Championship Tour

Tempestade ganha força

União dos Tops brasileiros repercute na mídia internacional e últimos resultados no Circuito Mundial mostram uma Brazilian Storm mais forte do que nunca.

0
Tatiana Weston-Webb e Filipe Toledo comemoram dobradinha verde e amarela em Margaret River.

O jantar de confraternização dos atletas após o Margaret River Pro teve uma cena que chamou a atenção no Oeste da Austrália. Campeã da etapa, Tatiana Weston-Webb teve a sua cadeira levantada por surfistas brasileiros no meio do salão, enquanto atletas de outros países olhavam surpresos e aplaudiam a homenagem.

Muito além daquela cena, surpresa e admiração são alguns dos sentimentos que a Braziliam Storm tem provocado na comunidade do surfe nesta temporada. E não é por menos. Com quatro vitórias nas três etapas do CT na Austrália (masculino e feminino), o domínio verde e amarelo nunca foi tão grande quanto no atual momento.

Gabriel Medina e Italo Ferreira abusaram das manobras progressivas para vencer com maestria as etapas de Merewether Beach e North Narrabeen. Já em Margaret River, Filipe Toledo provou que os brasileiros também estão no topo quando se trata de ondas grandes e surfe de linha. Ele deixou Jordy Smith dentro da nuvem na final e levou o caneco.

Confraternização após o Margaret River Pro contou com surpresa especial à Tatiana.People on Tour
Confraternização após o Margaret River Pro contou com surpresa especial à Tatiana.

Já que a tempestade é brasileira, os estrangeiros terão que buscar um pedaço de céu aberto até o final da temporada no Top 5 do ranking da WSL. John John Florence e Jordy Smith completam a lista e se colocam como fortes adversários pelas vagas para a disputa do título mundial em Trestles, na Califórnia (EUA). Outros brasileiros como Caio Ibelli e Yago Dora também somam bons resultados.

Já entre as mulheres, Tatiana Weston-Webb ocupa a vice-liderança do ranking mundial, com um belo desempenho na perna australiana até o momento. Após o segundo lugar em North Narrabeen, a brasileira foi a grande campeã em Margaret River. Além de seu segundo título de uma etapa, Tati fez história ao protagonizar uma dobradinha verde e amarela com Toledo.

A cena de Tatiana “nos braços” dos surfistas brasileiros na confraternização em Margaret River talvez ajude a explicar parte do sucesso tupiniquim nesta temporada. Longe de seus familiares por conta da pandemia, os atletas brasileiros decidiram viajar juntos e unir forças. Pelo visto, a tempestade se alastrou.

A bandeira brasileira também foi ao topo em Narrabeen, com Medina campeão e Tati vice.

Pão com manteiga e resenha

Peterson Crisanto foi o escolhido para subir na telhado. Filipe Toledo, Deivid Silva e Miguel Pupo davam instruções para o paranaense entrar pela janela, já que a chave ficou dentro de casa. “Se vira para arrumar essa ‘disgrama’. Tem que enfiar o dedo aí embaixo. Agora que tu subiu, vai ter que tirar”, orienta Toledo em cena gravada pelo canal People on Tour.

A zoeira não teve limites na casa que virou um ponto de encontro de todos brasileiros do Tour em Narrabeen. Muitos deles têm se hospedado juntos desde Merewether, e sempre dão um jeito de levar um pouco do Brasil para a Austrália. Do cafezinho com pão e manteiga no café da manhã ao churrasco com cerveja na comemoração de aniversários.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por People On Tour (@peopleontour)

Gabriel Medina é um dos mais habilidosos na altinha, e leva a sério a disputa no carteado e no videogame. Italo Ferreira tem um vasto repertório de passinhos de dança nos ritmos nordestinos, e Adriano de Souza aprova o cafezinho bem passado com pão. “Isso aqui é comida de rico”, brinca.

Deivid Silva é o mais aficionado por Big Brother Brasil e um dos alvos preferido da dupla Filipe Toledo e Miguel Pupo. Eles foram dar um tapa no visual durante a etapa de Narrabeen. “Fica a pergunta, arruma a lataria também?”, questiona Pupo ao barbeiro que atendia Silva. “Fez um milagre, eu nem achei que isso era possível”, avalia.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por People On Tour (@peopleontour)

No churrasco, Jadson André – o “Forrest Gump” do grupo – ganhou um apelido de Gabriel Medina, inspirado no visual que o potiguar usava na ocasião. “É o Drake”, debocha o bicampeão mundial, em referência ao rapper canadense. “Não, é o Drácula”, corrige Toledo, levando todos à gargalhada.

Além das brincadeiras, os brasileiros treinam juntos, sempre trocam informações sobre o mar, sobre os adversários e impressões sobre as baterias disputadas. O “bonde” soma as forças nos bastidores e nas praias. Vibram com cada boa onda surfada pelos amigos e comemoram como se fossem as próprias vitórias. Ninguém fica fora de casa quando perde a chave.

Brasileiros fizeram churrasco com muita resenha em dias sem competição.

Reconhecimento na mídia internacional

A imagem de Filipe Toledo abraçado com Tatiana Weston-Webb antes de sair da água após a final do Margaret River Pro simboliza bem a união dos brasileiros no circuito. A camaradagem não só da dupla, mas de todos os nosso representantes vem repercutindo também na mídia especializada estrangeira, que aponta o fator como um diferencial do time verde e amarelo.

“No final, o vitorioso Filipe foi recebido por um grupo de brasileiros ao pé da escada, incluindo a também vencedora Tatiana. É muito inspirador ver a camaradagem desse grupo na praia e na zona dos atletas. Juntos, eles são uma verdadeira força a ser reconhecida, a maneira como eles se apoiam”, diz texto de uma matéria publicada no site Stab.

União rumo ao pódio: Peterson Crisanto e Jadson André carregam Tati após título em Margaret.

A reportagem ainda faz uma crítica às outras nações de surfe, que não contam com o mesmo espírito coletivo dos brasileiros no Circuito Mundial. “Você deve se perguntar por que outros países com números significativos no Tour não fazem o mesmo. Em um nível de surfe onde cada pequeno ponto percentual é importante, isso é definitivamente alguma energia na direção certa, especialmente em um esporte individual”.

A Brazilian Storm chega à quinta etapa do Circuito Mundial da WSL mais sólida do que nunca. A competição vai acontecer em Rottnest Island, entre os dias 16 e 26 de maio no pico de Strickland Bay, que oferece ondas de qualidade no oeste da Austrália. De acordo com os gráficos, a tempestade brasileira tem tudo para devastar a região, e não somos nós que estamos dizendo.

“À medida que entrarmos no evento de Rottnest Island, será interessante ver se alguém pode parar o caminho de destruição da Brazilian Storm. Sem espectadores permitidos no local do evento, sua mentalidade de torcida pode entrar em jogo mais do que nunca”, publica a Stab.

Gabriel Medina e Italo Ferreira brigam pelo título, mas descontração fora da água mostra que a rivalidade é sadia.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por People On Tour (@peopleontour)