Waimea dá as caras

Ricardo Taveira relata sessão casca-grossa em Waimea no primeiro swell XXL da temporada havaiana.

0
Ricardo Taveira desce a ladeira na Baía de Waimea.

A temporada havaiana começou forte neste ano, com várias ondulações constantes e perfeitas de médio porte fazendo a cabeça da galera no North Shore de Oahu. Mas até então nada realmente grande havia quebrado – até a chegada do big swell que atingiu em cheio a ilha nos últimos dias.

Acabamos de ter a nossa primeira ondulação de tamanho XXL. Ela fez Waimea Bay quebrar de gala por três dias consecutivos. Mas foi na última segunda-feira, dia 26 de novembro, que o swell atingiu o seu ápice. As ondas entraram muito maior do que o previsto e pegaram muita gente despreparada.

Logo de manhã a Baía fechava a cada 20 minutos. Estava quase impossível varar, pois havia muita energia na água. Enquanto esperava o momento certo para entrar no mar, presenciei um surfista quase se afogando.

Line-up concentrado em um dia pesado no North Shore de Oahu.

A Baía fechou em cima dele e o sujeito acabou arremessado para o lado esquerdo, bem debaixo das esquerdas cavernosas que quebram no canto da praia. Ele tomou tanta onda grande na cabeça que juro que pensei que se afogaria, mas graças a Deus ele foi cuspido do mar sem perder a consciência.

Graças aos treinamentos de respiração e apneia para o surfe que tenho focado e dedicado tanto nos últimos anos da minha vida pude acalmar e controlar minha ansiedade nesse dia histórico aqui no Havaí. Tive sorte e consegui varar o canal de Waimea sem que uma série gigante fechasse todo o canal, mas confesso que estava com muito medo e ansiedade a mil.

Lá fora estava imenso, o swell marcava 19 pés com 19 segundos, isso fazia com que as ondas, além de grandes, entravam grossas. Quem conhece essa leitura sabe que não é um swell normal. Para se ter uma ideia, a última marcação assim foi durante o famoso ano de El Niño na temporada de 2015/2016. Faziam três anos que a Baía na recebia ondulações tão fortes. Foi um swell de nível Eddie Aikau!

No final das contas foi show de surfe com pouca gente e ondas gigantes sobrando, pois a maioria não queria as maiores do dia. Estava realmente sinistro, mas foi na parte da manhã que o swell atingiu a força máxima. Entre os brasileiros presentes estavam eu, Alessandro Costa, Evaristo “Kiko” Ferreira, Daniel Skaf, Bruno Silva e Rafael Kroeff. Todos concentrados.

Tive sorte e peguei várias ondas boas, mas somente depois de conseguir me acalmar, respirando profundo pelo diafragma no outside por quase 1 hora e meia até pegar minha primeira onda. A sessão durou cinco horas sem sair do mar. Para conseguir me acalmar, a idea é fazer uma respiração padronizada, iniciando a inspiração pela parte inferior dos pulmões até o peito acima e expirar lentamente, restringindo a saída para que o ar dure mais tempo dentro dos pulmões, aumentando a difusão de oxigênio e melhorando a oxigenação corporal.

Isso aumenta o foco, energia, auto-estima e se tiver que segura a respiração por mais tempo, pode ser feito com mais facilidade. É dessa forma que nos preparamos para a apneia. O que muita gente não sabe é que para poder ter uma boa apneia, todo o trabalho é focado na respiração, o que resulta todos os outro fatores positivos para poder surfar melhor e com mais segurança.

Ricardo Taveira é surfista, mergulhador profissional, instrutor de apneia e primeiros primeiro socorros. Atualmente ministra cursos de apneia e sobrevivência para surfistas no Havaí e pelo mundo. É proprietário da Hawaii Eco Divers & Surf Adventures, uma empresa de mergulho, surfe e ecoturismo no Havaí. A Hawaii Eco Divers oferece serviços completos de viagem ao turista Brasileiro incluindo atividades relacionadas a natureza, acomodações, aluguel de carro e assistência geral de viagem.