WSL investe em conteúdo

CEO da WSL, Erik Logan fala sobre a expectativa para os Jogos Olímpicos e o trabalho de produção de conteúdos da Liga.

0
Erik Logan é o CEO da World Surf League.

Efetivado a CEO da World Surf League depois de ocupar o cargo de presidente de conteúdo, mídia e estúdios da WSL, Erik Logan concedeu uma recente entrevista ao Front Office Sports.

Durante a conversa com o jornalista Ian Thomas, Logan falou sobre o trabalho que a World Surf League vem desenvolvendo para produzir conteúdos e satisfazer seus fãs ao redor do Planeta, como o Ultimate Surfer, o programa Kelly Slater – HBO Sports 24/7 e uma temporada de surfe para a série de documentários “Drive To Survive”, da Netflix.

O CEO também disse que é quase impossível tentar quantificar ou mesmo descrever o impacto potencial que as Olimpíadas podem ter no crescimento do esporte e da Liga: “É difícil colocar em uma frase o que eu acho que isso significa, mas será substancial”.

Confira a íntegra da entrevista publicada pelo Front Office Sports.

O que tem impulsionado o momento da WSL?

Há três coisas realmente importantes em nossa frente. O primeiro é o nível de talento de nossas mulheres e homens, e as novas caras e novos locais que estavam chegando este ano nos posicionaram para um dos melhores anos competitivos que já tivemos no esporte. Portanto, as narrativas são ótimas e ricas. Também temos a solidificação das equipes olímpicas, pois qualificamos 18 dos surfistas para as Olimpíadas através dos pontos do nosso Championship Tour.

O surfe fará sua estreia nas Olimpíadas deste ano – o que isso representa tanto para o esporte quanto para a WSL?

Estamos nos preparando para o que quer que aconteça, e colocando as Olimpíadas em todas as facetas da nossa organização. De atletas a comunicação de atletas, a um produto digital reimaginado – honestamente, está permeando todos os aspectos de nossa organização. Estamos tentando nos preparar para o maior número de resultados possíveis para as Olimpíadas. Reconhecemos e vemos a natureza histórica do que isso significa para o esporte, e também estudamos e analisamos o que a estreia e o status de ser um esporte olímpico fizeram em outros esportes. É realmente um momento transformador para o surfe, e estamos preparados. Estamos muito empolgados para ver o que acontece.

A expectativa pela estreia do surfe nos Jogos Olímpicos tem empolgado a WSL.

Como você está buscando criar conteúdo para um público mais popular?

Vendemos recentemente um programa de televisão em rede aberta para a ABC, chamado Ultimate Surfer, e começamos a gravar isso, mas que será lançado no verão (no Hemisfério Norte). Isso fornecerá uma plataforma para o surfe nos Estados Unidos especificamente que nunca foi vista antes.

Quando analisamos os últimos 11 meses, o trabalho que a equipe fez para criar todas essas outras franquias que temos em nossas plataformas, como Sound Waves e Brilliant Corners e essas outras séries que realizamos entre os eventos, além das coisas que fizemos fora da plataforma, seja 24 horas por dia, sete dias por semana: Kelly Slater (com a HBO Sports), Ultimate Surfer e as outras coisas que temos no canal, o que vimos é que a taxa de sucesso, o consumo e o uso das plataformas cresceram exponencialmente e isso nos dá grande confiança para duplicar esse espaço.

Vamos continuar a acelerar essa transformação em uma empresa de mídia esportiva. Historicamente, a WSL tem sido efetivamente uma liga que tem sido o lar do surfe profissional desde 1976 e coroando campeões mundiais – continuaremos fazendo isso para sempre.

O que estamos fazendo agora é transformar uma liga esportiva em uma empresa de mídia esportiva, e a parte de mídia da empresa é essa evolução. Continuo dizendo às nossas equipes – isso é uma evolução acelerada, não uma revolução, porque já estamos fazendo muitas coisas individualmente agora. Precisamos fazer mais delas mais rapidamente.

Além das participações no Ultimate Surfer e em programa da HBO, Kelly Slater estrela produção de documentário.

Como você garante que está satisfazendo os principais fãs com o conteúdo que está lançando?

A Liga funciona como muitas outras ligas. Quando você chega ao último terço da temporada, mais ou menos, os assuntos viram títulos mundiais, cenários de requalificação e outros cenários de posicionamento. Para os nossos principais espectadores, isso é extremamente importante e gera muito do consumo de nosso conteúdo. Também haverá narrativas nascidas fora das Olimpíadas que também ajudarão a criar a segunda metade do ano a partir de uma perspectiva de conteúdo.

Enquanto nos inclinamos muito a narrativas como essa, agora também temos uma lista completa de desenvolvimento para a programação sobre a qual estamos conversando ativamente com nossas plataformas. Isso serve para coisas como o programa Kelly Slater – HBO Sports 24/7.

No momento, estamos no mercado lançando uma versão de surfe do programa da Netflix “Drive To Survive”, trabalhando com a mesma produtora. Também estamos na produção completa de um documentário de Kelly Slater, onde passamos o ano inteiro com Kelly com acesso irrestrito.

Sabemos que existe um conteúdo principal da liga que podemos colocar em nossas plataformas e, em seguida, temos isso da perspectiva de um estúdio. Nosso objetivo é que tudo isso aconteça em segundo plano, para que possamos criar narrativas e ajudar a criar histórias que conectem a comunidade global de surfe.

O que a WSL pode fazer para garantir que está atraindo mais marcas não endêmicas para investir na liga, nos atletas e no esporte, especialmente com as Olimpíadas no horizonte?

O que estamos começando a ver através da proliferação de todos os outros setores verticais e do nosso conteúdo, e da maneira como atingimos o público em todas essas plataformas diferentes, está abrindo muito mais portas para patrocinadores não endêmicos como a Lululemon, Swatch, HydroFlask. Também está incentivando que eles façam mais conosco que vai além da nossa análise lance a lance ao vivo. Acho que se você colocar isso em um palco com o pano de fundo da narrativa olímpica e o que está acontecendo de maneira mais ampla no esporte, acho que estamos no auge de todos os tempos em termos de parceiros que desejam se envolver e estão cada vez mais buscando novas maneiras de se envolver.

Fonte: Front Office Sports