Pipe ou Backdoor?

Série ao Fundo avalia as chances de título de Filipe Toledo e Gabriel Medina na etapa mais aguardada do circuito mundial.

0

Chegou a hora da decisão! Em um ano histórico para os brasileiros no Tour, Gabriel Medina e Filipe Toledo chegam à Pipeline com chances de título mundial.

Medina é o dono da lycra amarela e, pelo histórico que ostenta no Pipe Masters, pode ser considerado o favorito. Ele já fez duas finais por ali e a cada ano parece estar mais a vontade nos tubos mais cobiçados do planeta.

Além de dominar as esquerdas tubulares, Tiago Brant coloca Gabriel como o melhor goofy-footer nas direitas de Backdoor, onde inclusive já conquistou uma nota 10 em 2014.

Quem também já levou um 10 para Backdoor foi Filipe Toledo, o outro brasileiro na disputa. Diferentemente de Medina, Filipinho ainda luta para provar que tem surfe para se destacar em ondas mais pesadas e tubulares. Depois de um começo de ano avassalador, Filipe escorregou na perna europeia e acabou perdendo a liderança.

Essa é a segunda vez que Filipe chega à Pipe com chances de título mundial. Em 2015 perdeu no round 2, mas não há dúvidas de que hoje é um surfista mais maduro e bem preparado.

Outro que sonha com o caneco há várias temporadas é Julia Wilson, único gringo que pode entrar no caminho dos brasileiros. O título do Pipe Masters em 2014 e as boas performances em ondas tubulares credenciam o australiano nessa disputa.

Tudo sobre a grande decisão em Pipeline você confere no mais novo episódio do Série ao Fundo!