WSL cancela evento

WSL anuncia o cancelamento do Margaret River Pro devido ao risco de novos ataques de tubarão no oeste australiano.

0
Algumas praias do oeste australiano foram fechadas depois dos incidentes no último domingo.

Depois de uma reunião com os atletas ocorrida nesta terça-feira, em Margaret River, Austrália, a World Surf League (WSL) anunciou o cancelamento da terceira etapa do Championship Tour 2018.

O motivo foi a insegurança gerada depois de dois ataques de tubarão no último domingo (segunda-feira na Austrália).

“O surfe é um esporte que carrega várias formas de risco, e é único em que os animais selvagens habitam nosso ambiente de desempenho. Os tubarões são uma realidade ocasional nas competições da WSL e do surfe em geral. Todos os associados ao nosso esporte sabem disso. Houve incidentes no passado – e é possível que haja incidentes no futuro – que não resultaram (e não resultarão) no cancelamento de um evento. No entanto, as circunstâncias atuais são muito incomuns e preocupantes, e decidimos que o risco elevado durante o Margaret River Pro nesta temporada ultrapassou o limite aceitável”, diz Sophie Goldschmidt, CEO da WSL.

Ainda de acordo com a WSL, existe chance de o evento ser finalizado em outro pico durante o ano, apesar de a Liga ter a possibilidade dividir os prêmios e a pontuação da etapa. Porém, a princípio, os atletas que chegaram à terceira fase masculina terminam empatados em 13o lugar, enquanto as atletas das quartas de final ficam em quinto.

Nas redes sociais, atletas como os brasileiros Gabriel Medina, Italo Ferreira e Adriano de Souza mostraram uma grande preocupação com o histórico de ataques no oeste australiano, deixando a WSL em situação delicada perante a imprensa e fãs do esporte

“Eu não me sinto seguro treinando e competindo nesse tipo de lugar. A qualquer hora pode acontecer alguma coisa com um de nós. Espero que não. Deixando minha opinião antes que seja tarde!”, comentou Medina.

Adriano de Souza parabenizou o compatriota pelo post e engrossou o coro. “Nem eu me sinto seguro. Acordar cedo aqui para treinar, a cada ano que passa, fica cada vez mais difícil. Parece que temos que perder alguém no nosso grupo para aí, sim, abrirem os olhos. Obrigado, Gabriel Medina”.

Líder do ranking mundial ao lado do australiano Julian Wilson, Italo Ferreira também mostrou insegurança. “Dois ataques de tubarão em menos de 24h aqui na Austrália. Detalhe, a apenas alguns quilômetros de onde está sendo realizado o evento. Muito perigoso, não acham? Mesmo assim, continuam insistindo em fazer etapas onde o risco de ter esse tipo de acidente é 90%, aí eu pergunto: a segurança dos atletas não é prioridade? Já tivemos vários alertas. A vida vale mais do que isso! Espero que não aconteça com nenhum de nós. Eu não me sinto confortável treinando e competindo em lugares assim!”, protestou um dos líderes do Tour.

Etapa pode ser finalizada em outro lugar no decorrer do ano.

Confira abaixo a nota emitida pela WSL:

“Hoje, a WSL tomou a difícil decisão de cancelar o restante do Margaret River Pro, em virtude de circunstâncias excepcionais em torno do evento nesta temporada com tubarões e a segurança de nossos surfistas. Esta decisão foi alcançada depois de muitas horas de consulta a uma variedade de partes interessadas e especialistas.

A WSL coloca a segurança como maior prêmio. Isso não pode ser apenas conversa e não pode ser comprometido. O surfe é um esporte que carrega várias formas de risco, e é único em que os animais selvagens habitam nosso ambiente de desempenho. Os tubarões são uma realidade ocasional das competições da WSL e do surfe em geral. Todos os associados ao nosso esporte sabem disso. Houve incidentes no passado – e é possível que haja incidentes no futuro – que não resultaram (e não resultarão) no cancelamento de um evento. No entanto, as circunstâncias atuais são muito incomuns e preocupantes, e decidimos que o risco elevado durante o Margaret River Pro desta temporada ultrapassou o limite do que é aceitável.

No dia 16 de abril (hora local), ocorreram dois ataques distintos de tubarões em Gracetown, a aproximadamente 6km do local principal do evento, Main Break. A presença de baleias encalhadas na área atraiu tubarões e contribuiu para a agressão de seu comportamento, o que, segundo especialistas, aumentou a possibilidade de novos ataques. Essas descobertas resultaram em locais próximos sendo fechados para surfe e natação.

Estamos comprometidos em estar o mais preparado possível para o que a natureza nos proporciona. A WSL mantém infraestruturas e protocolos de segurança, monitoramento e suporte fortes e em constante aprimoramento, e normalmente teríamos um alto grau de confiança em nossa capacidade de proteger nossos atletas. No entanto, o limite foi ultrapassado para a organização e, se decidíssemos continuar o evento nas circunstâncias atuais, e algo terrível acontecesse, nunca nos perdoaríamos.

Estamos dolorosamente conscientes de que esta decisão terá consequências comerciais para a comunidade local e desapontará alguns de nossos parceiros, fãs e atletas. Nós sinceramente lamentamos isso.

Nossa estrutura competitiva permite a distribuição de pontos em caso de cancelamento. No entanto, não estamos desistindo de completar a competição masculina e feminina neste ano, e vamos comunicar nossos pensamentos sobre isso quando soubermos mais.

Margaret River é um local especial, com parceiros incríveis. Produziu muitos momentos memoráveis ​​ao longo dos anos e, no momento, não temos planos de não voltar no futuro.

Agradecemos que nem todos concordem com esta decisão, mas esperamos que eles a respeitem. A segurança dos atletas será sempre a nossa prioridade absoluta e agradecemos à comunidade local, aos nossos parceiros e aos nossos surfistas por apoiarem a decisão.

Obrigado pela sua compreensão
Sophie Goldschmidt
CEO da WSL”