Rolé na Califa – parte II

Fabio Gouveia visita o legend Rob Machado e o fotógrafo brasileiro Marcio Canavarro.

0
Fabio Gouveia e Rob Machado a caminho do surfe em Cardiff.

Em maio passado, Fabio Gouveia matou a saudade de estar na Califórnia. Havia tempo que não pisava naquelas bandas. Talvez desde 2007 ou 2008, quando estava prestes a parar de competir. “A Califórnia é muito astral, respira-se surfe por todos os lados em que passei. Matei a saudade também de velhos amigos, shapers e ídolos”, conta Gouveia.

Confira abaixo o segundo texto da aventura intitulada Rolé na Califa:

“Em Cardiff, as ondas estavam pequenas, realmente bem fracas. Mas, se bem que eu nem estava ligando, pois tinha tanto assunto pra falar e legends pra encontrar que acho que só os hospitaleiros eram quem ficavam preocupados em nos agradar.

Foi nessa que encontramos o Rob Machado em sua sala de shape paralelo ao trilho do trem que não parava de passar e soar sua mega potente buzina. “Hey guys, whats up?”,disse ele com um largo e calmo sorriso. Em meio à sua agenda lotada, fomos muito bem recebidos.

A Van old school de Rob Machado.

Primeiramente Rob nos mostra sua sala e alguns de seus modelos. Já brinco dizendo que mesmo com pouco tempo de estrada seu sucesso já é enorme também no Brasil, pois naquela mesma semana, por coincidência, um de meus clientes havia encomendado uma prancha similar inspirada em seus modelos.

Então, nada melhor que debater na fonte (risos). Pranchas old School, fishes e progressivas são a pegada do Rob, aliando também as configurações de single e twin fins, dentre outras, e a diferente canaletas.

Pirei com as pranchas, pois adoro o que Rob vivencia neste momento. Sempre vi o cara com essa pegada underground e fiquei doido quando ele nos mostrou uma 6’10” single fin shapeada pelo mestre Gerry Lopez. 

Já fazem uns dez anos que Rob tem esta relíquia e ainda não teve coragem de colocar na água (risos).

Com o tempo corrido, e depois da troca de informações e entrevista, tocamos para uma surf session de 40 minutos cravados, pois Machado já tinha que partir pra outro compromisso. “Hey Fabio, you come with me”, diz Rob, apontando para a sua velha Van no mais puro Salsicha / Scooby Doo style.

Fabinho na direita de Cardiff.

Ali dentro tinha de tudo, desde variados cacarecos, brinquedos de criança, roupas de borracha, skate, etc, como também um variado quiver. De início, nem acreditava que aquilo iria dar partida, pois em bom estado mesmo só os pneus (risos), mas logo já estávamos no beach park para a curta session.

Procurei pegar algumas ondas com minha fish 5’5”, ao mesmo tempo em que observava Rob. Mas o tempo foi realmente curto, e, em sua despedida, o cara me saiu surfando de joelhos, com sua cabeleira voando e os braços abertos, parecendo Cristo. 

Ô figura!

Fiquei por ali mais algum tempo e aproveitei para, enfim, surfar com a single fin Henssen de 1969. Com borda 50/50 e quilhona grande e pontiaguda postada bem ao fim da rabeta, pensava que seria difícil desenvolver bem com aquela relíquia. A veio a surpresa ao pegar a primeira onda. Que maravilha! A prancha fluía, era ótima para o bico e de certa forma maleável para as manobras.

Ondas fracas, ruins, mas nada como a prancha certa para ter a diversão garantida. Se bem que, naquela ocasião, só o fato de estar deslizando naquele local e com aquele modelo de prancha já era o ápice.

Fabinho e equipe na casa do fotógrafo Marcio Canavarro.

Em Cardiff, o old school fala alto. Muitos longboarders com diferentes modelos do segmento surfavam relaxadamente, sem se preocupar com nada, e senti que nosso drone destoou da sena. Ninguém deu muita bola, mas com certeza o barulhinho incomodava aquele fim de tarde.

Do pôr do sol magnífico, subimos a montanha para fazermos uma visita ao grande amigo Marcio Canavarro. Quem conhece a figura sabe o quanto é divertido estar em sua companhia. Acelerado por natureza, este renomado fotógrafo não teve condições de nos acompanhar em nossos dias em Cali, no entanto, sua hospitalidade e de sua família nos deixou com uma noite muito agradável.

Além de fotógrafo, Marcio tem uma criação de bulldogs franceses. Adentramos ao Canil Canavarro e foi difícil ter os little dogs desgarrados da barra da calça. Que comédia! E comédia também é seu filho Kay, educado e amigo. Já imagino também quando pegar essa pilha do pai (risos).

Jantar delicioso preparado por sua esposa Alicia, mas infelizmente tivemos que voltar pra base, pois no dia seguinte tocaríamos para encontrar meu ídolo máximo, o enigmático mister master Tom Curren!” Continua na próxima…

“Respeitamos a liberdade editorial de todos os nossos colunistas. As ideias expressadas no texto acima nem sempre refletem a opinião do site Waves”.