Margaret River Pro

Brasil garantido na semi

Adversários nas quartas de final, Italo Ferreira e Filipe Toledo são os representantes brasileiros em Margaret River.

0
Italo Ferreira dá show e avança para enfrentar Filipe Toledo nas quartas de final.

As quartas de final masculinas do Margaret River Pro já estão definidas e o Brasil chegou na fase com dois surfistas. Italo Ferreira deu show e Filipe Toledo também garantiu vaga no round dos oito melhores da prova, que acontece no oeste da Austrália.

Italo teve uma atuação de gala nas ondas de até 2 metros no Main Break, em dia de disputas simultâneas entre os homens. Com manobras poderosas e verticais de backside, o atual vice-líder do ranking passou sem dificuldades por Caio Ibelli, que perdeu a sétima bateria das oitavas de final precisando de uma combinação de notas.

O atual campeão mundial foi intenso, anotou 8.40 e 8.17, e ainda descartou 7.67 e 6.00, notas que já seriam suficientes para vencer cinco das oito baterias da fase, e avançou com o maior somatório do dia, 16.57 pontos. O adversário de Italo nas quartas será Filipe Toledo, que bateu Jadson André no último duelo das oitavas.

“Eu acordei super cedo e muito animado hoje (quinta-feira). Surfei antes do início do evento e fiquei bem feliz pelas ondas que estão rolando”, disse Italo Ferreira, que agradeceu pelos parabéns ao seu aniversário de 27 anos comemorado nesta quinta-feira (6). “Obrigado e eu estou bem contente, empolgado e muito grato também por ter ondas boas hoje, porque isso deixa nosso trabalho mais fácil e mais divertido. Deu para pegar várias ondas e ir trocando as notas. Sinto que estou numa sintonia boa e quase morri ali naquele aéreo (risos). Mas, se rolar o momento certo, posso arriscar outro”.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Waves (@waves.com.br)

A bateria foi bem disputada, sem nenhuma performance de grande destaque até os minutos finais, quando Filipinho, que já estava na frente, fez três manobras boas numa onda média para o dia e colocou 6.33 pontos no somatório, vencendo pelo placar de 11.83 a 9.47 pontos.

“Eu estava diferente hoje, empolgado e nervoso ao mesmo tempo, mas fiquei feliz por ter pego aquela onda no final para vencer”, disse Filipe Toledo, que vem enfrentando vários brasileiros em Margaret River. “É uma pena estar competindo só entre a gente, mas tem brasileiros demais e infelizmente isso acontece. Na primeira fase foi contra o Peterson (Crisanto), depois contra o Miguel (Pupo), agora com o Jadson (André). É triste ter que surfar contra eles, mas a competição é assim. É um esporte individual, então acontece”. Lembrando que o próximo adversário é Italo Ferreira, na bateria que fecha as quartas de final.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Waves (@waves.com.br)

Baixas brasileiras – O Brasil chegou às oitavas de final com seis atletas. Além de Caio e Jadson, nesta quinta-feira perdemos Peterson Crisanto e Gabriel Medina.

John John Florence começou o quarto dia do Margaret River Pro com vitória sobre Peterson. O havaiano errou menos, foi mais agressivo nas manobras e avançou.

O brasileiro até conseguiu área para uma rasgada forte na primeira direita que surfou, porém errou na junção (5.17). John John também não voltou da junção na primeira onda boa, mas uma das duas manobras anteriores foi um layback muito power, que foi bem julgado (6.33).

A bateria seguiu e o brazuca não encontrou ondas com potencial para notas altas, enquanto o havaiano ainda anotou 7.17 com uma direita completa, que teve duas rasgadas e uma batida na junção. Peterson passou a necessitar de 8.33 pra virar, mas não diminuiu a diferença no placar no restante do duelo.

John John Florence elimina Peterson Crisanto e avança às semifinais.

Medina fora – A bateria entre Gabriel Medina e Seth Moniz começou estranha. Ryan Callinan, que estava na outra disputa e prioridade, remou um pouco mais para o rabo da direita e foi nela. Enquanto isso Medina, que estava mais deep, também ameaçou ir, e o havaiano Seth Moniz remou atrás do brasileiro. Medina levou uma vaca feia, caindo junto com o lip sem ao menos tentar dropar. O caso foi estranho e rolou um suspense sobre uma possível punição ao brazuca, porém o resultado foi que ele deu a primeira prioridade do confronto para o seu adversário.

Gabriel Medina começa bem, mas leva virada e é eliminado.

Na sequência, após Seth largar com 3.33, Medina fez duas boas manobras de backside e anotou 6.00 pontos. A disputa seguiu parelha, mas com o brasileiro em primeiro até quando restavam 16 minutos para o fim. Naquele momento, o havaiano executou um layback sem muito power, rasgou e errou a junção, porém os 4.67 o levaram para a liderança.

O brazuca conseguiu a virada instantes depois, entretanto o havaiano voltou para a liderança quando faltavam cinco minutos para o fim, com mais 5.17 pontos. Medina procurou mais uma onda, porém quem quase trocou de nota foi Seth, durante a prioridade do brasileiro que acabou eliminado.

Seth Moniz barra Gabriel Medina nas quartas de final.

Outras baterias – Os outros surfistas que avançaram nesta quinta-feira foram Griffin Colapinto, Jordy Smith, Ryan Callinan e Matthew McGillivray.

A segunda bateria das oitavas de final teve um Griffin Colapinto em sintonia com o mar de Margaret River, e um Jeremy Flores errando na escolha e em alguns movimentos.

Enquanto o norte-americano pegou boas ondas das séries, foi agressivo e acertou duas junções pesadas para o dia, o francês pegou ondas menores, fez algumas curvas sem muita expressão e errou a principal junção que teve para extrapolar. O resultado foi Griffin com as duas melhores notas (7.83 e 6.83) do duelo e com a vitória pelo placar de 14.66 a 8.33.

Jordy conseguiu uma virada nos segundos finais. Julian abriu o terceiro duelo das oitavas logo após o soar da buzina que inicia a disputa. A nota 4.00 não foi tão alta, mas mostrou que o australiano estava ligado e encaixado nas direitas. Enquanto o sul-africano esperava alguma onda boa e também livre dos atletas da bateria anterior que ainda tinham a prioridade, o australiano tentou outras duas vezes e numa delas conquistou 5.00 pontos.

Jordy demorou pra atuar, mas fez uma onda inteira e largou melhor que o adversário com 5.43. A partir daí o sul-africano seguiu precisando de pouco, mas sem conseguir encontrar as ondas para virar o resultado, o que aconteceu nos últimos segundos.

Julian chegou a trocar de nota (4.23) e quando restavam dois minutos entrou uma direita com bom tamanho para o dia. O aussie fez o uso da prioridade e foi, até porque o sul-africano estava ali remando para pegá-la. A direita não rendeu muita performance, o tempo foi passando, entrou uma esquerda e quando restavam 2 segundos Jordy ficou em pé na prancha e na sequência executou duas batidas e uma rasgada meio cutback para virar o resultado e sair da água vitorioso.

Jordy Smith acha esquerda no apagar das luzes e vira pra cima de Julian Wilson.

Já Ryan Callinan voltou a apavorar de backside nas direitas do Main Break. O confronto estava parelho, mas quando restavam nove minutos para o fim, o aussie deu três batidas verticais e fortes em sequência e colocou 8.93 no somatório, deixando o português Frederico Morais precisando de 9.43 para verter o placar, o que não aconteceu.

Ryan Callinan segue com o backside afiado e passa mais uma fase.

O duelo entre Matthew McGillivray e Kanoa Igarashi começou com interferência. O japonês entrou na frente do sul-africano na direita e foi penalizado com metade da segunda maior nota. Mas quando tudo parecia perdido, quase que o Kanoa fez algo complicado de conquistar.

Matthew ficou ativo e Kanoa esperando pela onda mágica, e ela veio quando restavam três minutos para o fim. Ele quebrou e passou pra liderança com 7.83, mas o sul-africano tinha surfado uma onda um pouco antes e com 6.77 voltou pra frente e avançou no Margaret River Pro.

Matthew McGillivray leva susto no fim, mas vence Kanoa Igarashi.

Próxima chamada – A WSL já informou que a quinta-feira (6) vai ser um dia de folga para os atletas. A próxima chamada para o Margaret River Pro acontece nesta sexta-feira (7), às 20h (de Brasília). As ondas vão ganhar tamanho, porém o vento maral deve soprar forte, de acordo com a previsão.

A previsão indica que as ondas vão ganhar força e tamanho na sexta-feira e devem chegar a 2,5 metros, com vento maral fraco pela manhã, com tendência a ganhar intensidade durante a tarde.

Acompanhe o Margaret River Pro ao vivo aqui no Waves.

Margaret River Pro 2021

Oitavas de final Masculinas

1 John John Florence (HAV) 13.50 x 8.97 Peterson Crisanto (BRA)
2 Griffin Colapinto (EUA) 14.66 x 8.33 Jeremy Flores (FRA)
3 Jordy Smith (AFR) 10.10 x 9.23 Julian Wilson (AUS)
4 Ryan Callinan (AUS) 14.86 x 10.36 Frederico Morais (POR)
5 Seth Moniz (HAV) 9.84 x 9.53 Gabriel Medina (BRA)
6 Matthew McGillivray (AFR) 12.77 x 11.08 Kanoa Igarashi (JAP)
7 Italo Ferreira (BRA) 16.57 x 10.83 Caio Ibelli (BRA)
Filipe Toledo (BRA) 11.83 x 9.47 Jadson André (BRA)

Quartas de final Masculinas

1 John John Florence (HAV) x Griffin Colapinto (EUA)
2 Jordy Smith (AFR) x Ryan Callinan (AUS)
3 Seth Moniz (HAV) x Matthew McGillivray (AFR)
4 Italo Ferreira (BRA)Filipe Toledo (BRA)

Quartas de final Femininas

1 Bronte Macaulay (AUS) 11.83 x 11.83 Johanne Defay (FRA)
2 Tatiana Weston-Webb (BRA) 16.23 x 14.17 Tyler Wright (AUS)
3 Carissa Moore (HAV) 14.57 x 10.33 Isabella Nichols (AUS)
4 Stephanie Gilmore (AUS) 15.73 x 14.17 Sally Fitzgibbons (AUS)

Semifinais Femininas

1 Bronte Macaulay (AUS) x Tatiana Weston-Webb (BRA)
2 Carissa Moore (HAV) x Stephanie Gilmore (AUS)