Narrabeen Classic

Nove brazucas no round 3

Italo Ferreira comanda time brasileiro, que já tem nove surfistas classificados para a terceira fase do Narrabeen Classic na Austrália.

0
Italo Ferreira tem as melhores notas do primeiro dia de ação no Narrabeen Classic.

O Brasil caminha bem para seguir no topo do ranking mundial. Neste sábado (17) australiano, nove dos 11 brasileiros da elite avançaram para a terceira fase do Narrabeen Classic, a terceira parada do Tour 2021 da elite. O líder Italo Ferreira foi o destaque, enquanto o segundo colocado Gabriel Medina também avançou com vitória.

Clique aqui para ver o vídeo

Clique aqui para ver as fotos

O primeiro dia de disputas do evento começou com as meninas e logo após o término da primeira fase os homens foram pra água em Sidney, Austrália. O beach break de North Narrabeen não funcionou como nos melhores dias. As ondas de 1 metro em média ficaram irregulares e fechavam rapidamente durante todo o dia. As pororocas atrapalharam ainda mais o trabalho dos tops, porém isso não foi problema para o elétrico Italo Ferreira.

A estreia do potiguar teve um surfe completo. Italo voou de backside num aéreo com rotação e soltou fortes manobras de borda, também de costas para a onda, para vencer com sobras a sexta bateria do evento.

Na borda o brasileiro conquistou a maior nota do dia, 7.33, e com a decolagem arrancou mais 6.83 dos juízes para vencer os adversários com o maior somatório da fase: 14.16 pontos.

“Tenho grandes lembranças daquela final com o Mick (Fanning) em Bells e estava muito empolgado para essa bateria”, disse Italo Ferreira. “Eu fiz tudo o que podia para avançar e acelerei até o limite (risos). Está difícil o mar lá fora, a direção da ondulação não está boa e as ondas estão fechando, mas aparecem umas boas ainda. A minha prancha funcionou bem nessa condição de mar e estou pronto para a próxima bateria”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Waves (@waves.com.br)

Quem tentou incomodar o brazuca, mas não conseguiu, foi o novato na elite, um dos destaques da Newcastle Cup, Morgan Cibilic. O australiano chegou a arrancar 6.33 após escovar uma esquerda, mas ficou faltando 7.83 pra tirar a posição de Italo.

Em terceiro na disputa ficou o tricampeão mundial e convidado para a etapa, Mick Fanning. O também australiano, como era esperado, mostrou estar fora de ritmo de competição e cometeu alguns erros, somando apenas 5.60 nas duas melhores ondas (3.57 e 2.03) no duelo, contra 10.33 de Morgan, que avançou junto de Italo para a terceira fase.

Medina nas alturas – Gabriel Medina também usou as bordas da prancha, mas foi com dois voos de backside com rotação que ele conquistou 11.67 para vencer o quinto confronto masculino do dia. Jadson André batalhou até o fim contra o convidado Dylan Moffat e ficou com a segunda vaga na fase 3.

O australiano começou melhor e liderou, mas por pouco tempo. Jadson surfou encaixado na esquerda e pulou pra frente, porém Medina começou a voar e assumiu a liderança pra não sair mais. Jadson se manteve em segundo até o fim, mas levou um susto quando o Dylan arrancou 3.87 quando precisava de 4.73 nos minutos finais.

“Está sendo ótimo ter essa sequência de eventos, então quero aproveitar esse momento”, disse Gabriel Medina. “Estou tentando não desperdiçar nenhuma oportunidade de surfar e estou feliz por ter passado a bateria. No final, o Jadson também se deu bem e foi legal ver tanta torcida aqui na praia. Tem bastante brasileiros na areia e foi engraçado que dei um autógrafo numa maçã (risos). Foi bem diferente e é incrível estar num lugar como esse”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Waves (@waves.com.br)

Início pega fogo – Filipe Toledo e Adriano de Souza estrearam na competição pouco antes da bateria de Medina. Eles entraram no duelo de número 3, que teve um início arrasador de Filipinho. O brasileiro rapidamente fez duas notas 6.67 pontos, a primeira com fortes manobras de backside, e a segunda com uma rasgada power e rápida seguida de um aéreo reverse de front.

Com o segundo maior somatório do dia (13.34) até aquele momento, conquistado em poucos minutos, Filipinho ficou seletivo e deixou a briga entre Adriano de Souza e o australiano Mikey Wright.

O aussie ficou na frente até o último minuto, quando o brasileiro achou uma direita longa, que, mesmo sem parede íngreme, deu oportunidades para algumas manobras que valeram 4.40 e a classificação para a terceira fase.

“Sem dúvidas, está bem difícil o mar lá fora, com as ondas fechando e bastante backwash”, disse Filipe Toledo. “Mas, eu entrei bem confiante e consegui pegar umas ondas boas no início. Fiquei feliz em acertar as manobras e fazer aquele aéreo. Minha prancha está incrível e o astral está lá em cima. Eu testei algumas pranchas nos últimos dias, tenho me divertido bastante e é muito bom estar de volta as competições”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por WSL Brasil (@wslbrasil)

Turbina ligada – Outro que voou direto para o round 3 foi Yago Dora. O brazuca participou do primeiro confronto masculino do Narrabeen Classic e saiu decolando logo no início.

O australiano Connor O’Leary abriu os trabalhos com manobras, mas Yago acelerou e voou bonito com rotação para conquistar 6.83. Rapidamente colocou mais 3.90 no somatório e aí passou a esperar por melhores ondas, deixando a luta acirrada pela segunda vaga entre o japonês Kanoa Igarashi e Connor. A disputa foi parelha, mas o japonês levou a melhor por 9.97 a 9.60. O brasileiro ficou com 10.73 pontos.

“É a primeira vez que eu venho aqui para Narrabeen e estou adorando”, disse Yago Dora. “De fora, parece que o mar está bom, mas na verdade está bem difícil. As ondas estão fechando rápido e a direção do swell (ondulação) não é a ideal para essa bancada. Acho que tem que ter sorte porque não vem muitas ondas boas nas baterias. Fiquei bem feliz por pegar uma boa logo no início e depois tive que ter calma para controlar a vantagem até terminar a bateria”.

Yago Dora abre dia de disputas com vitória para o Brasil.

Miguel em sintonia – Miguel Pupo começou ligado no décimo confronto da primeira fase, e, após três ondas fracas, colocou 4.50 e 5.67 no somatório.

Naquele momento o mar estava bem devagar, com séries demoradas, e o brasileiro abriu boa vantagem para o australiano Julian Wilson, que só tinha surfado uma onda (2.67), e para o norte-americano Conner Coffin, que não tinha pegado nada.

Enquanto seus adversários esperavam, ele seguia surfando e com um aéreo baixo, duas rasgadas e uma pequena batida no fim trocou de nota e ficou mais tranquilo na frente com os 5.00 pontos. Restavam dez minutos para o término, e Julian precisava de 8.00 para tomar o lugar do brasileiro.

Tranquilo na frente, Miguel ainda aumentou a distância e deixou a briga com os dois. E o bicho pegou no final. Quando restavam dois minutos, Julian, que precisava de 3.66, achou uma esquerda e soltou algumas manobras, conectando bem as seções e indo até a beira. A nota 4.53 deixou Conner na necessidade de 3.98. Ainda deu tempo de o norte-americano surfar, e ele aplicou várias manobras numa canhota, mas três dos cinco juízes não gostaram muito e ele ficou com 3.73, terminando em terceiro e indo para a repescagem.

Miguel Pupo rasga e pontua na vitória do primeiro round.

Deivid rasga forte – A sexta vitória brazuca no dia veio com boas rasgadas de frontside de Deivid Silva. A 11ª bateria foi parelha, e o brasileiro começou bem, porém depois caiu para terceiro. No início do último terço do duelo o brasileiro aplicou duas manobras fortes numa esquerda, anotou 5.93, pulou pra primeiro e ficou lá até o fim.

A briga pela segunda vaga ficou entre os australianos Jack Freestone e Wade Carmichael. Restando quatro minutos, Jack usou a prioridade, mas não trocou de nota. Dois minutos depois Wade pegou uma direita e executou uma rasgada seguida de uma batida power na junção. A nota 5.60 o levou para a segunda posição. Jack ainda voou baixo num revesse, porém não conseguiu reverter o placar.

Por pouco – Peterson Crisanto também passou direto pela repescagem, mas foi apertado e com susto no fim. O australiano Ethan Ewing ficou bem ativo e fez as quatro maiores notas da bateria (5.00, 4.80, 4.80 e 4.17). Já o brasileiro e Jeremy Flores estavam mais seletivos, porém não conseguiam arrancar notas expressivas.

O brasileiro chegou no fim com 3.40 de distância para o francês, porém Jeremy, que só tinha uma onda, dropou e fez algumas manobras. A tensão ficou no ar, entretanto os 3.37 pontos não alteraram as posições. Placar final 9.80 para o Ethan, 6.17 para o Peterson e 6.14 para o Jeremy.

Peterson Crisanto passa apertado para a terceira fase.

Alex e John John – Peterson deu uma certa sorte, o que faltou para Alex Ribeiro na segunda bateria masculina do dia. Frederico Morais foi o cara na disputa. O português pegou as melhores ondas, apresentou um surfe sólido tanto de frontside quanto de backside, e venceu com folga.

A segunda vaga do confronto para o round 3 ficou entre Alex Ribeiro e John John Florence. O brasileiro pegou algumas ondas abertas, mas não atacou de forma tão agressiva a parede e acabou levando uma virada nos segundos finais.

O havaiano não encontrava boas ondas, e as abertas que pegava eram prejudicas pelas pororocas. No final ele segurou a prioridade, mas dropou uma esquerda que correu e não deu oportunidades de manobras.

Faltava um minuto para o fim e Alex remou forte na direção de John John para marcá-lo, porém não chegou a tempo de impedir que o havaiano surfasse outra esquerda, meio torta, mas que ele conseguiu acelerar e voar num reverse de backside. Ele precisava de 3.51 e arrancou 5.57 dos juízes, passando para segundo lugar na bateria e mandando Alex na repescagem.

John John Florence voa no fim e vira pra cima de Alex Ribeiro.

Caio não acha nada – O dia terminou com Caio Ibelli não encontrando nada no 12º confronto. O australiano Jack Robinson e o norte-americano Griffin Colapinto usaram os aéreos e se distanciaram do brasileiro, que errava muito.

No meio da disputa Caio trocou de prancha e voltou melhor, porém após fazer algumas manobras errou uma junção e perdeu uma boa oportunidade de se aproximar dos adversários no placar. O brasileiro também tentou voar, mas não acertou as manobras. Fim de bateriae vitória de Jack, com Griffin em segundo e Caio, que vai para a repescagem, em terceiro.

Caio Ibelli não acha as ondas e cai para a repescagem.

Próxima chamada – A próxima chamada para o Narrabeen Classic acontece ainda neste sábado (17) brasileiro, às 17h45 (de Brasília). De acordo com a previsão oficial da prova, o mar vai ser manter parecido com o deste primeiro dia de disputas, talvez um pouco maior pela manhã.

Assista às disputas do Narrabeen Classic ao vivo aqui no Waves.

Narrabeen Classic 2021

Round 1 Masculino

1 Yago Dora (BRA) 10.73, Kanoa Igarashi (JAP) 9.97, Connor O’Leary (AUS) 9.60
2 Frederico Morais (POR) 10.93, John John Florence (HAV) 9.37, Alex Ribeiro (BRA) 7.30
3 Filipe Toledo (BRA) 13.34, Adriano de Souza (BRA) 7.47, Mikey Wright (AUS) 5.80
4 Reef Heazlewood (AUS) 8.94, Jordy Smith (AFR) 8.43, Adrian Buchan (AUS) 8.10
5 Gabriel Medina (BRA) 11.67, Jadson André (BRA) 9.96, Dylan Moffat (AUS) 9.73
6 Italo Ferreira (BRA) 14.16, Morgan Cibilic (AUS) 10.33, Mick Fanning (AUS) 5.60
7 Ethan Ewing (AUS) 9.80, Peterson Crisanto (BRA) 6.17, Jeremy Flores (FRA) 6.14
8 Ryan Callinan (AUS) 11.67, Michel Bourez (FRA) 9.37, Leonardo Fioravanti (AFR) 8.23
9 Owen Wright (AUS) 10.17, Seth Moniz (HAV) 9.00, Matthew McGillivray (AFR) 7.87
10 Miguel Pupo (BRA) 10.84, Julian Wilson (AUS) 7.20, Conner Coffin (EUA) 6.96
11 Deivid Silva (BRA) 10.03, Wade Carmichael (AUS) 9.60, Jack Freestone (AUS) 8.30
12 Jack Robinson (AUS) 12.56, Griffin Colapinto (EUA) 12.44, Caio Ibelli (BRA) 5.44

Repescagem Masculina

1 Jeremy Flores (FRA), Connor O’Leary (AUS), Mick Fanning (AUS)
2 Jack Freestone (AUS), Leonardo Fioravanti (ITA), Dynal Moffat (AUS)
3 Caio Ibelli (BRA), Matthew McGillivray (AFR), Mikey Wright (AUS)
4 Alex Ribeiro (BRA), Conner Coffin (EUA), Adrian Buchan (AUS)

Round 1 Feminino

1 Malia Manuel (HAV) 8.40, Stephanie Gilmore (AUS) 8.03, Brisa Hennessy (CRI) 5.40
2 Caroline Marks (EUA) 9.14, Macy Callaghan (AUS) 8.43, Tyler Wright (AUS) 8.20
3 Nikki Van Dijk (AUS) 8.57, Carissa Moore (HAV) 8.50, Laura Enever (AUS) 4.60
4 Sally Fitzgibbons (AUS) 10.67, Sage Erickson (EUA) 7.40, Johanne Defay (FRA) 6.60
5 Keely Andrew (AUS) 9.07, Amuro Tsuzuki (JAP) 8.60, Isabella Nichols (AUS) 7.46
6 Courtney Conlogue (EUA) 9.10, Bronte Macaulay (AUS) 8.87, Tatiana Weston-Webb (BRA) 7.90

Repescagem Feminina

1 Tatiana Weston-Webb (BRA) x Tyler Wright (AUS) x Laura Enever (AUS)
2 Isabella Nichols (AUS) x Johanne Defay (FRA) x Brisa Hennessy (CRI)