Sydney Surf Pro

Rio Waida vence em Manly

Indonésio Rio Waida supera o australiano Ryan Callinan na final e fatura título do Sydney Surf Pro. Portuguesa Teresa Bonvalot vence entre as mulheres. Melhor brasileiro na prova, Deivid Silva fica em quinto lugar.

0
Rio Waida vence o Sydney Surf Pro e sobre para a vice-liderança do ranking do CS.

Deu Indonésia na categoria masculina do Sydney Surf Pro. Rio Waida marcou duas notas no critério excelente na final e superou o australiano Ryan Callinan, que chegou na bateria após duas apresentações incríveis. Rio subiu para a vice-liderança do ranking com a vitória. Ryan está na sexta posição. Deivid Silva parou nas quartas de final e está em 15º lugar na lista dos melhores do Challenger Series 2022.

Clique aqui para ver as fotos

Clique aqui para ver o vídeo

As baterias do último dia do Sydney Surf Pro foram realizadas em ondas com 0,5 a 1 metro e boa formação em Manly Beach. As esquerdas continuaram sendo o caminho para as vitórias. Ryan chegou na bateria mais importante do evento masculino após dar show.

Nas quartas, contra o havaiano Imaikalani deVault, o australiano chegou ao somatório de 18 pontos antes dos cinco minutos iniciais. Primeiro marcou 9.50 com duas alongadas e fortes rasgadas, além de uma batida de frontiside. Na sequência voltou a atacar uma esquerda com duas curvas na pressão e anotou 8.50. No final o aussie melhorou ainda mais seu somatório com uma rasgada forte e uma batida chutando a rabeta por cima da crista (8.73). Imai depois voou alto e rodando, mas os 9.17 não alteraram o resultado.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Na semi Ryan passou pelo italiano Leonardo Fioravanti com outra nota no critério excelente, 8.67 pontos, além de 7.67. Leo terminou o evento em terceiro lugar e assumiu a liderança do ranking do Challenger Series.

Rio Waida eliminou o havaiano Brodi Sale nas quartas, com direito a nota no critério excelente (8.00), na que foi a melhor onda dele até a final. Na semi ele bateu o norte-americano Jett Schilling tendo como melhor score 7.00 pontos.

Rio Waida mostra seu forte ataque de backside.

Final – Na final a magia mudou de lado. Ryan foi o primeiro a surfar. Nos minutos iniciais o australiano rasgou e bateu na junção da esquerda chutando a rabeta para o alto. A nota foi 7.67 pontos. Aos cinco minutos Ryan voltou a atuar e colocou mais 5.33 no somatório.

Rio largou com uma onda fraca (0.43), mas aos sete minutos encaixou duas manobras em sequência de backside (5.87) e se manteve no jogo. Aos 11 o indonésio bateu reto de backside, rasgou e executou outra pancada vertical pra finalizar a apresentação. Ele precisava de 7.14 pontos para assumir a liderança e marcou 8.23.

Ryan, que passou a precisar de 6.44 pontos para reverter o resultado, logo deu a resposta. Ele escovou uma esquerda e anotou 7.63 para voltar para o primeiro lugar. O mar ficou flat por alguns minutos e Rio tinha a prioridade, mas na primeira tentativa de conquistar 7.07 ele caiu. O australiano então aproveitou a oportunidade e surfou. Dessa vez ele rasgou e voou, aterrissando de rabeta e corrigindo logo depois a direção da prancha. A nota 8.03 deu mais folga na liderança para Ryan. Rio necessitava de 7.47.

Ryan Callinan tenta reverter o placar com os aéreos, mas não consegue.

O surfista da Indonésia manteve a prioridade e aos 24 minutos não errou como na vez anterior. Rio escovou uma esquerda com três fortes ataques. Ele errou a quarta manobra, mas ainda assim anotou 9.50 pontos. Ryan ficou em situação complicada, na necessidade de 9.70 para vencer. Mas ainda restavam 11 minutos para o fim.

Ryan ainda tez mais três tentativas, tentou aéreos insanos, porém não completou as manobras e terminou em segundo lugar. Rio faturou o título da prova pelo placar de 17.73 a 15.70 pontos.

“Estou muito feliz por vencer, mas o trabalho ainda não está terminado para mim”, diz Rio. “Meu objetivo este ano é me qualificar para o CT e este foi um ótimo resultado, mas devo continuar obtendo ótimos resultados. Estou ansioso para o evento G-Land em casa, na Indonésia, que começa neste fim de semana. Tenho habilidade para competir contra os melhores do mundo e ser o melhor do mundo. Treinei duro e continuarei treinando e melhorando. Hoje é um ótimo dia para mim e para a Indonésia”.

Rio é convidado pra o Pro G-Land, a próxima etapa do CT. O indonésio venceu a única etapa da temporada do QS na região da Ásia, realizada em Kuta Beach, na ilha de Bali, no último mês de março. O surfista participou do Challenger Series de 2021 e terminou na 67ª posição, tendo como melhor resultado o 25º lugar na França. Com a vitória no Sydney Surf Pro ele subiu 23 posições no ranking e agora ocupa a vice-liderança.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Deivid para nas quartas – O único brasileiro classificado para o último dia do Sydney Surf Pro ficou nas quartas de final. A bateria contra o italiano Leonardo Fioravanti começou devagar, com poucas ondas. Deivid abriu o duelo com 4.50 pontos aos sete minutos. A segunda apresentação aconteceu aos 13. Ele rasgou duas vezes e executou um floater, além de outra curva já na parte muito pequena da esquerda. A nota foi 5.23.

Na sequência, Leo, que tinhas duas ondas fracas, começou a entrar no jogo. O italiano bateu três vezes e anotou 4.60 pontos. Logo depois Deivid tentou um alley oop, mas errou. A bateria de 30 minutos estava no início da segunda metade e o brasileiro estava na frente. Porém o italiano seguiu ativo e foi melhorando a escolha das ondas. Ele quase virou com 4.93 e na sequência pulou para a liderança com 6.00, nota conquistada com outra esquerda em que ele bateu, executou um cutbak e mais duas pancadas.

Deivid Silva fica em quinto lugar no Sydney Surf Pro.

Deivid seguiu seletivo, na busca por uma onda que ele pudesse trabalhar para conquistar os 5.71 pontos que necessitava pra vencer. Mas Leo continuou pegando várias ondas, mesmo sem a prioridade. Assim que anotou mais de 6.23, aos 20 minutos, 6.17 aos 25 e complicou muito o caminho do brasileiro no último minuto, ao marcar 6.90 em outro ataque feroz de backside.

O brasileiro ainda teve tempo de surfar e fez a esquerda até o final, mas ele necessitava de 7.90 pontos e conquistou 6.17. Com a derrota Deivid terminou o Sydney Surf Pro na quinta posição, subiu 34 degraus no ranking e ocupa atualmente o 15º lugar.

Feminino – Entre as mulheres quem levou a melhor foi Teresa Bonvalot. A portuguesa passou pela havaiana Keala Tomoda-Bannert na semi, e na final fez as maiores marcas do dia entre elas, 8.00 pontos na melhor nota, e 15.83 no somatório. A vice-campeã foi a australiana Nikki Van Dijk.

Com a vitória Teresa subiu 14 posições no ranking e agora está em terceiro lugar. Nikki está em segundo lugar e a liderança segue com a norte-americana Caitlin Simmers. A melhor brasileira na lista é Sophia Medina (29ª).

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Próxima etapa do CS – A próxima etapa do Challenger Series acontece em julho. O Ballito Pro tem dos dias 3 a 10 para ser realizado na África do Sul.

Sydney Surf Pro

Final masculina

Rio Waida (IDN) 17.73 x 15.70 Ryan Calllinan (AUS)

Semifinais

1 Rio Waida (IDN) 13.50 x 8.50 Jett Schilling (EUA)

2 Ryan Callinan (AUS) 16.34 x 9.23 Leonardo Fioravanti (ITA)

Quartas de finais

1 Rio Waida (IDN) 14.83 x 12.70 Brodi Sale (HAV)

2 Jett Schilling (EUA) 15.93 x 9.67 Kade Matson (EUA)

3 Ryan Callinan (AUS) 18.23 x 17.07 Imaikalani deVault (HAV)

4 Leonardo Fioravanti (ITA) 13.13 x 11.40 Deivid Silva (BRA)

Final feminina

Teresa Bonvalot (POR) 15.83 x 13.13 Nikki Van Dijk (AUS)

Semifinais

1 Teresa Bonvalot (POR) 13.07 x 12.74 Keala Tomoda-Bannert (HAV)

2 Nikki Van Dijk (AUS) 14.37 x 12.77 Sophie McCulloch (AUS)

Ranking masculino do Challenger Series 2022 após o Sydney Surf Pro

1 Leonardo Fioravanti (ITA) 10.830

2 Rio Waida (IDN) 10.750

3 Callum Robson (AUS) 10.000

4 Sheldon Simkus (AUS) 8.550

5 Dylan Moffat (AUS) 8.065

6 Ryan Callinan (AUS) 8.050

7 Maxime Huscenot (FRA) 7.985

8 Ramzi Boukhiam (MAR) 6.645

9 Morgan Cibilic (AUS) 6.640

10 Nolan Rapoza (EUA) 6.385

11 Jett Schilling (EUA) 6.335

12 Imaikalani deVault (HAV) 5.495

13 Michael Rodrigues (BRA) 5.220

13 Alex Ribeiro (BRA) 5.220

15 Deivid Silva (BRA) 5.045

26 Lucas Silveira (BRA) 3.800

31 Mateus Herdy (BRA) 2.650

32 Alejo Muniz (BRA) 2.550

36 Edgard Groggia (BRA) 2.150

39 Jadson André (BRA) 1.900

41 Willian Cardoso (BRA) 1.500

43 Thiago Camarão (BRA) 1.400

44 Matheus Navarro (BRA) 1.300

Ranking feminino do Challenger Series 2022 após o Sydney Surf Pro

1 Caitlin Simmers (EUA) 14.745

2 Nikki Van Dijk (AUS) 12.545

3 Teresa Bonvalot (POR) 11.900

4 Molly Picklum (AUS) 9.700

5 Luana Silva (HAV) 8.065

29 Sophia Medina (BRA) 2.500

44 Anne dos Santos (BRA) 1.900

44 Tatiana Weston-Webb (BRA) 1.900