Gaúchos barram etapa

Federação Gaúcha de Surf anuncia que pretende barrar a realização da etapa de abertura do CBSurf Pro Tour no Rio Grande do Sul.

0
Abertura do CBSurf Pro Tour está marcada para abril em Torres.

Em mais um capítulo do imbróglio envolvendo a CBSurf e representantes do surfe brasileiro, a FGS (Federação Gaúcha de Surf) anunciou que pretende barrar a realização da etapa de abertura do CBSurf Pro Tour no Rio Grande do Sul.

O evento está marcado para os dias 24 a 26 de abril, em Torres, litoral norte do estado, e daria o pontapé inicial no circuito profissional organizado pela entidade, que tem quatro etapas programadas para 2020.

De acordo com a FGS, uma reunião foi realizada com atletas na última quinta-feira (6), em Torres, e ficou decidido que se a CBSurf não alterar ou pelo menos discutir o novo formato com outras entidades, a etapa não será realizada em águas gaúchas.

As novas insatisfações sobre o comando da CBSurf surgiram quando a entidade divulgou que o circuito brasileiro seria fechado a um número específico de surfistas, tanto no masculino quanto no feminino.

Depois dos questionamentos dos surfistas que ficaram fora, alegando que a decisão deveria ter sido tomada com no mínimo um ano de antecedência, a CBSurf chegou a modificar o formato, criando triagens para incluir mais 12 atletas no masculino e 6 no feminino, mas as reclamações não pararam.

Em nome do presidente Fernando Figueiredo da Cunha, a FGS sugere que seja convocada uma assembleia geral extraordinária da CBSurf com todas as federações, “incluindo na pauta, como primeiro item, a anistia completa de todas as entidades filiadas, permitindo que todas tenham direito a voto”.

Confira abaixo as principais reivindicações enviadas em nota pela FGS:

1 –  A FGS, suas filiadas e os atletas gaúchos concordariam em recepcionar a abertura do circuito da CBSurf caso o formato do campeonato fosse aberto, sem pré-classificados, alterando por completo o formato divulgado pela CBSurf. Ainda, necessitaríamos de pelo menos 90 (noventa) dias de antecedência para viabilizar o evento junto com patrocinadores e apoiadores. Vale ressaltar que não recebemos o caderno de encargos da referida etapa, não sendo possível estimar os custos para a realização do campeonato;

2 – A FGS aceitaria a alteração do formato do circuito e/ou estabelecimento de pré-classificados apenas após o amplo debate com todas as filiadas e, principalmente, atletas. Tais regras deverão ser divulgadas com no mínimo um ano de antecedência à abertura do respectivo circuito nacional;

3 – De forma unânime, face os apontamentos anteriores, a FGS, através de seus dirigentes e atletas, comunica que o Rio Grande do Sul não realizará a abertura do Circuito Brasileiro Profissional de Surf 2020 da CBSurf enquanto todas estas pendências não forem sanadas, em especial sobre o comando da entidade nacional.

Clique aqui para ler a nota na íntegra

View this post on Instagram

Ontem a noite, no Memorial do Surf, em Torres, local gentilmente cedido pela @associacao_ast, aconteceu a reunião da @fgsurfoficial com os atletas para definição do posicionamento do RS em relação ao Circuito Brasileiro Profissional da CBS, divulgado inclusive com a primeira etapa em Torres (o que NÃO irá acontecer). ⚠️ . . Na voz do legend do surf gaúcho @tuca_gianotti, temos o posicionamento oficial da FGS e uma ideia do que seria um circuito ideal e justo, na visão da Federação Gaúcha de Surf e atletas presentes. 🌊 . . Como falou o Tuca: "Nós somos a CBS", e nós surfistas não queremos mais Adalvo Argolo no comando da Confederação Brasileira de Surf! 👍 #ForaAdalvoArgolo

A post shared by Pampa Barrels (@pampabarrels) on