MEO Vissla Pro Ericeira

Imaikalani é 10

Havaiano Imaikalani deVault volta a dar show em Portugal, marca nota 10 e vence bateria com o expressivo somatório de 19.60 pontos. Cinco brasileiros seguem vivos no MEO Vissla Pro Ericeira.

0
Imaikalani Devault conquista primeira nota 10 do MEO Vissla Pro Ericeira 2021.

Imaikalani deVault deu espetáculo nesta quinta-feira (7) em Portugal. O havaiano voltou a surfar bem no MEO Vissla Pro Ericeira, mas dessa vez chegou na nota máxima e ainda colocou mais 9.60 pontos no somatório, para vencer com a expressiva marca de 19.60. O dono das maiores marcas da competição está garantido nas oitavas de final, fase que terá quatro brasileiros. Entre as meninas, Silvana Lima esbanja categoria, vence e chega nas quartas.

Clique aqui para ver as fotos

Clique aqui para ver o vídeo

O dia amanheceu com altas ondas de 1,5 metro em média no pico português de Ribeira D’Ilhas, porém com alguns longos momentos de flat. Os homens abriram a quinta-feira com as disputas da terceira fase, e Imaikalani fechou a participação masculina.

O havaiano mostrou as cartas logo na sua segunda onda, ainda no início da disputa. Ele dropou, ganhou a seção e começou a dar show. Com batidas fortes, layback na pressão, além de uma boa rasgada invertendo a direção da prancha, ele anotou 9.60 pontos e colocou pressão nos adversários.

Alguns minutos depois ele disparou na frente com uma nota 10. Imaikalani precisou de apenas três manobras, porém todas muito expressivas e no limite para chegar à expressiva pontuação de 19.60. Com essas duas notas, o havaiano chegou a cinco pontuações no critério excelente marcadas em três fases.

“Foi muito divertido! Gosto muito baterias que tenho várias oportunidades”, fala Imaikalani. “Algo está dando certo para mim, então vou repetir o que já venho fazendo. Eu fiz as notas altas e ainda tinha muito tempo de bateria, então esqueci até da disputa e foquei em fazer linhas diferentes. Foi realmente muito maneiro”.

 

View this post on Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Caio Ibelli e Callum Robson não estavam bem na disputa. Porém o australiano arrancou uma nota no critério excelente (8.17) quando restavam nove minutos para o fim. Callum pegou uma onda que teve várias seções críticas, e atacou as paredes com fortes batidas.

Depois o aussie complicou ainda mais o caminho do brasileiro ao marcar 7.00 pontos. Caio passou a necessitar de 15.17 para avançar e acabou eliminado, porém antes de se despedir, nos segundos finais, deu um show com 9.20 pontos, numa direita finalizada com um aéreo bizarro na junção.

Caio foi dos quatro brasileiros eliminados nesta quinta-feira. Deivid Silva abandonou o Pro Ericeira para estar com a família, que passa por problemas de saúde. Os outros foram Mateus Herdy e Ian Gouveia, ambos em baterias que tiveram outros brazucas.

O sexto duelo da terceira fase masculina teve o detentor do título do Pro Ericeira em ação. Samuel Pupo voltou a mostrar sintonia com o pico de Ribeira D’Ilhas, e a surfar de maneira fluída, em alta velocidade, executando curvas com pressão e com uma linha limpa. Ele abriu com 7.17 pontos, depois colocou mais 6.67. Porém o melhor estava por vir.

Samuel Pupo volta a fazer bela apresentação no Pro Ericeira.

Ian Gouveia fazia um ataque forte e vertical de backside e estava em segundo lugar com as notas 7.20 e 5.23 pontos. Mas Jackson Baker mudou a história da bateria perto dos 15 minutos. O australiano fez boas curvas e foi até o inside, onde bateu para finalizar a apresentação. A nota 8.00 deu a liderança para Jackson.

Samuel precisava de 7.01 pontos para assumir a ponta e foi em busca da nota quando restavam seis minutos. O brasileiro fez três manobras, sendo um layback poderoso, a melhor. A atuação valeu 8.90 e a vitória.

Ian precisava de 6.98 pontos para avançar, mas viu o australiano usar a prioridade e aumentar a diferença com a nota 7.00. Ian acabou eliminado do evento, na 17ª posição.

“Foi uma ótima onda (8.90). Eu estava sem a prioridade, e quando vi a direita sabia que seria incrível. Eu tentei não mostrar interesse na onda para ninguém remar. Depois eu fiquei rezando nos minutos finais para achar outra direita boa e ir para primeiro lugar, e deu certo”, fala Samuel.

A terceira disputa também teve dois brasileiros na água. Todos começaram bem, mas o estrangeiro foi o único a chegar no critério excelente. Carlos Muñoz entrou em ação no oitavo minuto de bateria e estraçalhou a onda. O costa-riquenho surfou com velocidade, atacou as muitas seções críticas da onda com rasgadas e batidas poderosas, e conquistou 9.00 pontos.

 

View this post on Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Mateus se adiantou com duas notas na casa dos seis pontos (6.67 e 6.10) e ficou em segundo lugar até perto dos cinco minutos finais. Thiago achou uma onda boa, rasgou com pressão e bateu forte para receber 7.40 e assumir a liderança. Porém logo depois Carlos reassumiu a ponta.

Mateus, que estava surfando muito bem na bateria, passou a precisar de 6.74 pontos para avançar. Ele até pegou algumas ondas, mas não conseguiu mais seções para atingir a nota e foi eliminado.

Mateus Herdy é eliminado do evento.

João e Alejo também vencem – A primeira vitória brasileira no dia foi com João Chianca, na segunda bateria. Quem começou melhor foi Lucca Mesinas. O peruano pegou uma direita que teve parede em pé, fez um ataque vertical e anotou 6.00 pontos. O brasileiro errou a finalização na primeira onda.

Lucca voltou a surfar após um momento de flat. Ele novamente fez a onda inteira e aumentou a distância no placar com 5.17 pontos. A bateria de 30 minutos já estava na segunda metade e João estava em terceiro com apenas uma onda, próximo do segundo colocado, o norte-americano Jake Marshall.

O brasileiro surfou uma onda durante a prioridade de Jake. Restavam dez minutos. João fez um ataque com três batidas, sendo a última a mais expressiva, com potência e chutada de rabeta. A apresentação valeu 7.00 pontos e a segunda posição na bateria. Mas ele queria mais.

João pegou outra direita quando restavam dois minutos para o fim, fez boas curvas durante toda a onda até bater forte na junção, já no inside. A nota 6.43 pontos deu a vitória para o brasileiro. Lucca avançou em segundo lugar e Jake foi eliminado.

“Estou me sentindo ótimo. Hoje de manhã as ondas estavam demais. Eu fiz um surfe bem cedo e peguei ótimas ondas. Na minha bateria as séries ficaram mais demoras. Peguei meu 7.00 (pontos) perto dos dez minutos de bateria. Então fiquei esperando uma nova oportunidade. Então tive que bloquear o Jake, que é um surfista muito bom, mesmo a onda sendo ruim. Eu fiz um 3.73, mas acabou parei no lugar certo pra pegar uma direita melhor e fazer 6.43. Estou amarradão, pois essa vai ser a minha primeira bateria homem a homem no Challenger Series. Estou ansioso”, diz João.

João Chianca ataca a junção de Ribeira D’Ilhas e avança no Pro Ericeira.

Alejo Muniz destruiu uma direita logo no início do sétimo confronto. O brasileiro acelerou no início e rasgou duas vezes com muita força. Na sequência ele bateu reto, e depois deu outra pancada, porém chutando a rabeta. O brasileiro entrou no inside, rasgou novamente com muita vontade e bateu mais duas vezes. A atuação valeu 8.43 pontos.

A bateria chegou na metade e o australiano Cooper Chapman estava em primeiro lugar, com as notas 5.00 e 4.83 pontos. Alejo ocupava a segunda posição e o surfista de Barbados, Josh Burke, estava na terceira, mas com 7.17 pontos na melhor atuação.

Logo Alejo colocou mais 5.53 pontos no somatório e se firmou na liderança. Josh também chegou na casa dos cinco pontos e complicou o caminho de Cooper. O australiano passou a precisar de 7.50 para avançar, mas não chegou perto de conquistar a nota e foi eliminado.

Alejo Muniz está classificado para as oitavas de final.

Silvana nas quartas – A bateria de Alejo foi a penúltima dos homens no dia. As meninas foram para água depois deles, e Silvana Liman ão deu chances para a australiana Keely Andrew.

Silvana marcou a primeira nota expressiva com sete minutos de disputa. Os 7.83 pontos foram apenas um aquecimento. Após um longo momento de flat, a brasileira conquistou 8.17 mesmo errando a última manobra. Ela rasgou forte, bateu e caiu na terceira batida.

Keely ficou em maus lençóis, precisando de duas ondas para vencer, mas ela ainda tinha 12 minutos. Porém foi Silvana que subiu ainda mais o nível. A brazuca executou rasgadas amplas, além de um floater. A performance valeu 9.03 pontos e garantiu uma vaga nas quartas de final.

“As ondas estão tão boas que eu lembro de J-Bay”, diz Silvana, “Estou muito feliz por passar de fase e ter outra oportunidade de surfar essas direitas. Minha prancha é um pouco pequena para esse mar, é uma 5’7″, mas funcionou e estou muito feliz”.

A próxima adversária de Silvana é Pauline Ado, francesa que eliminou Summer Macedo no segundo duelo feminino do dia. Pauline venceu com duas notas na casa dos seis pontos (6.83 e 6.07), enquanto a brasileira marcou duas na casa dos cinco (5.67 e 5.33) e perdeu precisando de 7.23.

Havaiana no critério excelente – A melhor menina no dia foi Bettylou Sakura Johnson. A havaiana venceu a australiana Macy Callaghan com duas notas na casa dos nove pontos (9.43 e 9.23).

 

View this post on Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Susto – Teresa Bonvalot tomou um susto nesta quinta-feira. Ela participava da última bateria do dia e parou nas pedras após terminar sua primeira onda. Ela partiu para uma batida no inside, porém errou. As ondas continuaram indo na direção da portuguesa que foi jogada nas rochas. Ela recebeu ajuda para sair da situação, pegou a prancha e voltou correndo para o mar. Ela acabou eliminada pela havaiana Luana Silva pelo placar de 16.40 a 10.24 pontos.

Próxima chamada – A próxima chamada para o Pro Ericeira acontece nesta sexta-feira (8), às 4h (de Brasília).

Assista às disputas ao vivo aqui no Waves.

Round 3 Masculino
3º=17º lugar ($ 2.000 e 2.000 pts)

1 Ezekiel Lau (HAV) 12.26, Jordan Lawler (AUS) 12.00, Deivid Silva (BRA) 0.00

2 João Chianca (BRA) 13.43, Lucca Mesinas (PER) 11.17, Jake Marshall (EUA) 7.90

3 Nat Young (EUA) 16.60, Hiroto Ohhara (JPN) 12.74, Jacob Willcox (AUS) 8.83

4 Carlos Muñoz (CRI) 16.17, Thiago Camarão (BRA) 13.40, Mateus Herdy (BRA) 12.77

5 Cole Houshmand (EUA) 15.16, Dylan Moffat (AUS) 13.67, Kauli Vaast (FRA) 13.20

6 Samuel Pupo (BRA) 16.07, Jackson Baker (AUS) 15.00, Ian Gouveia (BRA) 12.43

7 Alejo Muniz (BRA) 13.96, Josh Burke (BRB) 12.50, Cooper Chapman (AUS) 9.83

8 Imaikalani deVault (HAV) 19.60, Callum Robson (AUS) 15.17, Caio Ibelli (BRA) 13.87

Oitavas de final
2º=9º lugar ($ 2.750 e 3.500 pts)

1 Ezekiel Lau (HAV) x Lucca Mesinas (PER)

2 João Chianca (BRA) x Jordan Lawler (AUS)

3 Nat Young (EUA) x Thiago Camarão (BRA)

4 Carlos Muñoz (CRI) x Hiroto Ohhara (JPN)

5 Cole Houshmand (EUA) x Jackson Baker (AUS)

6 Samuel Pupo (BRA) x Dylan Moffat (AUS)

7 Alejo Muniz (BRA) x Callum Robson (AUS)

8 Imaikalani deVault (HAV) x Josh Burke (BRB)

Round 3 Feminino
2ª=9º lugar (US$ 2.750 e 3.500 pts)

1 Silvana Lima (BRA) 17.20 x 10.93 Keely Andre (AUS)

2 Pauline Ado (FRA) 12.90 x 11.00 Summer Macedo (BRA)

3 Shino Matsuda (JPN) 18.14 x 17.26 Alyssa Spencer (EUA)

4 Gabriela Bryan (HAV) 15.33 x 14.06 Yolanda Hopkins (PRT)

5 Brisa Hennessy (CRI) 15.47 x 11.57 Keala Tomoda-Bannert (HAV)

6 Ariane Ochoa (ESP) 14.90 x 14.57 India Robinson (AUS)

7 Bettylou Sakura Johnson (HAV) 18.66 x 14.83 Macy Callaghan (AUS)

8 Luana Silva (HAV) 16.40 x 10.24 Teresa Bonvalot (PRT)

Quartas de final
2ª=5º lugar (US$ 3.500 e 5.000 pts)

1 Silvana Lima (BRA) x Pauline Ado (FRA)

2 Shino Matsuda (JPN) x Gabriela Bryan (HAV)

3 Brisa Hennessy (CRI) x Ariane Ochoa (ESP)

4 Bettylou Sakura Johnson (HAV) x Luana Silva (HAV)