Recorde ignorado

Maya Gabeira cria abaixo-assinado para que WSL reconheça o recorde de maior onda já surfada por uma mulher.

0

Em vídeo postado no YouTube, a big rider brasileira Maya Gabeira assegura que a WSL (World Surf League) ignorou seu pedido para reconhecer o recorde mundial de maior onda já surfada por uma mulher. Por isso, Maya criou um abaixo-assinado online para que a entidade certifique o recorde, obtido no início deste ano em Nazaré, Portugal.

Confira abaixo na íntegra a carta escrita por Maya.

Oi, eu sou Maya Gabeira, surfista de ondas grandes do Rio de Janeiro, Brasil. E eu preciso da sua ajuda! No dia 18 de janeiro de 2018 eu realizei o meu maior objetivo, o de surfar a maior onda já surfada por uma mulher.

Para registrar o recorde mundial feminino eu preciso da medição oficial da World Surf League. Por algum motivo, a WSL ignorou meu pedido. Por favor assine essa petição para pedir que a entidade reconheça um recorde mundial no surfe de ondas grandes feminino.

Desde 2013 eu venho treinando em Nazaré, Portugal, onde com frequência quebram as maiores ondas do mundo! Em 2011, Garrett McNamara estabeleceu o primeiro recorde mundial ali e no ano passado o recorde foi quebrado por Rodrigo Koxa no mesmo local. AS DUAS ONDAS FORAM REGISTRADAS NO LIVRO DO GUINNESS. Desde menina eu sonho com o dia em que houvesse uma mulher reconhecida no Guinness pelo surfe de ondas gigantes. Em 2013, tentando estabelecer um recorde mundial feminino, eu quase morri em Nazaré. Mas em janeiro desse ano, depois de muita reabilitação e treino, eu surfei ali com sucesso a maior onda da minha vida.

Maya Gabeira, praia do Norte, Nazaré.

O professor Miguel Moreira, especialista na Universidade de Lisboa, mediu a onda, e eu fui buscar uma forma de registrá-la no Guinness Book. Descobri então que toda onda grande para se tornar recorde deve ser medida e registrada pela WSL no Guinness. Por isso eu embarquei para Los Angeles (EUA), sede da WSL, onde eles prometeram apoiar um recorde feminino. Mas alguns meses se passaram e nenhum progresso foi feito e vários dos meus email sequer foram respondidos.

Eu não sei ao certo o que está acontecendo, mas sinto que não existe uma vontade da parte deles em apoiar a inclusão feminina nessa categoria. Mas se eu não pude gritar alto suficiente para gerar a mudança, tenho certeza que com a ajuda de vocês nós conseguiremos. Por isso eu peco que você use um minuto do seu dia e assine essa petição para pedir a WSL que cumpra sua promessa, e que inclua um recorde feminino de maior onda já surfada no Guinness Book.

Há muito tempo eu acompanho os recordes mundiais estabelecidos no Livro dos Recordes. Eu sonho em um dia ter meu nome lá, para que uma menina possa vê-lo e acreditar que ela também pode surfar sua onda gigante!