Surfe nas Olimpíadas

Tufão turbina a previsão

De acordo com a previsão, ondas podem ultrapassar os 3 metros na estreia do Surfe nas Olimpíadas, com a chegada de um tufão no dia 25 de julho no Japão.

0
Tufão pode trazer boas ondas para a estreia do surfe nas Olimpíadas.

A previsão das ondas para a estreia do Surfe em Tóquio aponta ondas na casa dos 3 metros no dia 25 de julho, com possíveis séries maiores (até 5 metros), de acordo com o portal norte-americano Surfline. A prova será realizada na praia de Shidashita (Tsurigasaki Beach), em Ichinomiya, na província de Chiba, a cerca de 60 quilômetros de Tóquio.

Clique aqui para ver o cronograma do Surfe nos Jogos Olímpicos

Clique aqui para ver as regras do Surfe em Tóquio

Clique aqui para ver as chaves de bateria

Também é esperada a chegada de um segundo tufão ainda durante a prova, que tem janela de espera pelas melhores ondas até 1 de agosto.

Já o portal Globo informa que a chegada deste tufão pode trazer ondas de até 3 metros. O enviado especial Breno Dines afirma que a praia de Tsurigasaki pode “surpreender” nos primeiros dias de competição nas Olimpíadas de Tóquio.

Gabriel Medina, Italo Ferreira, Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima representam o Brasil.

“Quando falam em tufão no Japão é um sinal bom porque vai ter onda. Isso é ótimo pra gente. Claro que à vezes entra com muito vento, mas esse vento passa. Então sempre entram umas ondas surfáveis. Então se tem essa notícia de que vai entrar um tufão para as Olimpíadas isso é bom. É um jeito que a gente gosta de competir, tendo oportunidades e com mais ondas surfadas. Isso dá pra gente a possibilidade de arriscar mais nas manobras, puxar o nosso melhor. Quando se fala em ciclone, tufão no Japão parece uma coisa ruim, mas pra quem surfa é bom”, disse Medina ao portal Globo.

View this post on Instagram

A post shared by World Surf League (@wsl)

Por outro lado, muitos japoneses estão pensando menos em medalhas, por conta do fato de Tóquio estar em um quarto estado de emergência por causa das infecções por coronavírus novamente em alta. Além disso, problemas de abastecimento paralisaram o programa de vacinação.

A verdade é que muita coisa mudou desde maio de 2020, quando o primeiro-ministro Abe considerou um sucesso o “modelo do Japão” de lutar contra o COVID-19.

“O Japão começou a experiência COVID com complacência, não há dúvida sobre isso”, disse Koichi Nakano, professor de ciência política da Universidade Sophia em Tóquio. “As pessoas foram obrigadas a assumir a responsabilidade de se proteger e conter o vírus. Agora, as pessoas estão pensando, basta. ”

Segundo reportagem do jornal americano Los Angeles Times, o Japão confundiu os observadores no início da pandemia, mantendo o número de infecções e mortes baixas, apesar de realizar muito menos testes do que outros países, impondo apenas restrições leves e fazendo pouco para adicionar leitos hospitalares.

Província de Chiba recebe a modalidade Surfe nos Jogos Olímpicos.

No British Medical Journal deste ano, pesquisadores de saúde pública escreveram que o Japão falhou em refletir sobre as deficiências de sua resposta inicial, “aderindo, em vez disso, a noções de excepcionalismo”.

Isso deixou o Japão mal preparado quando uma terceira onda de casos atingiu o país e suas instituições médicas no início deste ano, seguida por uma quarta onda em maio, com as Olimpíadas se aproximando rapidamente.

Milhares de pacientes com COVID-19 que precisam de leitos hospitalares ficaram sem nenhum. Mais de três quartos das 15 mil mortes causadas por COVID-19 no Japão ocorreram em 2021.

As infecções diárias do país estão em cerca de 2,3 mil e tendem a aumentar, muito abaixo do pico de janeiro de quase 8 mil, mas com casos em Tóquio registrando um pico de seis meses .

Faltando uma semana para a cerimônia de abertura, e temendo que a variante Delta, altamente infecciosa, traga mais perigo, menos de um terço dos 125 milhões de japoneses receberam uma dose da vacina e menos de 20% estão totalmente inoculados.

“A liderança política ausente e errática é a culpada por um grande fracasso do governo japonês, que tinha muito a perder por não vacinar antes das Olimpíadas”, disse Nakano.

Ele disse que o desempenho inicial do Japão na luta contra o COVID-19 foi em grande parte graças aos esforços dos cidadãos individuais em estarem vigilantes e cautelosos, e que o governo recebeu crédito indevido.

Fontes Los Angeles TimesGlobo 

Leia mais

Italo sem freio

Critérios para substituições

COB oferece premiação gorda

Chave de baterias antiga, antes da alteração

Lista olímpica fechada

Cronograma dos Jogos

Ticket para Tóquio

O Japão é logo ali