Na onda das aves

Capital brasileira do surfe adere à onda da observação de aves com o evento “Vem Passarinhar Saquarema”.

0

A capital brasileira do surfe, Saquarema, aderiu à onda da observação de aves com o evento “Vem Passarinhar Saquarema”, que aconteceu durante a semana do meio ambiente, dias 8 e 9 de junho. O evento Vem Passarinhar Saquarema foi promovido pelas empresas de turismo BlueBirdsBR e Canindé Birdwatching e apoiados pelo Parque Estadual da Costa do Sol (PECS) e Área de Proteção Ambiental (APA) de Massambaba.

As atividades do Vem Passarinhar Saquarema foram conduzidas pelo biólogo especialista em aves Igor Camacho, pela bióloga e guia de turismo Shantala Torres e pelo condutor de trilhas Thales Pinheiro, que difundiram um pouco sobre a história e prática da observação de aves, aspectos sobre a biologia e conservação das espécie observadas e informações sobre a história e o meio ambiente da cidade e facilitaram o contato e diálogo entre diferentes partes da sociedade.

O evento agregou um grupo eclético formado por observadores de aves veteranos, novatos e cidadãos que nunca haviam praticado a atividade, assim como biólogos especialistas em diferentes áreas que enriqueceram a atividade de informações, moradores com suas vivências, comerciantes locais e gestores de Unidades de Conservação.

Durante o primeiro Vem Passarinhar Saquarema, foram observadas 95 espécies e estiveram presentes 31 participantes.

No sábado pela manhã (8/6), o grupo se reuniu para o café da manhã coletivo no sítio Nosso Paraíso para a observação de aves na trilha da Floresta na localidade do Rio Seco. Durante o banquete com pães e bolos artesanais, sucos da fruta e guacamole, ocorreu o “papo de passarinho”, uma apresentação sobre o evento e o birdwatching no mundo, no Brasil e o potencial em Saquarema.

A observação de aves foi realizada entre o interior da floresta do Rio Seco e os pomares, pastos e quintais da região. Nesta manhã foram observadas 39 espécies de aves, algumas endêmicas da Mata Atlântica brasileira, como o tiê-sangue e o tiririzinho-do-mato. Já o fim-fim, o risadinha, as saíras-azuis e sanhaços-cinzentos foram observados nos quintais e pomares.

Esta primeira experiência trouxe ótimas oportunidades tanto para os fotógrafos de aves e observadores, quanto para aqueles que experimentavam a observação de aves pela primeira vez. Após este primeiro contato o almoço foi feito no Lê bistrô, que recebeu os participantes com pratos típicos portugueses. Na parte da tarde a passarinhada foi na restinga da APA de Massambaba, na localidade de Itaúna, onde aves de hábitos florestais e de ambientes alagados foram observadas.

Os destaques desta tarde ficaram para a belíssima saíra-de-chapéu-preto e para o gavião-do-banhado, que merece mais estudos que atestem sua ameaça à extinção no estado do Rio de Janeiro. O caburé, pequena coruja arborícola comum em quase todo o Brasil, nos recebeu logo no início da atividade, encantando os observadores de aves e surpreendendo os novos adeptos.

Os participantes que ficaram para o segundo dia se hospedaram na cidade. No domingo 09/06 o café da manhã coletivo e o Papo de Passarinho foram realizados na Pousada Recanto do Quati, antes da atividade na Lagoa Vermelha, em Vilatur, segundo fragmento do Parque Estadual da Costa do Sol. Esta localidade foi uma das mais esperadas pelos observadores de aves, pois nela ocorrem várias espécies raras e ameaçadas, como o com-com ou formigueiro-do-litoral, o sabiá-da-praia e a saíra-sapucaia. Dentre as especialidades da Lagoa Vermelha está o mergulhão-de-orelha-amarela, pequena aves aquática original dos alagados do sul da América do Sul e raramente observada no Brasil, escolheu as águas hipersalinas para se abrigar.

O bando de 14 indivíduos observados a primeira vez pelos organizadores do evento há dois meses é o maior já observado no Brasil e está atraindo observadores de aves de todo o Brasil para a capital do surfe. Os registros destas espécies raras, endêmicas e ameaçadas de extinção corroboram que os ambientes naturais da Lagoa Vermelha precisam ser protegidos pelo PECS, o que foi muito bem entendido e vivido pelos participantes da atividade. O encerramento foi realizado com um almoço no restaurante Lancasther  em frente a praia de Vilatur, onde foram sorteados quatro participantes para ganhar canecas com imagens de animais ameaçados que ocorrem em Saquarema.

Segundo os organizadores, o Vem Passarinhar Saquarema foi a realização de um sonho de quase dez anos. A possibilidade de sensibilizar os moradores locais e o Poder Público sobre o meio ambiente e o potencial ecoturístico da cidade à partir da observação de aves já vinha sendo planejado pelos organizadores e só este ano a atividade foi concretizada. A próxima edição do Vem Passarinhar Saquarema será em outra época do ano, para possibilitar o contato com novas aves e locais, o recrutamento de mais adeptos à observação de aves, divulgação da ciência e a comoção pública sobre a importância da conservação do meio ambiente para o bem estar e economia local. E é claro, para observar aves!

Para conhecer melhor o trabalho da Blue Birds, clique aqui.

Veja também:

Turismo responsável em Saquarema