Sufoco na Jagua

Thiago Jacaré descreve caldo sinistro no último big swell na Laje da Jagua, Jaguaruna (SC).

0
Alemão de Maresias participa do resgate de Thiago Jacaré.

O big swell da última semana na Laje da Jagua, Jaguaruna (SC), foi o maior e melhor desta temporada no local. As ondas passaram facilmente dos 4 metros e proporcionaram momentos sinistros, como o caldo sofrido pelo big rider Thiago Jacaré na direita do pico.

“Quando se trata de surfar a direita, todo mundo já sente aquele frio na barriga, por ser uma das ondas mais desafiadoras do Planeta”, relata Jacaré. “Estava confiante e já tinha surfado neste mesmo dia”, acrescenta o surfista.

“Depois de rebocar a galera, comecei a ver que o mar estava melhorando e as séries maiores. Resolvi dar uma segunda caída e André Paulista foi para o jet-ski”, conta o big rider, que é um dos fundadores da Atow-Inj (Associação de Tow-In de Jaguaruna).

“Então veio a bomba. O André me lançou por trás do pico e vim puxando pra dentro, visando o tubo. Talvez puxei demais, e quando vi já era tarde. Tentei acelerar, mas não passei a seção. Logo vi toda a bancada aflorando na minha frente, com as pedras borbulhando. Mirei reto e me joguei, já esperando o impacto nas pedras. Fui esmagado, tomando um lip absurdo em cima do meu corpo”, descreve Jacaré.

Big rider prestes a sentir o peso do lip na direita da Laje.

“Bati cervical, joelho e ombro na bancada. Tive o colete da Nob, que era zerado, encalhado nas pedras. Depois do impacto ainda fui sugado pelo lip, sendo jogado nas profundezas da Laje. Quando subi, mal podia respirar e já tomei outra onda na cabeça, mais uma vez jogado para o fundo. Ao emergir novamente, Alemão de Maresias viu que a situação estava preta e apareceu para me resgatar”.

“Já no slad do jet-ski, vi que o colete estava todo arrebentado pelo impacto nas pedras, e logo senti fortes dores no corpo. Com o impacto, tive um estiramento no pescoço, no braço e uma lesão grave no joelho. O que me ajudou muito, foi que, além do colete, estava usando uma roupa de borracha com gomos para o big surf que a Mormaii desenvolveu com ajuda do casca-grossa Lucas Chumbo. Essa roupa ajudou muito a absorver o impacto”, afirma.

“Tirando um caldo que tomei em Nazaré, Portugal, quando caí de uma onda de frente para as pedras e tomei cinco ondas de 20 metros na cabeça, esse na Laje foi a segunda pior vaca que já tomei na vida”, relembra Jacaré.

“Momentos assim realmente mostram a importância da segurança no big surf ao usar bons equipamentos como capacete, colete e uma roupa que te proteja de impactos para garantir a segurança dentro d’água”, arremata o big rider.

Na galeria abaixo, os fotógrafos Renato Tinoco e Christian Jung registram os momentos bizarros da vaca.