Chumbinho faz a festa

Big rider brasileiro Lucas Chumbinho é o grande campeão do Nazaré Challenge em Portugal.

12
Lucas Chumbinho vence pela primeira vez uma etapa do Big Wave Tour.

O brasileiro Lucas Chumbinho, 22, cravou seu nome na galeria de campeões do Nazaré Challenge, neste domingo (11), em ondas de até 6 metros na Praia do Norte, Portugal.

Clique aqui para ver as fotos

Clique aqui para ver o vídeo

Com 100% de aproveitamento e uma atuação de gala durante todo o evento, o brasileiro derrotou Billy Kemper (2o), Natxo Gonzalez (3o), Kai Lenny (4o), Grant Baker (5o) e Nathan Florence (6o) na decisão para somar 10.000 pontos no ranking do Big Wave Tour (BWT).

Brasileiro em ação na grande final: três baterias e três vitórias em Nazaré.

“Primeiro gostaria de agradecer a todos que vieram até aqui e a todos surfistas da grande final”, comemora Lucas ainda no pódio.

“Foi muito cansativo viajar até Portugal e enfrentar ondas tão pesadas como no sábado. Mas me sinto ótimo. Também gostaria de agradecer aos meus mestres Carlos Burle e Marcos Monteiro, sem eles não seria possível, além de todo pessoal aqui de Nazaré, que sempre nos recebe tão bem. Muito obrigado”, completa o brasileiro.

Pódio do Nazaré Challenge: (da esq. para a dir.) Nathan Florence, Grant Baker, Billy Kemper, Lucas Chianca, Natxo Gonzalez e Kai Lenny.

Válido como terceira etapa do BWT, o Nazaré Challenge foi classificado com nível Bronze, ou seja, finalizado em ondas entre 20 e 25 pés. Com o quarto lugar em Nazaré, o havaiano Kai Lenny caiu para a segunda posição do ranking. O novo líder e seu maior rival na briga é o conterrâneo Billy Kemper, segundo colocado em Portugal.

Em condições totalmente diferentes no sábado e no domingo, Chumbinho venceu todas as baterias que disputou, domando com maestria as ondas portuguesas.

Billy Kemper assume liderança do Big Wave Tour e pode levar o caneco se a etapa em Mavericks não for realizada.

Poucos surfistas estiveram tão à vontade no lineup de Nazaré como ele. No último sábado, em condições tensas e ondas maiores de 8 metros, o saquaremense foi o grande destaque do dia ao botar para dentro de um canudo insano.

Neste domingo, em ondas bem menores e mais limpas, Chumbinho foi mais uma vez protagonista, arriscando rasgadas e caçando os tubos pesados de Nazaré.

Quarto colocado em Nazaré, Kai Lenny cai para a segunda posição do ranking.

Dia D A Praia do Norte amanheceu mais tranquila para o domingo decisivo do Nazaré Challenge, com séries limpas e que dificilmente ultrapassaram os 6 metros. Comissário da WSL e diretor de prova, o californiano Mike Parsons decidiu dar início ao evento às 8 horas (horário local), quando a neblina finalmente deu uma trégua em Nazaré.

Mesmo assim, o pico lusitano exigiu bastante remada e fôlego extra para suportar as séries pesadas na cabeça sempre que uma onda era completada. Em Nazaré, ficar preso na máquina de lavar do inside é rotina.

Dono de bons momentos no dia decisivo, basco Natxo Gonzalez é recompensado com o terceiro lugar.

O mar mais calmo deste domingo também proporcionou uma melhora na performance, liderada por uma nova geração que está cada vez mais puxando o nível do surfe em ondas grandes.

Da grande final, apenas o sul-africano e bicampeão mundial Grant “Twiggy” Baker já possui algumas décadas de experiência no currículo. Lucas Chianca, Kai Lenny, Nathan Florence, Natxo Gonzalez e Billy Kemper ainda podem ser considerados big riders da nova geração.

Mas no evento em Nazaré Lucas Chumbinho esteve um degrau acima dos demais. O big rider brasileiro sentiu-se à vontade nas ondas portuguesas, como se estivesse em um dia normal em Saquarema.

Na decisão, em menos de dez minutos ele já estava na frente depois de um air drop bem controlado e uma esquerda surfada com radicalidade até a beira, de 7.33 pontos. Sua segunda melhor onda havia sido surfada um pouco antes, outra esquerda de 5.23.

Brasil no topo do pódio no beach break lusitano.

Como no BWT a maior nota tem pontuação dobrada no somatório final, Chumbinho ficou confortável na liderança com as duas melhores ondas da bateria. Apesar de alguns bons momentos do basco Natxo Gonzalez e dos havaianos Billy Kemper e Kai Lenny, o brasileiro não chegou a ser ameaçado.

No final da bateria, Chumbinho ainda fechou a vitória com chave de ouro e um floater improvável (vídeo abaixo) para cravar 6.73 e sair de Portugal com a sua primeira vitória no circuito mundial de ondas grandes.

A conquista não poderia mais representativa para o brasileiro, que concorre há vários prêmios do Big Wave Awards em Nazaré e vem desafiando os limites do big surf no pico nos últimos anos.

A última etapa do BWT acontece em Mavericks. A janela de espera para o evento já está aberta e vai até o dia 28 de fevereiro na Califórnia. Caso as ondas não apareçam, Billy Kemper será coroado o novo campeão mundial de ondas grandes.

Resultado

1 Lucas Chumbinho (BRA)
2 Billy Kemper (HAV)
3 Natxo Gonzalez (BAS)
4 Kai Lenny (HAV)
5 Grant Baker (AFR)
6 Nathan Florence (HAV)

Ranking do BWT 2017/18 depois de três etapas

1 Billy Kemper (HAV) – 27.140 pontos
2 Kai Lenny (HAV) – 24.829
3 Ian Walsh (HAV) – 17.757
4 Makua Rothman (HAV) – 14.123
5 Lucas Chianca (BRA) – 13.331
6 Jamie Mitchell (AUS) – 12.778
7 Tom Lowe (GBR) – 9.081
8 Alex Botelho (POR) – 7.893
9 Greg Long (EUA) – 7.536
10 Natxo Gonzalez (BAS) – 6.944
20 Pedro Calado (BRA) – 1.781