Nova Zelândia na mira da WSL

Neozelandeses tentam promover QS 10.000 em Piha na próxima temporada.

0
Piha, Nova ZelândiaCPL
Piha pode ser palco de um QS 10.000 da WSL na próxima temporada.

De acordo com o NZ Herald, a cidade de Auckland, na Nova Zelândia, pode sediar um QS 10.000 da World Surf League em 2020.

As negociações para a realização do Piha Pro no mês de março, nas ondas de Piha, estariam avançadas.

Ainda de acordo com o veículo, o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater, que esteve na Nova Zelândia no início do ano, estaria participando das discussões.

Além de abrigar ondas de altíssimo nível, a costa neozelandesa vive um bom momento nas competições internacionais. Pela primeira vez na história, o País conta com um representante nas duas categorias da elite mundial na mesma temporada. Ricardo Christie compete entre os homens, enquanto Paige Hareb marca presença entre as mulheres.

Nos circuitos qualificatórios, nomes como Billy Stairmand, Ella Williams e Elliot Paerata-Reid buscam um lugar ao Sol.

Os neozelandeses também estão bem representados na comissão técnica da WSL, com Iain “Ratso” Buchanan atuando como juiz de prioridade. Campeão mundial da categoria Grand Masters em 2011, Buchanan é proprietário de uma loja local de equipamentos e roupas de surfe em Piha.

Cory Scott / ISA
Em 2010, Gabriel Medina venceu o Mundial Júnior da ISA com atuações impecáveis nas ondas de Piha.

Os idealizadores do Piha Pro também pretendem promover uma etapa do circuito regional Pro Junior nos dias 14 e 15 de março, enquanto a triagem do QS 10.000 seria disputada no dia 16/3.

Os vencedores da triagem participariam do evento principal entre 17 e 22 de março.

“O Piha Pro pretende ser o evento mais sustentável da Nova Zelândia, com ativações em Auckland inspirando, educando e incentivando os kiwis a cuidar do mundo em que vivemos”, dizem os documentos obtidos pela reportagem.

Além do surfe e das ações sócioambientais, os eventos musicais também fariam parte do festival.

Segundo o NZ Herald, o governo local de Auckland apoia a ideia, bem como o governo central. Porém, os organizadores ainda lutam para conseguir a verba necessária para a realização do festival.