem o Déjà Vu, pois você sabe que ele vai dropar atrasado, colocar pra dentro e sair do tubo, mas também acontecem coisas imprevisíveis como de um drop com a base aberta, quando você acha que ele perdeu a onda e do nada ele manda um aéreo rodando de backside na saída.

E, para não ficarmos com a sensação de Déjà Vu eterna, decidimos editar um clipe diferente dessa vez, uma edição crua com todas as ondas que captamos de Medina.

O objetivo é mostrar que, para chegar nesse nível de habilidade e também de conhecimento local da onda, é preciso dropar todo tipo de onda, morrer dentro dos tubos e, quando nada der certo, tentar inovar sempre, sem deixar a diversão de lado.

A continuação deste swell rolou quarta-feira em Maresias, matéria que publicaremos em breve por aqui também. Para assistir mais clipes, siga as páginas da Stoked Soul Films no YouTube e Instagram.