Newcastle Cup

Seis brasileiros no páreo

Após as 16 baterias da terceira fase, seis brasileiros seguem vivos na Newcastle Cup; Filipe Toledo é o destaque do Brasil.

0
Filipe Toledo dá show e passa para as oitavas de final.

Não foi o melhor dia de ondas da Newcastle Cup, nem o pior. Esta quinta-feira (8) teve direitas próximas de 1 metro nas séries, um pouco irregulares, em Merewether Beach, e os atletas precisaram ter uma boa escolha durante as 16 baterias da terceira fase masculina. Seis dos dez brasileiros que competiram no round seguem vivos nessa que é a segunda parada do tour 2021 da elite. Filipe Toledo foi o destaque brazuca no dia.

Clique aqui para ver o vídeo

Clique aqui para ver as fotos

Filipinho fechou a quinta-feira com chave de ouro. Com um surfe de borda apurado e decolagens perfeitas, o brasileiro não deu qualquer chance para o destaque das repescagens Leonardo Fioravanti. O italiano, que arrancou uma nota 9 na segunda fase da Newcastle Cup, até surfou bem, mas não foi páreo para o brazuca, que anotou 8.23 e 8.00, e que deixou Leonardo precisando de 9.80 pra reverter o placar. A média de 16.23 foi a segunda maior do dia e de toda a etapa até o momento.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Waves (@waves.com.br)

O adversário de Filipe nas oitavas de final será Yago Dora, que virou pra cima de Jack Freestone no 15º confronto. O australiano começou mais encaixado no pico, surfando fácil, e largou na frente com 4.50 pontos. O brasileiro foi tentando entrar no ritmo e no último terço do confronto fez algumas manobras, porém sem expressão, e arrancou 5.67. O aussie surfou a direita seguinte e, com manobras mais contundentes, fez 6.33 e deixou o brasileiro na necessidade de 5.17.

Então, quando restavam 6 minutos para o fim, Yago surfou uma onda durante a prioridade de seu adversário, acelerou e voou num reverse de backside. A atuação valeu 7.17 e a liderança na bateria. Jack passou a precisar de 5.23, mas não chegou perto e foi eliminado.

Filipe Toledo não dá chances para o italiano Leonardo Fioravanti.

Medina abre as oitavas – E o Brasil não só terminou bem o dia, como também começou. O atual vice-líder do circuito mundial avançou mais uma fase na Newcastle Cup. Gabriel Medina venceu o duelo de backside contra o australiano Connor O’Leary nas direitas australianas.

A bateria teve poucas ondas, e após dez minutos sem ação, a WSL deu o restart no confronto, e nesse momento Medina pegou uma onda e fez quatro manobras até a beira, porém ela não valeu. O bicampeão mundial entrou na direita entre os toques da buzina que param e que recomeçam os duelos.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Waves (@waves.com.br)

Mas Medina não se abalou, voltou para o pico e logo após Connor surfar, no recomeço da disputa, soltou quatro manobras, iniciando com uma boa rasgada e finalizando com uma batida na junção. O aussie conquistou 4.83 nas três manobras que fez, e o brasileiro colocou 7.33 no somatório.

Connor tentou voltar pro jogo com 4.77 com mais três manobras, mas Medina trocou de nota outras duas vezes e deixou o australiano na necessidade do mesmo score que o brasileiro ganhou no reinício do confronto (7.33), e não chegou nem perto de consegui-la. Placar final 12.16 x 9.60 para o brazuca.

“Foi uma bateria complicada e rolou aquela situação no início. Eu não sabia que tinha dois toques e quando soou a buzina, já remei e entrei na onda, quando tocou de novo”, contou Gabriel Medina. “Mas, eu sabia que precisava de uma nota boa nessa condição do mar e estou bem feliz por ter passado. O Connor é um ótimo surfista e eu só queria mais oportunidades para surfar. Essa é a primeira vez que estou sem o meu pai aqui, mas está sendo bom ter o Andy (King) como técnico. Eu falei com o Mick (Fanning) que estava procurando alguém e já sinto que ele está me ajudando bastante, entende muito de surfe”.

Paciência e muito surfe – Medina vai abrir as oitavas contra o português Frederico Morais, que usou bem a área das direitas, com manobras alongadas e botando força na rabeta da prancha, para eliminar o aussie Adrian Buchan. No confronto seguinte, o de número três, o campeão mundial de 2015 entrou na água.

Adriano de Souza teve paciência e esperou pelas melhores oportunidades, ao contrário de seu adversário, o francês Jeremy Flores, que optou por ficar ativo e acabou eliminado. O brazuca só surfou depois de 12 minutos de bateria, enquanto Jeremy já tinha surfado três, porém sem se distanciar no placar e com a melhor nota sendo 3.87.

Adriano de Souza rasga de olho na classificação.

Quando entrou em ação, Adriano executou um snap forte, outro mais pro inside e fez uma batida numa pequena junção. A nota 5.00 foi a maior da bateria até aquele momento, e deixou o Adriano na necessidade de apenas 2.20 pra assumir a liderança. E ele foi rápido atrás da virada. Sem a prioridade, o brasileiro fez dois cutbacks e duas batidas numa onda pequena e conquistou 3.50 pulando para a primeira posição, e depois aumentou um pouco mais a diferença com 3.73.

O francês deu um gás e foi em busca da virada. Ele até melhorou a pontuação com 3.87, mas não conseguiu ir para o topo, e ainda viu o brasileiro fazer maior nota da bateria (5.93) com manobras fortes. Final da disputa e vitória de Adriano com 7.06 de diferença para Jeremy.

“Eu queria agradecer muito duas pessoas que estão me dando muita força pra eu estar aqui. Eu, nos últimos tempos, senti que eu já ia desistir do circuito porque eu não tinha mais força, e a minha esposa, meu irmão e a minha família me deram muita força pra eu fazer um último ano, me dedicar ao máximo, e é o que estou fazendo. Mas eu acho que essa força vem deles. Queria agradecer a minha esposa. Vai ser muito difícil ficar aqui três meses sem eles, mas vou tentar, dia a dia, pra que eu consiga extrair o máximo de força pra continuar no circuito até o final. Um beijo pra minha esposa, te amo muito, para o meu irmão que está em casa assistindo e a todo o Brasil, a toda a nação. Valeu!”, disse Adriano logo após a bateria.

Elétrico e estratégico – O Brasil voltou a vencer na fase no nono duelo, com Italo Ferreira. Assim como no primeiro round, ele foi elétrico, porém menos, mas mostrou sua já conhecida energia nas ondas que surfou e está garantido nas oitavas de final da Newcastle Cup.

O confronto teve um Italo intenso no início, quando se distanciou no placar, e um Italo mais calmo e estratégico depois de conquistar essa distância.

Italo Ferreira coloca energia na vitória sobre o convidado Jackson Baker.

Jackson Baker tentava se aproximar do brasileiro no somatório, mas não fazia nada de destaque, porém no final deu um susto no brazuca. O aussie precisava de 6.51 e pegou uma onda durante a prioridade do brasileiro, fez algumas curvas e vibrou muito. A nota 5.80 não deu a virada para Jackson, que ainda viu o brasileiro trocar de nota com várias rasgadas nos últimos segundos da bateria. Nas oitavas Italo vai pra cima do australiano Julian Wilson.

“Procurei ficar bem ativo e peguei várias ondas, mas na última do Jackson (Baker) ouvi a torcida gritando na praia e senti que ele tinha surfado uma boa. Mas peguei outra na sequência e deu tudo certo”, disse Italo Ferreira. “Notei que outros surfistas estavam ganhando notas boas com uma manobra forte e foi isso que tentei fazer. As ondas hoje estavam bem parecidas com as de Baía Formosa e quis pegar várias ondas para somar notas. Essas semanas aqui estão sendo bem divertidas e estou bem feliz por estar competindo de novo”.

Duelo brasileiro – A única bateria da terceira fase formada por dois brasileiros, a 12ª do round, colocou frente a frente Deivid Silva e Caio Ibelli. O confronto aconteceu num momento fraco do mar e teve um backside encaixado de Deivid, que ainda achou as melhores ondas, contra um frontside de Caio, que até deu uma boa decolada, porém pecou na escolha das direitas e acabou fora da prova. O próximo oponente de Deivid é o japonês Kanoa Igarashi.

Deivid Silva vence duelo brasileiro.

A queda de John John – O líder do circuito mundial está fora da Newcastle Cup. O havaiano John John Florence levou uma pressão do estreante na elite, o australiano Morgan Cibilic, errou mais do que o normal e foi eliminado da segunda prova do tour da elite de 2021 de forma precoce.

A quinta bateria da terceira fase começou acelerada, com o havaiano tentando impor um ritmo forte. John John abriu com uma rasgada na pressão invertendo a prancha, seguida de uma batida potente, uma escalada, outra rasgada boa e mais uma batida na junção. Porém Morgan veio na direita de trás e foi ainda melhor, com uma pancada power de abertura, um cutback expressivo, outro batidão e mais uma pra fechar. Johh John largou com 7.00 e o Morgan com 8.10 pontos.

John John Florence perde de forma precoce na Newcastle Cup.

O tempo foi passando, John John ficou ativo e chegou a recuperar a liderança, mas Morgan segurou a prioridade, escolheu bem a onda e com cinco manobras (7.60) deixou o havaiano na necessidade de 7.88 pra vencer.

O surfista de Pipeline, no Havaí, seguiu arriscando, mas errando, e ainda levou o último golpe no final, quando Morgan estraçalhou uma onda e recebeu a maior nota da Newcastle Cup até o momento, 9.03. A vitória foi com o maior placar da prova até agora, 17.13, contra 13.16 de John John.

Derrotas brasileiras – Além de Caio, o Brasil perdeu Miguel Pupo, Alex Ribeiro e Peterson Crisanto nesta quinta-feira. A disputas de número oito do round teve Miguel e Owen Wright. Foi uma disputa fraca de ondas, com o australiano mais ativo, conseguindo ficar na frente, porém sem se distanciar muito.

Quando restavam oito minutos para o fim, o brasileiro fez cinco manobras, sendo as três primeiros batidas em sequência, e virou com 5.67, porém Owen ainda teve tempo de conseguir retomar o primeiro lugar com 4.93. Miguel ainda tentou ir pra frente nos segundos finais, mas a onda não rendeu e ele se despediu da Newcastle Cup.

Owen Wright derrota Miguel Pupo.

Alex Ribeiro e Jordy Smith se enfrentaram no 13º duelo e deu África do Sul. O sul-africano começou melhor e abriu uma pequena vantagem, mas o brasileiro não encontrava ondas boas. Alex então mudou a tática e foi mais para o meio da praia, onde achou uma esquerda e acertou um aéreo reverse, voltando pro jogo com 6.67. Porém não conseguiu encontrar os 4.83 que precisava e foi eliminado.

A bateria de Peterson Crisanto foi outra de ondas muito ruins, e teve Conner Coffin bem melhor no início, achando as direitas, soltando as manobras e abrindo larga vantagem. O brasileiro, que chegou a precisar de 9.84, deu um gás na disputa e, num erro do norte-americano, ele ganhou a prioridade e no minuto final fez uma rasgada longa, oura mais curta e acelerou pra voar num reverse já na beira. Ele precisava de 7.34 e conseguiu 6.87, se despedindo da Newcastle Cup.

Peterson Crisanto quase vira no fim.

Próxima chamada – A próxima chamada para a Newcastle Cup acontece nesta quinta-feira brasileira, às 17h45 (de Brasília).

Assista à Newcastle Cup ao vivo aqui no Waves.

Newcastle Cup 2021

Terceira fase masculina

1 Gabriel Medina (BRA) 12.16 x 9.60 Connor O’Leary (AUS)
2 Frederico Morais (POR) 12.10 x 11.20 Adrian Buchan (AUS)
3 Adriano de Souza (BRA) 10.93 x 7.40 Jeremy Flores (FRA)
4 Julian Wilson (AUS) 11.67 x 4.00 Jack Robinson (AUS)
5 Morgan Cibilic (AUS) 17.13 x 13.16 John John Florence (HAV)
6 Wade Carmichael (AUS) 12.17 X 11.67 Seth Moniz (HAV)
7 Ryan Callinan (AUS) 11.40 x 11.06 Crosby Colapinto (EUA)
8 Owen Wright (AUS) 9.60 x 9.00 Miguel Pupo (BRA)
9 Italo Ferreira (BRA) 12.80 x 11.20 Jackson Baker (AUS)
10 Griffin Colapinto (EUA) 11.43 x 10.50 Michel Bourez (TAH)
11 Kanoa Igarashi (JAP) 10.83 x 8.50 Ethan Ewing (AUS)
12 Deivid Silva (BRA) 10.50 x 8.74 Caio Ibelli (BRA)
13 Jordy Smith (AFR) 11.50 x 10.40 Alex Ribeiro (BRA)
14 Conner Coffin (EUA) 11.84 x 11.37 Peterson Crisanto (BRA)
15 Yago Dora (BRA) 12.84 x 10.83 Jack Freestone (AUS)
16 Filipe Toledo (BRA) 16.23 x 12.56 Leonardo Fioravanti (ITA)

Oitavas de final

1 Gabriel Medina (BRA) x Frederico Morais (POR)
2 Adriano de Souza (BRA) x Julian Wilson (AUS)
3 Morgan Cibilic (AUS) x Wade Carmichael (AUS)
4 Ryan Callinan (AUS) x Owen Wright (AUS)
Italo Ferreira (BRA) x Griffin Colapinto (EUA)
6 Kanoa Igarashi (JAP) x Deivid Silva (BRA)
7 Jordy Smith (AFR) x Conner Coffin (EUA)
8 Yago Dora (BRA) x Filipe Toledo (BRA)

Quartas de finais femininas

1 Stephanie Gilmore (AUS) x Isabella Nichols (AUS)
2 Keely Andrew (AUS) x Courtney Conlogue (AUS)
3 Carissa Moore (HAV) x Johanne Defay (FRA)
4 Bronte Macaulay (AUS) x Caroline Marks (EUA)