Os surfistas mais bem pagos

Site australiano elege os 10 surfistas mais bem pagos do mundo na última temporada.

0
WSL / Rowland
John John Florence lidera a lista de surfistas mais bem pagos do mundo, segundo a Stab.

A Stab publicou a lista de surfistas mais bem pagos do mundo em 2018, de acordo com apuração realizada pelo veículo australiano.

Na última lista, 10 surfistas superavam a marca de US$ 1 milhão em um único contrato: Kelly Slater, Mick Fanning, Joel Parkinson, Taj Burrow, Kolohe Andino, Jordy Smith, Dane Reynolds, Steph Gilmore, John John Florence e Gabriel Medina.

Agora, segundo a Stab, apenas cinco surfistas possuem esses dígitos através de um único contrato: John Florence, Julian Wilson, Mick Fanning, Kolohe Andino e Gabriel Medina.

Confira abaixo a lista dos top 10.

WSL / Mariana Villela
Havaiano Kai Lenny embolsou mais de US$ 1 milhão só em patrocínio na última temporada.

10 – Kai Lenny

O waterman havaiano Kai Lenny não pode ficar fora de qualquer lista relacionada ao surfe. Mestre em ondas grandes e entrosado com todos os tipos de equipamentos, ele é tão ou mais capaz do que qualquer um no oceano.

Aos 26 anos, Kai segue o legado deixado por Laird Hamilton e eleva cada vez mais os limites do big surf mundial. Sem levar nenhuma etapa do BWT no último ano, ele somou apenas US$ 18 mil em premiação, mas levou mais de US$ 1 milhão em dinheiro dos patrocinadores.

Patrocinadores: Hurley, Nike, Red Bull, Tag Heuer, GoPro e Vertra.

Salário anual: US$ 1.050.000

Dinheiro de premiação: US$ 18.000

Total: US$ 1.068.000

Stephanie Gilmore é a atleta feminina mais bem paga de 2018.

9 – Stephanie Gilmore

A única mulher da lista dos surfistas mais ricos do mundo só poderia ser a heptacampeã mundial Stephanie Gilmore. Ao igualar Layne Beachley como maior campeã da história do Championship Tour, “Happy” Gilmore faturou mais de US$ 300 mil de premiação na última temporada (número que deve aumentar em 2019, já que a WSL igualou a premiação entre homens e mulheres). Steph também tem bons e fieis patrocinadores, o que lhe rendeu um salário anual de US$ 1,3 milhão.

Patrocinadores: Roxy, Sanitarium, Nikon, DHD, Audi e Breitling.

Salário anual: US$ 1.300.000

Dinheiro de premiação: US$ 343.450

Total: US$ 1.643.450

Jordy Smith aparece na oitava posição do ranking da Stab.

8 – Jordy Smith

Sempre que começa a temporada do Championship Tour, o sul-africano Jordy Smith é apontado como um dos favoritos a ficar pelo menos entre os Top 5. Em 2018 ele alcançou o feito, mas sua atuação ao longo do ano foi irregular.

Depois de um início bem fraco, ele só foi se recuperar na segunda metade do Tour, quando já era tarde demais para brigar pelo topo do ranking. Mesmo sem um grande ano, Jordy continua entre os melhores surfistas da elite e tem contratos vantajosos de patrocínio, que lhe tornaram US$ 1,5 milhão mais rico em 2018.

Patrocinadores: O’Neill, Red Bull, Futures, Trace, Oakley, Vestal, Neff, Jeep e Brand Black.

Salário anual: US$ 1.530.000

Dinheiro de premiação: US$ 200.200

Total: US$ 1.730.000

Kanoa Igarashi engorda conta bancária em 2018 e vai para sétimo na lista.

7 – Kanoa Igarashi

Nascido na Califórnia (EUA), Kanoa Igarashi naturalizou-se japonês na última temporada, visando uma vaga nos Jogos Olímpicos de 2020 em Tóquio. Isso o ajudou a engordar a conta bancária com o contrato de patrocínio da empresa nipônica Kinoshita. Com uma boa temporada no QS e um ano regular no CT, ele abocanhou mais de 200 mil em premiação e subiu na lista de mais ricos com contratos superiores a US$ 1,6 milhão.

Patrocinadores: Quiksilver, Red Bull, Oakley, Audi, Sharp Eye, Visa, Kinoshita Group e Dior.

Salário anual: US$ 1.600.000

Dinheiro de premiação: US$ 174.600 (CT) + US$ 83.350 (QS)

Total: US$ 1.857.950

Sebastian Rojas
Kolohe Andino, em sexto, é o único atleta dos EUA na lista.

6 – Kolohe Andino

O californiano Kolohe Andino é o atleta dos EUA mais bem colocado na lista. De fora do Top 10 na última temporada, ele foi alavancado pelo contrato vantajoso com a Hurley, de 1,2 milhão de dólares, segunda a Stab. Isso o ajudou a levá-lo ao sexto lugar como surfista mais bem pago de 2018. Como premiação, Andino abocanhou “apenas” US$ 160 mil em etapas do CT em 2018.

Patrocinadores: Hurley, Red Bull, FCS, Mayhem e Oakley

Salário anual: US$ 1.785.000

Dinheiro de premiação: US$ 160.200

Total: US$ 1.945.200

Filipe Toledo sobe para o quinto lugar.

5 – Filipe Toledo

2018 foi o ano em que Filipe quase se tornou rei. O brasileiro é um dos surfistas mais empolgantes do Tour e está ajustando as habilidades para transformar em resultados quando os tubos bombam para a esquerda.

Muitos ficaram perplexos no ano passado porque um talento como Filipe podia ficar tão longe na lista dos ricos. O que é ainda mais interessante é que o campeão do mundo de 2015, Adriano de Souza, não fez parte da lista.

Com grande chance de conquistar um título mundial e uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio, a capacidade de ganhos de Filipe certamente crescerá. Sua gestão é baseada na Califórnia e seus negócios são contabilizados em dólares dos EUA.

No ano passado, Filipe assinou vários contratos na posição invejável de negociar com a lycra amarela da Jeep. Enquanto a maior parte de seus ganhos vêm de Hurley, Oi e Monster, uma enxurrada de contratos adicionais com marcas como GoPro, Sunbum e renegociações de contratos anteriores aumentaram os ganhos de Filipe no ano anterior. Um aumento de US$ 1,3 milhão, para ser preciso.

Adicione esses ganhos a dois primeiros lugares e uma leva de quintos lugares e você terá o quinto maior ganhador da temporada.

Patrocinadores: Hurley, Oi, Jeep, Sharp Eye, Stance, FCS, GoPro, Sunbum, Monster e Oakley

Salário anual: US$ 2.184.000

Dinheiro de premiação: US$ 388.000

Total: US$ 2.572.000

Aussie Julian Wilson é o quarto na lista.

4 – Julian Wilson

Este ano, Julian Wilson deu as boas-vindas à sua primeira filha, Olivia, que veio ao mundo com sua esposa, Ashley Wilson. Assim como sutilmente se reposicionou como um homem de família, Julian também fez a melhor corrida australiana pelo título desde Mick Fanning em 2015. Ele começou a temporada com uma vitória na Gold Coast e brigou pela taça até as semifinais em Pipe. No total, os esforços de Julian lhe renderam US$ 430.000.

Isso, no entanto, não é de onde vem a maior parte da estabilidade fiscal do australiano. O contrato de sete dígitos de Julian foi herdado pela Hurley quando a Nike fechou seu departamento de surfe, no fim de 2012. Junte isso a uma enxurrada de grandes transações de bebidas e automóveis (Mercedes e Red Bull), seu nome em um dos mais populares modelos de prancha, a JS Air, além de um ainda considerável contrato com a Oakley.

Patrocinadores: Hurley, Red Bull, Sunbum, Mercedes, Oakley, JS Surfboards e FCS.

Salário anual: US$ 2.410.000

Dinheiro de premiação: US$ 430.000

Total: US$ 2.840.000

Mesmo aposentado, Mick Fanning ainda é um dos surfistas mais bem pagos do Planeta.

3 – Mick Fanning

Apesar de ter se aposentado do Tour em Bells Beach, em abril, Mick ainda faz parte da lista de surfistas – o único fora das competições. Seus contratos nos anos futuros certamente verão alguns pequenos rebaixamentos e revisões, mas aqueles que são próximos a Mick podem atestar o fato de que ele é um trabalhador. A reputação de Mick o precede, e uma vez que ele se compromete com algo, sua dedicação a esse conceito ou marca é inabalável.

Ao contrário dos veteranos do Tour, Taj Burrow e Joel Parkinson, os contratos de Mick não cairão muito agora que ele não tem um lugar no World Tour. Felizmente para Mick, seu contrato de aposentadoria com a Rip Curl gira principalmente em torno de surfar em locais desconhecidos com Mason Ho ou quem quer que seja.

No lado financeiro, há rumores de que Mick não vai considerar assinar um novo contrato por menos de US$ 250 mil. A menos, é claro, que ele esteja apostando pesado em seu empreendimento presumivelmente lucrativo ou, mais importante, haja um aspecto de “devolução” ao seu empreendimento.

Muitos fora da nossa humilde esfera de surfe podem se lembrar dele como o cara que socou um tubarão. Embora esse incidente possa ter despertado grande interesse do público, é difícil descartar a relevância e o status icônico de Mick. Acordos consideráveis ​​com marcas como Mercedes e Red Bull são apenas alguns dos efeitos indiretos do encanto irrevogável que Mick conquistou.

Além de injeções diretas de dinheiro, Mick também tem sua mão em uma série de projetos. Em 2017, ele lançou as pranchas Mick Fanning, que são um fenômeno de softboard onipresente nas cidades costeiras australianas. Ele também se juntou como embaixador dos fornecedores globais de pranchas, Awayco. Adicione isso às ações da Creatures of Leisure, sua empresa de cerveja sempre em crescimento, Balter, ao investimento na nova câmera de tecnologia, Opkix, além de uma taxa de palestra de 100 mil dólares, e você tem um surfista “aposentado” ocupado.

Há rumores de que Mick, Parko, Kerrzy e Bede receberam recentemente uma quantia significativa pela propriedade da Balter, mas eles a repassaram devido ao crescimento significativo que a marca vem tendo.

Os dias de Mick como surfista competitivo de primeira linha podem ter cessado, mas seus dias como um dos rostos mais pertinentes e reconhecíveis da cultura australiana e do surfe global, não.

Patrocinadores: Rip Curl, DHD, Creatures, Balter, Red Bull, Reef, Mercedes, Skull Candy, MF Softboards, FCS e Awayco

Salário anual: US$ 2.850.000

Dinheiro de premiação: US$ 69.700

Total: US$ 2.919.700

Gabriel Medina é o surfista brasileiro mais bem pago do mundo.

2 – Gabriel Medina

O desempenho de Gabriel Medina em Pipeline neste ano esquentou até mesmo os corações mais frios do mundo do surfe. Ficará como um momento inesquecível na história do surfe, marcando sua segunda temporada vencedora do título mundial em 2018.

Gabriel pode não lançar com frequência clipes e filmes na web que obtêm milhares de cliques, mas, se você compilar as suas melhores pontuações deste ano, estaria assistindo a uma edição premiada, no entanto.

Como resultado de sua supremacia competitiva, Gabriel é uma celebridade legítima no Brasil. Ao lado de nomes como Neymar, Medina é um nome familiar em toda a nação e só continua a crescer enquanto ele reafirma sua fortaleza no surfe competitivo. E enquanto 6,7 milhões de seguidores no Instagram podem ser subdimensionados no esquema mais amplo das estatísticas de mídia social, este número supera facilmente John Florence e Kelly Slater, que somam 3,5 milhões.

No entanto, esse status de celebridade e mídia social não se traduz em dobrar a receita. A grande maioria dos seguidores do Instagram de Gabriel Medina é brasileira – supostamente tão alta quanto 90% – e com a moeda brasileira sofrendo um declínio constante nos últimos cinco anos (US$ 0,64 em 2011 para US$ 0,26 hoje), combinada com a turbulência econômica, esses números surpreendentes não vão tão longe quanto se poderia esperar.

Seu contrato com a Rip Curl, assinado até 2021, é metade do contrato de John com a Hurley. A empresa de telecomunicações Oi lhe dá alguns cliques de menos de 1 milhão, a Audi chega à casa dos seis dígitos e a marca de refrigerantes Guaraná, a cerca de 400 mil. Gabriel também adicionou a Corona e Orthopride à sua base em 2018, mas perdeu a FCS, a Oakley e a Gillette.

O que deu um levante em Medina este ano foi a quantia de US$ 473.200 que ele ganhou em prêmios. Combinado com os dólares adicionados que são ganhos com alguns adesivos de bônus, Medina arrecadou alguns pacotes abaixo de US$ 4 milhões, um número que aumentará no próximo ano, quando a cereja do título de US$ 1 milhão for colocada no bolo.

Patrocinadores: Rip Curl, Oi, Coppertone, Cabianca, Guaraná, Audi, Orthopride e Corona

Salário anual: US$ 3.050.000

Dinheiro de premiação: US$ 473.200

Total: US$ 3.523.200

John John Florence permanece na liderança.

1 – John John Florence

Com o maior contrato já assinado no surfe, o bicampeão mundial John John Florence passou a maior parte de 2018 lesionado e tem estado relativamente quieto. A maioria dos contratos tem penalidades que se aplicam se um atleta está com uma lesão, porque ele não pode endossar uma marca como contratada. Há rumores de que o contrato de John não é diferente, mas neste caso recente, a Hurley honrou seu direito total como se ele estivesse inteiro.

Os primeiros cinco eventos renderam-lhe pouco menos de US$ 60 mil, enquanto ele embolsou US$ 322.500 no caminho do seu segundo título em 2017.

Fechado com duração de oito anos, o contrato de US$ 30 milhões de John termina em 31 de dezembro de 2024. Embora ele possa não ter sido o melhor surfista competitivo do mundo em 2018, continuou sendo o mais bem pago, e muitos argumentaram que sua edição “Space” foi a melhor performance de surfe em 2018.

Seus patrocinadores adicionais – Nixon, Futures, Pyzel, com Yeti e Electric se juntando este ano – são pequenos em comparação ao seu contrato com Hurley, mas ainda contribuem com quase meio milhão para seus ganhos sazonais.

Além disso, John também mudou seus negócios não endêmicos para a Creative Artists Agency. Uma agência que gerencia talentos de Hollywood, como Brad Pitt e Tom Cruise, e estrelas do esporte como Nyjah Huston.

Kelly Slater, Mick Fanning e Stephanie Gilmore se conectam com o mainstream, enquanto John é o queridinho do “mundo do surfe”. Será interessante ver se ele vai representar um perfume ou se há algum desejo de, digamos, um grande marca de relógios ter John como embaixador.

Outro impulso para sua campanha da lista de ricos de 2018 foi o bônus de título mundial do ano anterior.

Embora a taxa atual para um bônus de título seja geralmente de 1 milhão de dólares, quando você for o surfista mais bem pago do mundo, espera-se que você ganhe vários títulos mundiais de qualquer maneira. Por isso, John embolsa US$ 500 mil por sua excelência competitiva em 2017.

John é um homem que sabe o que quer e está preparado para pagar por isso. Ele teve que superar a WSL para que um de seus melhores comentaristas, Ross Williams, fosse seu treinador. Este movimento não foi barato, mas é o que lhe rendeu o sonho: títulos mundiais consecutivos.

E enquanto esses investimentos em si mesmo estão claramente pagando dividendos, a folha de pagamento mensal de John seria astronômica para manter viva sua equipe de 16 pessoas – chef, técnico, fisioterapeuta, relações públicas, orientação espiritual incluída – para não mencionar os custos de manutenção de suas despesas, o iate Falcor, de 48 pés, que custou vários milhões de dólares.

Patrocinadores: Hurley, Stance, Futures, Nixon, Dakine, Pyzel, Electric e Yeti

Salário anual: US$ 4.770.000

Bônus por título mundial: US$ 500 mil

Dinheiro de premiação: US$ 59.200

Total: US$ 5.329.200

Sem números precisos, Kelly Slater fica fora do Top 10.

Kelly Slater

Como sempre, é difícil obter números precisos sobre o capital de Kelly. Não que o 11 vezes campeão mundial esteja completamente fora de alcance, e sim porque seus empreendimentos comerciais são investimentos complexos. Sua marca de roupas ecológicas Outerknown continua em atividade, ele tem seu dedo na WSL através do seu próprio rancho de ondas, é o embaixador da companhia de alimentos saudáveis The Chia Co., tem a Slater Designs, que adquiriu a Firewire, e há rumores de que sua bebida energética, Purps, será ressuscitada em 2019.

Em algumas circunstâncias, no entanto, seus negócios são simples. Em 2018, Kelly fechou negócio com a marca de relógios de pulso de luxo Brietling. Ele também entrou em cena como embaixador da Michelob Ultra, patrocinadora oficial de bebidas da WSL; como alguém que investiu publicamente e financeiramente em produtos de saúde e “superalimentos”, é estranho vê-lo apoiando uma cerveja, por isso é seguro assumir que um acordo significativo teria sido alcançado.

A Stab não conseguiu colocar uma quantia definitiva no valor de Kelly, mas é improvável que ele se encontrasse fora da lista se seus investimentos e endossos complexos fossem todos adequadamente calculados.

Fonte: Stabmag.com

Foto de capa: Sebastian Rojas