Larry Bertleman

Um divisor de águas

Poucos surfistas em todos os tempos foram tão influentes quanto o havaiano Larry Bertleman, pioneiro da progressividade em nosso esporte.

0

Nota da redação: Recomendamos a ativação das legendas em português no próprio YouTube.

Nos anos 70 as transformações faziam do surfe um laboratório a céu aberto em termos de estilo de vida, comportamento, experimentalismo na moda, nas manobras e nos equipamentos.

Grandes nomes da Austrália e África do Sul chamavam a atenção nas revistas Surfer e Surfing, mas ninguém era mais transgressor do que um havaiano da Big Island.

Ninguém inspirou e pirou mais do que Larry Bertleman, um cara que já fazia a diferença com sua cabeleira black power, mas sobretudo com o seu surfe agressivo, intenso, mas jamais sem perder o romantismo das linhas clássicas.

À vontade em qualquer mar, das ondas mais fun de Ala Moana aos buracos mais sinistros de Pipeline, Bertleman destacava-se pela naturalidade e causava meio que um espanto ao ser notado no crowd, em manobras nunca vistas e que eram possíveis graças aos foguetes teleguiados desenvolvidos pelo master shaper Ben Aipa.

Drops atrasados ao máximo, cutbacks extremos, rasgadas e pauladas nos limites mais fora da curva já vistos naquela época, um surfe totalmente expressivo, criativo e monumental em força, equilíbrio e espontaneidade. Cada onda tinha uma linha imprevista, sempre no style máximo, certamente a maior influência do surfe no skate.

Se Gerry Lopez era o cara em termos de estilo, Larry Bertleman, pela atitude inovadora e progressiva, tornou-se a ruptura mais radical num momento de transição do surfe clássico para o que viria a ser considerado modernidade do surfe, isso durante o auge  transformador, inclusive pela então invasão australiana na cena do North Shore lá pelo início até a metade dos anos 70.

Se a revista Surfer, mais tradicionalista, arrebentou nas bancas com Lopez, the classic hawaiian surfer, a Surfing, mais arrojada, intimidou-se e não partiu para uma edição especial inteiramente dedicada a Larry Bertleman, the rubberman.

O certo é que tanto Lopez como Bertleman dividiam a idolatria entre as novas gerações despencadas na paixão pelo surfe. Bem depois vinham os bronzed aussies ou o sul-africano Shaun Tomson, outro que ficava de ponta cabeça na saída dos tubos em Pipeline.

Poucos surfistas foram tão marcantes como Larry Bertleman, um dos primeiros a dar aéreo. Tanto que a manobra era até chamada de “larryels”. Daí em diante, uma galera de Christian Fletcher a Kelly Slater, de Tinguinha a Gabriel Medina, toda essa gente inspirada incorpora traços marcantes da progressividade de Larry Bertleman.

Se hoje o surfista decola, aterrissa e faz tudo ser possível e ao mesmo tempo impossível na onda, isso tem muito a ver com o surfe de Larry Bertleman. Simplesmente o cara que lá atrás já fazia um surfe com muitas remadas à frente de seu tempo.

Isso com uma outra concepção, uma outra leitura de onda, uma perspectiva que poderia ser chamada de a verdadeira psicodelia nas ondas, em que as manobras saíam somente da imaginação criativa de Larry Bertleman, e que poucos se atreviam a ir na cola, como por exemplo outros legítimos havaianos: Buttons Kaluhiokalani e Dane Kealoha, este já nos anos 80.

Guardadas as proporções, assim como o Black Sabbath deixa sua digital na história do rock ao estabelecer as bases do que viria a ser o heavy metal, Larry Bertleman é o pai, o filho e o espírito do surfe progressivo, o surfista que simplesmente divide o esporte entre antes e depois dele.

O vídeo Revert To Bert conta essa história ultra radical do surfe moderno.

Assista mais vídeos no canal Larry Bertleman.