Dono da WSL abre o jogo

Dirk Ziff, proprietário da WSL, abre o jogo durante cerimônia de premiação da SIMA em Laguna (EUA).

0
Dirk Ziff e Kelly SlaterHilleman
Kelly Slater entrega prêmio de waterman do ano a Dirk Ziff durante cerimônia da SIMA em Laguna, Califórnia (EUA).

No último sábado, a SIMA (Surf Industry Manufacturers Association), a associação da indústria do surfe que representa mais de 300 marcas e empresas do mercado especializado, premiou Dirk e Natasha Ziff, proprietários da World Surf League. A cerimônia ocorreu em Laguna Beach, Califórnia (EUA).

Além do casal Ziff, que foi considerado waterman e waterwoman do ano, o legend Wayne “Rabbit” Bartholomew foi homenageado com o “Prêmio de Meta de Vida Alcançada” e a dupla Doug e Kris Tompkins foi contemplada como “Ambientalistas do Ano”.

Sempre reservado, Dirk Ziff fez um discurso coerente e pragmático, deixando bem claro que é um amante do surfe e do seu circuito mundial, mas que não deixa de abrir espaço para discussão sobre o que será a modalidade no futuro.

O prêmio a Dirk foi entregue por Kelly Slater, enquanto a sua mulher, Natasha, recebeu a homenagem das mãos de Lakey Peterson.

Laguna, Califórnia (EUA)Hilleman
Natasha Ziff posa com Lakey Peterson depois de receber o prêmio de waterwoman do ano.

Confira alguns dos comentários de Dirk Ziff:

“A Natasha e eu somos gratos por esta honra, mas, honestamente, é um pouco estranho para nós. Nós somos pessoas reservadas. Nunca pusemos o nosso nome em nada e muito provavelmente nunca o faremos. Não é o reconhecimento que nos motiva. É o surfe. Os homens e mulheres fantásticos da WSL nos motivam. Os nossos parceiros e colegas nos motivam. E fazer as coisas bem nos motivam (…)

Esperar que o oceano nos traga as condições ideais tem sido uma questão. Tal como a cultura do acesso gratuito. Os fãs de outros esportes sabem que a transmissão inicia às 3h de sábado à tarde, e não em algum momento nos próximos 12 dias quando o comissário faz a chamada.

E os eventos ocorrem em arenas e estádios lotados. Se todos os horários de início da competição fossem completamente incertos e a participação fosse gratuita, gostaria de saber quantos esportes seriam bem-sucedidos hoje?

A capacidade miraculosa de se tornar nosso próprio distribuidor de difusão, enviando notificações e transmitindo ao vivo para dispositivos móveis e de desktop em todo o mundo, foi essencial para a nossa missão, e estamos muito orgulhosos de como fornecemos para os fãs.

Mas isso não é suficiente. Os eventos ainda são mais longos do que a maioria dos bons swells, e vários dias de lay day podem ser um matador para a empolgação da audiência. Imagine um jogo de basquete que faz uma pausa no intervalo e será retomado em algum ponto desconhecido nos próximos dias. Quantos fãs permaneceriam envolvidos?

O formato competitivo continua confuso para os fãs. Pensem nisso. Um surfista pode terminar em segundo em três baterias diferentes e mesmo assim terminar em segundo no campeonato. Continuamos a ter um sistema antiquado para determinar os campeões mundiais, no qual todas as etapas contam o mesmo e os pontos vão sendo adicionados até que alguém não possa ser ultrapassado, independentemente do que possa acontecer.

Isso muitas vezes resulta em cenários confusos no fim da temporada. Muitas vezes, desde que nos envolvemos, o novo campeão mundial estava sentado na praia, nem mesmo no último evento do ano, esperando que alguém mais perdesse. É quando muitos fãs se desligam.

Em 2016, quando John John conquistou o título em Portugal, a audiência em Pipe caiu quase 50%. O título não estava em disputa. Isso não é um grande drama esportivo, na minha opinião. Assim como as finais emocionantes de nossos eventos individuais, acredito que nossos campeões mundiais devem ganhar o título na água.

Inovaremos, mas sabemos que isso traz risco. Nós entramos em nosso acordo com o Facebook pela mesma razão que fazemos tudo: porque acreditamos que estava no melhor interesse a longo prazo do esporte. Há enormes fãs da WSL nos níveis mais altos do Facebook, e eles estavam muito ansiosos para trabalhar conosco. É a maior e mais poderosa plataforma de mídia da história do mundo, e estamos entre os primeiros esportes distribuídos ao vivo. E o Facebook tem sido um parceiro fantástico para o nosso grupo de mídias sociais desde que nos envolvemos com o esporte.

Então, para nossa surpresa e desapontamento, apesar de todas as garantias e testes, eles simplesmente não estavam prontos tecnicamente para começar a transmitir em J-Bay. Sem dúvida, não foi legal. Desde então, o Facebook tem sido um parceiro muito bom. Eles admitiram plena e humildemente, ao máximo, suas deficiências, e dedicaram enormes recursos para fazer tudo certo no futuro. Continuamos esperançosos de que grandes coisas estão por vir para nossa parceria. É certamente muito cedo para declarar que é um fracasso (…)

Por vezes sentimos que estamos tentando melhorar o desempenho de um carro quando vai a 100 km/h na estrada. Cometemos erros e vamos ter mais alguns no futuro. Mas parece-me que também fizemos algumas coisas bem. Tem sido uma viagem incrível e, sob o comando da Sophie (CEO da WSL), podem esperar que o próximo capítulo da WSL será mais transformador e excitante. Temos grandes planos e sonhos (…)

Uma coisa que posso prometer é que Natasha e eu amamos profundamente o esporte. Nós nunca sonhamos em estar nesta situação com a WSL. Mas aqui estamos nós.

Acreditamos que a World Surf League tem o poder, ao longo do tempo, de trazer mudanças positivas para o mundo, protegendo nossos preciosos oceanos através da nossa linguagem universal.

O surfe mudou nossas vidas, pois mudou a vida de todos nesta sala e milhões de pessoas em todo o mundo. O surfe cura. O surfe empodera. O surfe inspira. O surfe é mágico.”

Fontes: Stabmag.com