Etiqueta do tow-in

Apesar de regras claras no estado de Queensland, tow-in gera polêmica no último swell na Gold Coast.

38
Taj Burrow, de tow-in, é rabeado por um surfista na remada em Kirra: cena reacendeu velha polêmica nos fóruns de discussão na internet.

No último fim de semana (17 e 18), com a chegada do swell gerado pelo ciclone Gita na Gold Coast, alguns surfistas (incluindo nomes como Taj Burrow e o shaper Darren Handley) optaram pelo uso do jet-ski em Kirra, enquanto outros surfistas desafiavam as ondas na remada, causando uma chuva de críticas na internet.

No entanto, apesar de muita desinformação e de frequentes desrespeitos, existem regras bem claras para o uso do jet-ski e de outros equipamentos aquáticos para o surfe no estado de Queensland.

Em 2010, a Segurança Marítima de Queensland (MSQ), a prefeitura da Gold Coast e o departamento de surfe do estado reuniram-se para redigir um Código de Conduta do Tow-In.

O código – que ironicamente traz na capa um surfista sendo rebocado em uma onda na faixa de 1,5 metro -, descreve várias regras para operar um jet-ski no estado.

Quando as praias da Gold Coast estão fechadas devido ao surfe pesado (caso do último swell), o uso do jet é legalmente permitido na zona próxima à costa. Já quando as praias estão abertas, as moto aquáticas não são permitidas a menos de 400 metros da costa.


Mas, mesmo se as praias estiverem fechadas, as regras dizem que os jets não podem ultrapassar a velocidade de 6 nós (11 km/h) quando estiverem a menos de 60 metros de um surfista ou nadador. Estranho, pois no caso do tow-in, seja para o reboque ou resgate, o jet-ski sempre vai exceder essa velocidade.

Pouco mais acima de Kirra está Currumbin, pico que possui regras ainda mais restritas. Por lá, o tow-in é permitido apenas se não houver surfistas na água. Em outras palavras, quando um surfista rema para o outside, todos os jets devem sair.

Com regras ou não, ainda há muita desinformação e desrespeito no outside. Em declaração ao site Swell.net, um representante da Segurança Marítima de Queensland admitiu que a aplicação de multas é extremamente raro e que o trabalho do departamento é “educar primeiro para distribuir as infrações depois”. Mas, enquanto a conscientização não acontece, cenas de desrespeito à galera na remada ainda vão acontecer em muito, como no último swell na costa leste australiana.