Maui Pro

Tati dá espetáculo

Tatiana Weston-Webb faz excelentes apresentações na estreia da etapa do mundial Maui Pro, vence duas baterias, e está nas quartas de final.

0
Tatiana Weston-Webb aplica seu forte backside e avança na competição.

Após três dias de espera, começou o Maui Pro apresentado pela Roxy, a primeira etapa da nova temporada da World Surf League. O swell que estava sendo aguardado apareceu, trazendo direitas em Honolua Bay que nas séries tinham mais de 1,5 metro. Dezenove baterias foram realizadas e só restaram quatro: a última das quartas de finais, as semis e a final. E o Brasil fez bonito nessa maratona.

Clique aqui para ver as fotos

Tatiana Weston-Webb, única atleta do nosso país no grupo feminino da elite de 2021, começou bem o evento, com vitória na primeira fase, numa bateria que começou com um longo flat e com a norte-americana Sage Erickson melhor. Porém no último terço do duelo, a brasileira encaixou seu backside nas direitas, anotou 7.33 e 6.50, foi pra liderança e não saiu mais. Sage, que tinha a segunda maior nota do confronto (6.67), levou a virada da surfista que também é dos Estados Unidos, Courney Conlogue.

“Eu estava muito nervosa, pra falar a verdade. Nós esperamos o ano inteiro para estar aqui de volta, e foi o ano mais maluco de todos. Eu não consegui nem acreditar que o campeonato tinha começado, e acho que está todo mundo amarradão de ter voltado, até para poder ver rostos conhecidos. Estou muito agradecida”, comentou Tati sobre o retorno dos eventos de surfe. A brasileira também falou sobre o atatque de backside no pico. “Acho que Honolua é um lugar incrível pra surfar de backside, especialmente porque você atacar a onda de forma vertical e com velocidade, e isso é uma vantagem pra mim”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Na terceira fase o confronto foi contra Isabella Nichols, autora da maior nota da prova até aquele momento (9.00), conquistada na repescagem. A australiana largou na frente, mas a brasileira mostrou mais uma vez a força do seu backside.

Primeiro soltou três manobras impactantes, sendo a última uma super batida. O conjunto valeu 8.93 pontos. Mas ela queria mais. Isabella tentou assustar com 7.33, nota que conseguiu mesmo tendo errado a última manobra, porém Tatiana pegou uma onda excelente, abriu com uma forte batida, rasgou, acelerou pra passar a seção e soltou três batidas “de cabeça pra baixo”. A nota foi 9.27, a segunda maior da segunda-feira. A brasileira também foi a dona do segundo maior somatório do dia: 18.20 pontos.

Nas quartas de finais ela vai encarar mais uma vez a norte-americana Sage Erickson, que passou em segundo lugar pela repescagem, e que eliminou a atual vice-campeã mundial, a também surfista dos Estados Unidos, Caroline Marks, no terceiro round.

Sage Erickson encara mais uma vez Tatiana Westonn-Webb na etapa.

Tyler

A única surfista que conseguiu ser melhor que a brasileira foi Tyler Wright. A australiana, que ficou 14 etapas de fora do circuito após adoecer, ainda em 2018, eliminou suas algozes nas duas últimas etapas que participou.

A bicampeã mundial abriu sua participação no evento com 8.00 pontos, e venceu na estreia. Na terceira fase ela teve dificuldade contra Johanne Defay, francesa que venceu a aussie na última competição disputada por ela em 2018, na Indonésia, antes de adoecer (semifinais). Agora o resultado foi apertado e a favor da australiana (13.83 e 13.70).

Tyler Wright está encaixada em Honolua Bay.

Tática, paciência e resultado

O primeiro duelo das quartas de final teve Tyler contra Stephanie Gilmore. Elas se enfrentaram no Maui Pro de 2019, na final, e deu Stephanie. Aquele era o retorno da bicampeã mundial aos eventos após a longa pausa por causa da saúde. Mas em 2020 a história foi diferente. A heptacampeã mundial chegou na fase após uma excelente estreia, que teve direito à nota excelente 8.83, e após um susto no round 3, quanto encarou a surfista da Costa Rica, Brisa Hennessy.

Stephanie, que já venceu cinco vezes o Maui Pro, chegou nos minutos finais precisando de 7.11 pra vencer. Pouco tempo antes, Brisa tinha a prioridade, mas optou por ir numa direita, não melhorou o somatório e deixou a australiana com o direito de escolha das ondas. Restavam apenas seis minutos. E quando faltavam apenas três, veio uma série.

A aussie teve paciência e deixou a costarricense ir na primeira. Sábia escolha, pois na segunda ela conseguiu passar uma seção rápida, surfar o melhor tubo da prova até aquele momento, além de executar uma série de manobras. Os juízes demoraram a soltar a nota, mas, para alívio da multicampeã, ela avançou com 7.67 pontos. Nas quartas essa mesma escolha poderia ter dado uma sobrevida a ela.

Stephanie Gilmore termina em quinto lugar.

Tyler começou acelerada, destruindo uma direita do início ao fim e faturando 8.33. Stephanie tentou dar o troco, mas a onda acelerou e não deu muitas oportunidades. Tyler então manteve a liderança até quando restavam dez minutos para o fim, momento em que Stephanie surfou muito bonito, fez 7.90 e assumiu a primeira posição.

Tyler tomou a liderança novamente com 6.83 e deixou Stephanie com cinco minutos, a prioridade e a necessidade de 7.27 pontos para reverter o resultado. Uma série apareceu, mas ao contrário do que fez no duelo anterior, ela foi na primeira. A direita correu, e ela ficou. Tyler surfou a de trás, fez o melhor tubo do dia e estraçalhou a onda com várias manobras. A nota foi 10 (não unânime – quatro juízes deram 10 e um, o brasileiro, deu 9.50). Tyler seguiu para as semifinais, e Stephanie foi eliminada, terminando a competição em quinto lugar.

A adversária de Tyler vai ser Sally Fitzgibbons, australiana que começou mal o evento, caindo para a repescagem, mas que se levantou, e chegou a anotar duas notas excelentes (8.07 e 8.00) no caminho até a fase.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Duelo de gerações

Outra sufista que segue viva no evento é a tetracampeã mundial Carissa Moore, que para chegar nas semifinais teve que passar duas vezes pela novata, a convidada do evento, Bettylou Sakura Johnson, havaiana de apenas 15 anos.

Na primeira fase, a surfista do North Shore de Oahu não se abalou ao ver sua conterrânea experiente impondo respeito com duas notas na casa dos seis pontos. Ainda no primeiro terço da bateria, Bettylou executou três boas manobras e arrancou 7.50 dos juízes, o maior score do duelo até aquele momento. Então a menina foi tentando pular pra liderança e quase conseguiu perto no fim, porém a atual melhor do mundo também mostrou suas armas, também anotou 7.50 e avançou em primeiro. As duas avançaram para a terceira fase, e a australiana Bronte Macaulay, que ficou em último, foi para a repescagem.

Carissa Moore está na semi.

No round 3, Carissa e Bettylou se encontraram outra vez, e novamente a menina não se intimidou. Porém a tetracampeã mundial mostrou mais uma vez seu potente surfe, além de uma boa escolha de ondas, para vencer com as notas 7.17 e 6.83. A novata ameaçou no fim, mas errou uma manobra e perdeu a chance da virada.

Após sair da água, Carissa foi questionada se era a mentora nessa batalha de gerações, e respondeu: “Eu não sei se eu sou a mentora, mas com certeza existem diferentes gerações. Todo mundo viu que ela estava quebrando e dando show. Vai ser bem interessante acompanhar os próximos anos, pois as meninas vão chegar cada vez mais, e a Bettylou surfa muito bem. Eu já estive com ela em Haleiwa e foi impressionante, então eu sabia que tinha que ter cuidado, até porque ela tem uma ótima equipe por trás, inclusive um técnico. Ela é confiante, ela ataca a onda”, disse Carissa sobre a surfista de 15 anos.

Carissa ainda participou da última bateria do dia, a terceira das quartas de finais, e comandou as ações com direito à nota excelente 8.17 pontos na vitória sobre a havaiana Malia Manuel.

Bettylou Sakura Johnson dá trabaho, mas é eliminada.

Previsão das ondas

São grandes as chances do Maui Pro apresentado pela Roxy terminar nesta terça-feira (8). O swell vai perder um pouco de força em relação a segunda, porém na sequência as ondas vão ficar bem pequenas.

Próxima chamada

A próxima chamada para o evento acontece nesta terça-feira (8), às 14:05 (de Brasília). Assista ao Maui Pro apresentado pela Roxy ao vivo no Waves.

Maui Pro apresentado pela Roxy

Semifinais

1 Tyler Wright (AUS) x Sally Fitzgibbons (AUS)
2 Carissa Moore (HAV) x

Quartas de finais

1 Tyler Wright (AUS) 18.33 x 12.40 Stephanie Gilmore (AUS)
2 Sally Fitzgibbons (AUS) 14.37 x 11.30 Lakey Peterson (EUA)
3 Carissa Moore (HAV) 15.04 x 11.27 Malia Manuel (HAV)
4 Sage Erickson (EUA) x Tatiana Weston-Webb (BRA)

Round 3

1 Stephanie Gilmore (AUS) 15.10 x 14.53 Brisa Hennessy (CRC)
2 Tyler Wright (AUS) 13.83 x 13.70 Johanne Defay (FRA)
3 Lakey Peterson (EUA) 14.90 x 11.36 Macy Callaghan (AUS)
4 Sally Fitzgibbons (AUS) 15.24 x 14.70 Nikki Van Dijk (AUS)
5 Carissa Moore (HAV) 14.00 x 11.83 Bettylou Sakura Johnson (HAV)
6 Malia Manuel (HAV) 13.23 x 12.23 Courtney Conlogue (EUA)
7 Sage Erickson (EUA) 12.67 x 11.10 Caroline Marks (EUA)
8 Tatiana Weston-Webb (BRA) 18.20 x 13.16 Isabella Nichols (AUS)

Round 2

1 Sally Fitzgibbons (AUS) 14.07 x Sage Erickson (EUA) 14.00 x Keely Andrew (AUS) 11.30
2 Isabella Nichols (AUS) 14.93 x Macy Callaghan (AUS) 12.50 x Bronte Macaulay (AUS) 12.00

Primeira fase

1 Lakey Peterson (EUA) 13.00 x Nikki Van Dijk (AUS) 8.23 x Keely Andrew (AUS) 6.10
2 Tyler Wright (AUS) 15.57 x Caroline Marks (EUA) 11.43 x Isabella Nichols (AUS) 7.16
3 Carissa Moore (HAV) 14.00 x Bettylou Sakura Johnson (HAV) 12.33 x Bronte Macaulay (AUS) 8.60
4 Stephanie Gilmore (AUS) 16.00 x Malia Manuel (HAV) 13.24 x Macy Callaghan (AUS) 5.80
5 Johanne Defay (FRA) 10.36 x Brisa Hennessy (CRC) 8.50 x Sally Fitzgibbons (AUS) 6.96
6 Tatiana Weston-Webb (BRA) 13.83 x Courtney Conlogue (EUA) 9.04 x Sage Erickson (EUA) 7.90