MEO Vissla Pro Ericeira

Samuel no gás em Portugal

Detentor do título do MEO Vissla Pro Ericeira, Samuel Pupo avança com o terceiro maior somatório do dia entre os homens. Ele e outros seis brasileiros já estão garantidos na terceira fase do evento português.

0
Samuel Pupo é o detentor do título da etapa.

O Brasil já tem sete surfistas classificados para a fase dos 24 melhores do Pro Ericeira. Nesta terça-feira (5) foram realizadas dez baterias masculinas da segunda fase, e as sete últimas do primeiro round feminino. Samuel Pupo foi o cara entre os homens.

Clique aqui para ver as fotos

Clique aqui para ver o vídeo

O detentor do título da etapa andou bem nas direitas de 1 metro com séries maiores do point break português de Ribeira D’Ilhas. Não estava fácil achar as ondas que abriam com paredes em pé, e Samuel mostrou que tem sintonia com o pico. Ele competiu na oitava bateria da segunda fase e melhorou com o passar dos minutos.

Samuel surfou muito bem, de forma fluída, com agilidade e encontrou paredes íngremes para atacar. O brasileiro fez um excelente link entre cada seção da onda, sem quebrar a linha ou perder velocidade, e assumiu a liderança logo depois que surfou a sua segunda onda, que valeu 5.67 pontos. Na primeira ele marcou 6.67.

Mas Samuel queria mais, e depois colocou 7.07 e 7.83 pontos no somatório. Ele venceu com o terceiro maior somatório da categoria masculina na terça-feira: 14.90. Os próximos adversário do brasileiro são o australiano Jackson Baker e Ian Gouveia.

“Acredito que surfo mais confiante aqui por já ter vencido, quando eu quase me qualifiquei para o CT. Só que faz tanto tempo isso e cada ano as condições são muito diferentes”, diz Samuel Pupo. “Mas, estou feliz por finalmente ter vencido a minha primeira bateria esse ano, que foi muito importante para mim. Meu irmão (Miguel Pupo) estava aqui quando eu venci 2 anos atrás e agora é o meu pai (Wagner) que está comigo, me dando uma força e apoio. É muito bom estar com ele aqui e estou me divertindo, adoro Portugal e espero que dê tudo certo para entrar no CT esse ano”.

Ian Gouveia avança e encara Samuel Pupo na terceira fase.

Ian passou pela segunda fase com a segunda posição na sétima disputa. O duelo teve dois surfistas em conexão com o pico português, e dois que lutaram muito, mas que não encontraram ondas com boas paredes para manobras. Cole Houshmand e Ian Gouveia marcaram notas na casa dos sete pontos e avançaram. O norte-americano venceu de virada no final com as notas 7.60 e 7.03 pontos, e o brasileiro passou de fase com 7.10 e 6.77.

O japonês Kanoa Igarashi (3º) até tentou se manter na briga quando conquistou 6.17 pontos, porém perdeu na necessidade de 7.70 para avançar. Já máximo que o havaiano Eli Hanneman (4º) fez foi 3.97 na melhor apresentação. Ele também foi eliminado.

Mais vitórias – Além de Samuel, outros três brasileiros venceram nesta terça-feira (5). Deivid Silva abriu a segunda fase masculina com 7.50 pontos. Ele trabalhou bem numa direita que teve como manobras de destaque duas batidas verticais, uma para abrir a apresentação e outra para fechar.

Em seguida, o brasileiro voltou a soltar as manobras, porém numa onda menor e sem muita expressão. Mas a performance valeu 4.43 pontos e ele se manteve na frente no placar até o final.

Marcos Correa chegou a ficar em segundo lugar no confronto, após completar uma onda pequena com várias manobras (4.50). Porém depois ele não achou outras direitas boas. Ao contrário de Marcos, o norte-americano Jake Marshall melhorou na bateria, assumiu a segunda posição e se classificou para a fase dos 24 melhores do evento.

“As condições estão muito difíceis, pois não tem muitas ondas, mas estou muito feliz que a minha primeira foi muito boa, a melhor da bateria. A disputa foi muito difícil, pois o Jake Marshall, o Connor O’Leary e o Marcos Correa são muito perigosos. Estou muito feliz de ter avançado”, diz Deivid.

A primeira metade da segunda bateria teve muitas trocas de posições. O uruguaio
Marco Giorgi, em primeiro, e o havaiano Sebastian Zietz, em segundo, estavam conquistando as vagas para o Round 3. Mas na parte final tudo mudou.

João Chianca, que já vinha surfando bem, usou de forma correta a prioridade e
entrou numa direita que teve parede em pé em algumas seções. O brasileiro não aliviou e foi até o inside desferindo batidas fortes. A atuação valeu 7.30 pontos e a liderança da bateria. Depois ele ainda melhorou o somatório com mais 6.07.

Ezekiel Lau estava em último, mas nos segundos finais entrou numa direita pequena, e que ficou lenta no início. Porém no inside a onda ficou em pé, e ele fez algumas curvas até decolar na junção com reverse. O havaiano arrancou 7.93 pontos dos juízes e avançou em segundo lugar. Sebastian (3º) e Marcos (4º) foram eliminados.

 

View this post on Instagram

 

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl)

Outro brasileiro que venceu no dia foi Mateus Herdy, O surfista começou o sexto confronto acelerando e voando na junção, com o fundo da prancha virada para a praia. A manobra valeu 7.00 pontos. Ele seguiu ativo e pouco depois fez boas curvas até voar com reverse no inside para anotar 6.30.

Hiroto Ohhara estava muito paciente na bateria. Ele abriu com 5.87 pontos e esperou longos minutos para entrar em ação novamente. O japonês pegou a segunda onda quando restavam sete minutos para o fim, e com curvas fortes até o inside anotou 7.60 e assumiu a liderança.

Mateus caiu para segundo e ficou na necessidade de 6.48 pontos para reassumir o primeiro posto. No minuto final ele foi em busca da pontuação que precisava. O brasileiro fez uma direita até a areia, recebeu 6.93 dos juízes e venceu o duelo. Hiroto avançou em segundo lugar. Já o francês Gatien Delahaye (3º) e o norte-americano Cam Richards, que não entraram em sintonia com o mar de Ribeira D’Ilhas, foram eliminados.

“Com a maré cheia, as condições ficaram mais difíceis, mas estou aqui com o Tiago Pires (português ex-top do CT) na minha equipe, me aconselhando, então me senti bem seguro. Eu sabia que se mandasse um aéreo, os juízes iam dar uma nota boa”, fala Mateus Herdy, que surfou com uma prancha rosa, inspirado no Julian Wilson, que usava pranchas dessa cor no mês de outubro, em alusão a campanha de prevenção ao câncer de mama.

“Eu sempre fui muito fã do Julian Wilson”, conta Herdy. “Eu assisti vários vídeos dele e ele sempre usava pranchas rosas, então falei pro meu shaper que queria todas as minhas pranchas rosas. Só não usei no primeiro dia aqui, porque o mar estava maior, mas essa está perfeita para essas condições e espero que as ondas continuem assim nos próximos dias”.

Mateus Herdy decola para a terceira fase.

Camarão e Ibelli – Os outros brasileiros que avançaram no Pro Ericeira foram Thiago Camarão e Caio Ibelli. Camarão começou forte na quinta disputa com 6.50 pontos, conquistados com uma rasgada, uma forte batida na junção e outra batida no inside. O norte-americano Nat Young começou a trabalhar, e na segunda onda conquistou 7.40 dos juízes, após bater forte de forma vertical, e executar algumas boas rasgadas.

O medalhista olímpico Italo Ferreira fez algumas boas curvas, mas as ondas não o ajudaram a surfar com mais verticalidade. Porém o brasileiro ficou um bom tempo na segunda posição, até perder o lugar para o francês Charly Martin.

Camarão tentou reagir e saiu de quarto para terceiro. Ele entrou em ação pela última vez na bateria quando restavam dois minutos. O brasileiro usou a prioridade e foi em busca dos 4.74 pontos que precisava para avançar em segundo lugar.

O surfista começou a apresentação com uma escalada na espuma, depois rasgou puxando para dentro, executou um cutback, escalou novamente e bateu na junção. A nota 5.00 pontos o colocou na terceira fase do Pro Ericeira. Charly ficou em terceiro e Italo, que abandonou a bateria quando restavam oito minutos, em quarto. Os dois foram eliminados.

A bateria de Caio Ibelli foi a décima do segundo round, a última desta terça-feira. O norte-americano Crosby Colapinto começou melhor e fez 7.90 e 6.27 na segunda e terceira ondas surfadas. O brasileiro se manteve ativo e na briga, mas o australiano Cooper Chapman estraçalhou uma direita com fortes batidas e rasgadas alongadas e na pressão, recebeu a maior nota do evento (9.33) e colocou pressão nos adversários.

Caio entrou na segunda metade do confronto na terceira posição, mas melhorou e com 7.50 pontos, conquistados com um aéreo reverse e mais duas batidas no inside, assumiu a liderança. Crosby fez 7.90 e foi para segundo, mas Cooper precisava de apenas 4.84 para avançar. Enquanto isso, Wade Carmichael estava meio perdido, com apenas duas notas na casa dos dois pontos (2.67 e 2.23).

Cooper manteve a prioridade e teve calma para escolher uma onda. O australiano foi até o inside e tomou a primeira posição de Caio. Crosby ficou na necessidade de 6.43 pontos para seguir vivo no Pro Ericeira. Ele surfou no minuto final, mas caiu na junção e foi eliminado. Wade (4º) também se despediu da etapa portuguesa.

Mais brazucas – Três brasileiros ainda vão competir e podem reforçar o país na terceira fase do Pro Ericeira. Michael Rodrigues disputa a 11ª bateria contra os australianos Callum Robson e Sheldon Simkus, e o surfista de Barbados Josh Burke.

Na 12ª e última disputa da segunda fase, Alejo Muniz e Jesse Mendes vão lutar por duas vagas no próximo round contra o havaiano Imaikalani deVault e o norte-americano Michael Dunphy.

Meninas – Na categoria feminina, três surfistas da América do Sul também já vão disputar classificação para as oitavas de final, na segunda fase do Pro Ericeira. As brasileiras Silvana Lima e Summer Macedo estão juntas na segunda bateria, com Molly Picklum da Austrália e Leilani McGonagle da Costa Rica. A outra é a peruana Sol Aguirre, que despachou a campeã do US Open of Surfing e vice-líder do ranking do WSL Challenger Series na manhã da terça-feira em Portugal.

A norte-americana Caitlin Simmers até começou bem, com a maior nota da bateria, 6,17. No entanto, o máximo que conseguiu depois foi 3,27 e a peruana somou 5,40 com 4,83 para ganhar a disputa pela segunda vaga por 10,23 a 9,44 pontos. A vitória foi da japonesa Mahina Maeda por 13,27 e a equatoriana Dominic Barona ficou em quarto lugar com 9,03. Sol Aguirre vai disputar as duas últimas vagas para as oitavas de final com outra japonesa, Sara Wakita, e as havaianas Bettylou Sakura Johnson e Luana Coelho Silva.

Mahina Maeda passa de fase.

Próxima chamada – A próxima chamada para o Pro Ericeira acontece nesta quarta-feira (6), às 4h (de Brasília).

Assista às disputas ao vivo aqui no Waves.

Pro Ericeira

Round 2 Masculino
3º=25º lugar ($ 1.500 e 750 pts) e 4º=37º ($1.000 e 650 pts)

1 Deivid Silva (BRA) 11.93, Jake Marshall (EUA) 10.67, Marcos Correa (BRA) 7.43, Connor O’Leary (AUS) 7.34

2 João Chianca (BRA) 13.37, Ezekiel Lau (HAV) 12.33, Sebastian Zietz (HAV) 12.14, Marco Giorgi (URU) 11.00

3 Lucca Mesinas (PER) 11.33, Jordan Lawler (AUS) 10.80, Slade Pretwich (AFR) 9.57, Jorgann Couzinet (FRA) 7.40

4 Jacob Willcox (AUS) 13.33, Carlos Muñoz (CRI) 11.03, Joan Duru (FRA) 10.63, Matthew McGillivray (AFR) 9.50

5 Nat Young (EUA) 13.27, Thiago Camarão (BRA) 11.67, Charly Martin (FRA) 11.40, Italo Ferreira (BRA) 10.77

6 Mateus Herdy (BRA) 13.93, Hiroto Ohhara (JPN) 13.47, Gatien Delahaye (FRA) 9.83, Cam Richards (EUA) 9.20

7 Cole Houshmand (EUA) 14.63, Ian Gouveia (BRA) 13.87, Kanoa Igarashi (JPN) 9.97, Eli Hanneman (HAV) 6.47

8 Samuel Pupo (BRA) 14.90, Dylan Moffat (AUS) 12.10, Liam O’Brien (AUS) 11.60, Patrick Gudauskas (EUA) 8.60

9 Jackson Baker (AUS) 15.80, Kauli Vaast (FRA) 13.93, Vasco Ribeiro (PRT) 13.27, Ramzi Boukhiam (MAR) 9.37

10 Cooper Chapman (AUS) 15.50, Caio Ibelli (BRA) 14.33, Crosby Colapinto (EUA) 14.17, Wade Carmichael (AUS) 8.13

Próximas baterias

11 Callum Robson (AUS), Michael Rodrigues (BRA), Josh Burke (BRB), Sheldon Simkus (AUS)

12 Alejo Muniz (BRA), Imaikalani deVault (HAV), Michael Dunphy (EUA), Jesse Mendes (BRA)

Round 3
3º=17º lugar ($ 2.000 e 2.000 pts)

1 Deivid Silva (BRA), Ezekiel Lau (HAV), Jordan Lawler (AUS)

2 João Chianca (BRA), Jake Marshall (EUA), Lucca Mesinas (PER)

3 Jacob Willcox (AUS), Hiroto Ohhara (JPN), Nat Young (EUA)

4 Mateus Herdy (BRA), Carlos Muñoz (CRI), Thiago Camarão (BRA)

5 Cole Houshmand (EUA), Dylan Moffat (AUS), Kauli Vaast (FRA)

6 Samuel Pupo (BRA), Ian Gouveia (BRA), Jackson Baker (AUS)

7 Cooper Chapman (AUS),

8 Caio Ibelli (BRA),

Round 1 Feminino
3ª=33º lugar (US$ 1.000 e 700 pts) e 4.o=49º lugar (US$ 775 e 600 pts)

Baterias realizadas nesta terça-feira (5)

10 Carolina Mendes (PRT) 11.84, Keala Tomoda-Bannert (HAV) 10.50, Savanna Stone (HAV) 10.43, Meah Collins (EUA) 7.77

11 India Robinson (AUS) 15.50, Ariane Ochoa (ESP) 13.40, Leticia Canales Bilbao (ESP) 11.17, Kailani Johnson (IDN) 8.33

12 Vahine Fierro (FRA) 15.84, Hinako Kurokawa (JPN) 8.50, Kobie Enright (AUS) 8.33, Lucia Martino (ESP) 5.83

13 Macy Callaghan (AUS) 12.30, Luana Silva (HAV) 11.50, Janire Gonzalez Etxabarri (ESP) 10.97, Daniella Rosas (PER) 8.77

14 Mahina Maeda (JPN) 13.27, Sol Aguirre (PER) 10.23, Caitlin Simmers (EUA) 9.44, Dominic Barona (EQU) 9.03

15 Bettylou Sakura Johnson (HAV) 13.93, Teresa Bonvalot (PRT) 10.36, Kirra Pinkerton (EUA) 5.60, Brianna Cope (HAV) 2.86

16 Sara Wakita (JPN) 13.50, Chelsea Tuach (BAR) 11.23, Philippa Anderson (AUS) 9.13, Camilla Kemp (ALE) 4.50

Round 2
3ª=17º lugar (US$ 2.000 e 2.000 pts) e 4.o=25º lugar (US$ 1.500 e 1.800 pts)

1 Keely Andrew (AUS), Sophie McCulloch (AUS), Juliette Lacome (FRA), Pauline Ado (FRA)

2 Leilani McGonagle (CRI), Summer Macedo (BRA), Molly Picklum (AUS), Silvana Lima (BRA)

3 Gabriela Bryan (HAV), Alyssa Spencer (EUA), Garazi Sanchez-Ortun (ESP), Zoe McDougall (HAV)

4 Freya Prumm (AUS), Minami Nonaka (JPN), Shino Matsuda (JPN), Yolanda Hopkins (PRT)

5 Brisa Hennessy (CRI), Carolina Mendes (PRT), Ariane Ochoa (ESP), Hinako Kurokawa (JPN)

6 Samantha Sibley (EUA), Keala Tomoda-Bannert (HAV), India Robinson (AUS), Vahine Fierro (FRA)

7 Macy Callaghan (AUS), Mahina Maeda (JPN), Teresa Bonvalot (PRT), Chelsea Tuach (BAR)

8 Luana Silva (HAV), Sol Aguirre (PER), Bettylou Sakura Johnson (HAV), Sara Wakita (JPN)