Pescadores se adiantam

Sem consulta à Associação de Surf de Imbituba, pescadores colocam placa de restrição durante temporada da tainha na praia da Vila (SC).

0
Presidente da Associação de Pescadores da Barrinha/Praia da Vila, Reginaldo Marques pede a colaboração dos surfistas.

Na início da noite do último domingo (5), Reginaldo Marques, presidente da Associação de Pescadores da Barrinha/Praia da Vila, e outros pescadores afixavam próximo a um dos decks de acesso ao canto da praia da Vila, em Imbituba (SC), a primeira placa de aviso sobre o início da temporada da pesca da tainha deste ano.

A placa, que foi produzida pelos próprios pescadores, já se encontra exposta no local. Segundo Marques, o acordo já havia sido feito com a Secretaria de Agricultura e Pesca da Prefeitura de Imbituba, faltando apenas a fixação da placa principal e do mastro da bandeira de sinalização por parte do órgão municipal. “Estamos nos adiantando e colocando nossa placa hoje”, comenta Reginaldo.

“Apesar de a temporada da pesca da tainha já ter iniciado em 1º de maio, ainda não trouxemos a canoa para o canto da praia, mesmo hoje tendo uma boa malha de tainha. E também porque havia muitos surfistas na água. A partir de amanhã (6), já vai estar colocada a bandeira”, afirma o presidente ao site Surfemais.

Representante dos pescadores pede a colaboração

Marques pediu a colaboração dos surfistas, e adiantou que com o mar grosso, a bandeira azul será hasteada. “Quando o mar estiver acima de 1 metro, 1,5 metro e a canoa não puder entrar, a bandeira azul vai subir e o surfe vai estar liberado. Então, pedimos a colaboração dos surfistas, uma parceria para todos juntos podemos matar uns peixes (sic) e eles poderem surfar tranquilo”, afirma.

Reginaldo Marques também comentou sobre a parceria que sempre existiu entre surfistas e pescadores na praia da Vila, onde foi implantando há décadas o primeiro sistema de bandeiramento do estado, e que serviu de modelo para outras praias. “Desde a época do seu Joaquim, falecido chefe dos pescadores em Imbituba, já tinha este sistema, e o surfista respeitava. O surfistas sempre respeitaram. Valia para a praia da Vila inteira, não só aqui no canto”, ressalta.

Reunião com a ASI nesta semana para definir temporada

Uma reunião está agendada no decorrer desta semana na Câmara de Vereadores de Imbituba para definir o transcorrer dos dois meses de pesca e bandeiramento. Reginaldo já adiantou que a proibição de esportes aquáticos valerá desde o canto da praia até a barrinha da lagoa da Bomba. “É muito bom para Imbituba esta parceria, e sempre houve respeito, já que são apenas dois meses do ano. Os outros dez meses os surfistas podem surfar sossegados né?”, comenta.

“O ponto de pesca vai daqui do canto até a Barrinha, portanto, com o mar manso até lá vai estar proibido. Se tiver peixe na área e o mar grosso, vamos ter que conversar”, completa o presidente da associação dos pescadores.

Presidente da ASI diz aguardar o convite para reunião com os pescadores

Presidente da Associação de Surf de Imbituba (ASI), Henrique de Bona, consultado pelo Surfemais, disse que a entidade ainda não foi informada sobre a reunião e que a ASI vai aguardar para comentar sobre o assunto.

“Existe um acordo firmado há muitos anos com os pescadores na praia da Vila, o sistema de bandeiras. Ele funciona, a praia é fechada quando precisa, são poucos dias, mas ela fecha”, afirma Bona.

Henrique também comentou sobre o acordo, que determina até onde o surfe é proibido, e onde ficava liberado. “Nesse acordo, apenas o canto da praia da Vila ficava fechado, os surfistas utilizam apenas o Castelinho, que vai do Marcão até o Praia Hotel. Esse era o acordo que existia, e espera-se que o seja mantido e a pesca se mantenha também. A gente entende que o pescador precisa ser respeitado, pois ele tem o direito de usufruir nesta época”, diz.

“A ASI é a favor do sistema de bandeiras. Mas, que seja algo coerente também. Se for algo até necessário, se criar uma comissão entre surfistas, pescadores e poder público, para quando houver aqueles dias de dúvidas, entre abrir ou fechar, que se tome uma decisão que fique bom pra todo mundo”, finaliza o presidente da ASI.