A boa fase de Italo

Italo Ferreira fala sobre free surf, CT 2021 e planos para o futuro em entrevista à World Surf League.

0
Italo Ferreira vem de título na Euro Cup of Surfing.

O potiguar Italo Ferreira ainda não conseguiu nem começar a defender o título mundial que conquistou na final brasileira com Gabriel Medina no Pipe Masters de 2019 no Havaí, mas tem se mantido bem ativo esse ano. Desde o cancelamento do World Surf League Championship Tour 2020, o surfista de Baía Formosa tem mostrado sessões de free surf eletrizantes e inovadoras em casa e no exterior, nos clipes que vem publicando em suas mídias sociais.

Depois, quando começou a participar dos eventos do WSL Countdown, Italo continuou como terminou o ano de 2019. Em três semanas seguidas do mês passado, venceu o Onda do Bem promovido pela WSL Latin America em Ubatuba (SP), o Rendez-Vouz of Surfing na França e conquistou o título da Euro Cup of Surfing com o vice-campeonato em Portugal. A derrota para o português Frederico Morais na final, foi a primeira dele em quase um ano de invencibilidade.

Com a nova temporada do WSL Championship Tour 2021 prevista para começar em dezembro no mesmo Pipe Masters que venceu em 2019, Ben Mondy, da World Surf League, conversou com o campeão mundial para falar sobre os seus últimos meses, o retorno às competições e quais são seus planos para defender o título conquistado no Havaí no ano passado.

“Tenho me concentrado em surfar o máximo possível e, poder voltar a competir no Brasil e na Europa, foi muito bom para reviver a sensação de disputar baterias e sentir a alegria de vencer novamente”, disse Italo Ferreira. “Eu gosto muito da pressão da competição, para ver como está o meu surfe. Senti falta disso. Em todos os eventos (do WSL Countdown), tinham competidores difíceis do CT e QS, então o nível (técnico) foi realmente alto e é muito bom voltar a viver essa rotina de competições”.

Atleta começa a defender o título mundial a partir de dezembro em Pipeline.

Circuito cancelado

“Nestes últimos meses sem competições, senti que consegui dar um salto de desempenho no meu surfe. Aprendi muito e tentei melhorar a cada sessão de treinos. Eu fui para as Maldivas recentemente e as ondas estavam bombando lá, então pude notar realmente uma evolução. Esse é o objetivo, continuar fazendo muitas surf trips e surfar bastante, para melhorar cada vez mais. A meta é estar pronto para competir, pois sei que a próxima temporada será um grande desafio. Mas, já me sinto pronto”.

Fãs e pandemia

“O título mundial mudou muita coisa para mim e certamente tenho mais fãs agora. Tenho muito respeito e amor pelos fãs e sinto falta deles sem as competições. Tenho saudades dos fãs do surfe na praia, dos gritos da torcida e de toda a energia que vem deles. De positivo (nessa parada pela pandemia), eu pude passar mais tempo em casa com a família, amigos e namorada. Mas, tem sido um momento especial também, pois a comida da minha mãe é incrível (risos). Sei que tem sido muito difícil para todos, mas aprendi muito e treinei duro todo esse tempo, além de poder conviver mais com as pessoas que eu amo”.

Início do CT 2021

“O ano passado foi incrível com a decisão do título mundial na final do Pipe Masters e este ano vai começar lá, então estou pronto e preparado. É para isso que tenho treinado tanto durante esse ano, então quando a WSL anunciar que vai começar, estarei lá já. No ano passado, cheguei seis semanas antes do evento e fiquei sempre surfando em Pipeline, testando as pranchas, conversando com o Jamie O´Brien, com o Shane Dorian e todos os locais. Isso foi especial para mim, porque eu não era o favorito para ganhar o Pipe Masters, mas aprendi muito com eles e venci o campeonato. Vou tentar fazer o mesmo esse ano”.

Marcelo Buchecha
Top potiguar arrepia nos treinos no quintal de casa durante a quarentena.

Vídeos online

“Tenho postado a maior parte das minhas melhores sessões de freesurf e não costumo guardar quase nada para depois. Principalmente para nós (surfistas) brasileiros, é como uma competição entre a gente. Já que não podemos viajar para competir, então é uma forma de ver o que todos estamos fazendo e como podemos melhorar nosso surfe. Seja o Yago (Dora), o Gabriel (Medina), ou quem for, estou sempre olhando para ver o nível deles, para que eu possa tentar igualar eles na próxima sessão de surfe”.

The Campaign

“Eu assisti ao filme The Campaign do Andy Irons antes de cada bateria no Pipe Masters do ano passado e foi uma grande inspiração para mim. Então, tive a ideia de refazer essa sessão. Claro que não estou me comparando ao Andy, porque para mim ele era o melhor dos melhores, mas queria mostrar à nova geração um pouco do quanto ele me inspirou. Eu também queria fazer isso pela família do Andy. Falei com a Lyndie (esposa do Andy Irons) e perguntei à minha equipe se a ideia era boa. Eles ficaram entusiasmados, então deu tudo certo e fiquei orgulhoso desse vídeo”.

Planos para o futuro

“Eu programei mais duas surf trips (viagens de surfe) para depois do WSL Countdown de Portugal e irei para o Havaí um mês antes do Pipe Masters, para começar a testar minhas pranchas. É uma boa hora para fazer alguns treinos lá antes que todos cheguem na ilha. É muito difícil surfar em Pipe quando está lotado, então eu acho que qualquer chance de surfar lá é ótimo, principalmente com os locais. O objetivo é surfar bastante, me divertir e estar totalmente pronto para a competição. Na verdade, é um plano muito simples”.