Sintonia em Teahupoo

"Durante muito tempo, a imprensa australiana de surfe, inclusive eu, encobriu e ridicularizou suas conquistas". Atuação mágica de Adriano de Souza em Teahupoo é destaque em imprensa internacional.

0
Adriano de Souza foi um dos principais destaques no maior dia do Tahiti Pro.

Eliminado nas quartas de final pelo sul-africano Jordy Smith, Adriano de Souza foi um dos grandes nomes do Tahiti Pro, sétima etapa do Championship Tour que foi encerrada na última quarta-feira (28) em Teahupoo.

A atuação do brasileiro, que no auge do swell fez apresentações espetaculares contra Italo Ferreira e Joan Duru, foi motivo de elogios e de uma homenagem do jornalista especializado Ben Mondy, da revista australiana Tracks.

“Durante muito tempo a imprensa australiana de surfe, inclusive eu, encobriu e ridicularizou suas conquistas”, escreve Mondy na matéria Adriano de Souza: uma homenagem ao homem esquecido do surfe, publicada nesta quinta-feira.

“Ao concentrar-se em seu estilo, ou na falta dele, e em seus métodos para vencer, ele nunca recebeu o tratamento que merece. Sua abordagem, às vezes excessiva, em fazer o que fosse preciso para vencer era vista como uma atitude antidesportiva. É claro que, se ele fosse australiano, essa mesma característica teria sido celebrada por nós como um exemplo do clássico vira-lata australiano”, reconhece o jornalista.

Adriano de Souza leva galera ao delírio no canal de Teahupoo.

Recuperado de uma grave lesão no joelho que o deixou oito meses afastado do Tour, Adriano de Souza viveu um dia espetacular na última terça-feira em condições insanas em Teahupoo. Na terceira fase, ele superou o compatriota Italo Ferreira na última onda ao sumir por dentro de um canudo incrível e arrancar 9.17 dos juízes.

Já pela quarta fase, o campeão mundial de 2015 não deu chance alguma ao francês Joan Duru. Com 8.60 e 8.90 nas duas melhores ondas, ele venceu a batalha com total propriedade.

“Adriano de Souza surgiu bem antes de Medina, Toledo, Ferreira e Dora elevarem o status do surfe brasileiro até o domínio atual. Durante meia década antes do aparecimento de Medina, ele foi o único brasileiro que chegou perto de desafiar Slater, Andy, Fanning, Parko e Taj. Adriano nunca foi realmente considerado parte dessa turma, apesar dos resultados que muitas vezes igualavam os deles”, afirma Mondy.

“Quando Teahupoo ganhou vida há dois dias, finalmente o mundo do surfe viu o que estava faltando em Adriano depois da lesão. De muitas maneiras, não deveria surpreender que fosse em Chopes que ele se afirmaria novamente. Sua carreira foi marcada pelo esforço e trabalho duro sobre qualquer fraqueza em suas características. No início, ele destacou essa onda como um lugar onde apostaria sua reputação”, completa.

Com o quinto lugar em Teahupoo, Mineirinho igualou seus melhores resultados na bancada taitiana. Em 2008 e 2009 ele também foi derrotado nas quartas de final pelos campeões da etapa, Bruno Santos e Bobby Martinez, respectivamente.

View this post on Instagram

Foi tudo muito mágico, a muitos anos eu coloco em pratica esse tipo de surf e fui compensado anos a frente🙏 Esse dia foi ontem ❤️ Agradeço a Deus por viver o dia de ontem, surfei as ondas que tanto sonhei na competição e mostrei o meu esforço 😃 Algumas fotos mostram a minha felicidade 🤩 A luta não para, na verdade nunca parou e vou continuar lutando, sinto que tenho um caminho longo a percorrer. Te vejo em breve Tahiti… It was all very magical, for many years I practiced this kind of surfing and I was compensated years ahead and That day was yesterday ❤️ Thank God for living yesterday, surfed the waves that I dreamed so much in competition and showed my effort 😃 Some pictures show my happiness 🤩 The fight doesn't stop, never really stopped and I'll keep fighting, I feel like I have a long way to go. See you soon Tahiti … 📷 @wsl

A post shared by Adriano De Souza (@adrianodesouza) on

View this post on Instagram

Simplesmente foi um show de surf 🇧🇷/ It was just a crazy show 🇧🇷 @italoferreira #rdsforever

A post shared by Adriano De Souza (@adrianodesouza) on