Alejo vertical em Sunset

Alejo Muniz executa fortes manobras e faz a maior nota entre os brasileiros na estreia no último QS 10.000 do ano, que acontece em Sunset, Havaí.

0
Alejo Muniz de olho no lip de Sunset.

Com três manobras contundentes, Alejo Muniz venceu na estreia da Vans World Cup of Surfing, com direito a marcar a maior nota entre os brasileiros no primeiro dia do evento. A última etapa do QS de nível 10.000 do ano, válida também como segunda prova da Tríplice Coroa Havaiana 2019, começou em ondas de 2 metros e séries demoradas e penteadas por um forte vento terral.

Clique aqui para ver o vídeo

Nesta segunda-feira, rolaram todas as 16 baterias da primeira fase e Alejo competiu no duelo de número 12. O brasileiro começou com uma nota fraca, mas na segunda tentativa executou três potentes manobras nas partes críticas e conquistou 7.83. A nota foi uma das maiores do dia, mas não deu tranquilidade ao brasileiro, já que ele demorou para surfar uma segunda direita boa. O havaiano Kiron Jabour pegou duas incríveis no duelo e fez bonito com 8.00 e 7.70, vencendo com o maior somatório da segunda-feira: 15.70 pontos.

Alejo sofreu a virada do havaiano Kainehe Hunt, mas logo deu o troco com um snap muito forte, seguido de uma rasgada e de uma batida chutando a rabeta por cima do lip. O combo valeu 4.90 e o segundo lugar na bateria, posição que ele não saiu mais. Kainehe ficou em terceiro e o outro havaiano, Benji Brand, em quarto.

Alejo Muniz no ataque em Sunset.

Dobradinha brasileira – O 11º confronto também teve longas calmarias e todos os quatro surfistas começaram com notas fracas. Quem conseguiu a primeira nota média foi o taitiano Tereva David, com 5.50 numa onda de três manobras, sendo as duas primeiras boas rasgadas. Quando restavam 18 minutos para o fim, Tomas usou a prioridade e pegou a primeira direita de uma série, executando duas fortes rasgadas, a segunda alongada. Thiago Camarão surfou a seguinte, executou um bom primeiro ataque, mas no segundo tentou rasgar com a mão na borda e errou. Tomas assumiu a liderança com 6.17 e Camarão foi de quarto pra terceiro com 3.50.

O australiano Dean Bowen só fez a primeira nota razoável (4.33) quando faltavam dez minutos para o término do duelo. Perto do fim, Tomas pegou uma onda pequena e colocou mais 2.17 no somatório, nota que o ajudou a continuar na frente na bateria. Logo depois, Thiago ainda pegou uma e foi até o inside, e, mesmo não tendo muitas oportunidades de manobras potentes, arrancou 4.17 dos juízes, tomando a segunda colocação de Tereva, que nos segundos finais pegou uma onda pequena e fez alguns movimentos. Ele precisava de apenas 2.17, entretanto só conseguiu 1.67.

“É um dia normal em Sunset, como sempre é difícil lá dentro, estando perfeito e consistente ou não, aqui é sempre difícil de competir. Mas temos sempre ondas clássicas no Havaí. Estou amarradão de ter passado minha bateria. Pela primeira vez eu competi com uma 5’11” em Sunset. Nos outros anos eu pensava em usar uma prancha menor, mas só desta vez eu fiz isso para tentar surfar melhor do que já fiz aqui e funcionou”, disse Tomas, que precisa de uma vitória para sonhar com o retorno à elite do surfe.

Tomas Hermes conquista uma das vitórias brasileiras o dia.

João Chianca também avançou. O surfista achou tubos e rasgou forte em paredes em pé, mas levou um susto no final, quando perdeu a liderança para o norte-americano Ian Crane e viu Keanu Asing pegar uma direita nos instantes finais e ir até o inside. Porém, a onda não rendeu momentos críticos e o havaiano terminou na quarta posição. O outro havaiano da bateria, Ocean Macedo, ficou em terceiro.

João Chianca acha tubos e vence na estreia.

Weslley Dantas fechou o dia com vitória. O brasileiro apresentou um surfe muito agressivo, vertical, e venceu com uma nota boa (6.23) e uma nota média (4.63), avançando com o havaiano Brodi Sale (2º). Os eliminados foram o norte-americano Michael Dunphy (3º) e o havaiano Noah Beschen (4º).

Mais brazucas – Apenas sete brasileiros participaram do primeiro dia da prova. O primeiro seria Wiggolly Dantas, mas o atleta sofreu uma vaca no domingo em Pipeline e resolveu não competir em Sunset por estar com dores no braço.

A atuação brazuca começou então na nona bateria, com Flavio Nakagima e Marco Fernandez. O australiano Chris Zaffis começou bem com 6.17 e mais à frente se distanciou com 7.50 pontos. A briga pela segunda vaga ficou entre os brasileiros e Tyler Newton. O havaiano encontrou melhores ondas e avançou com notas médias. Marco (3º) e Flavio (4º), que só surfaram três direitas cada, não conseguiram paredes com tamanho e potencial para manobras expressivas e foram eliminados.

Sunset funciona com ondas de 2 metros na abertura da Vans World Cup of Surfing.

Ainda restam estrear pelo Brasil os surfistas Ian Gouveia, Samuel Pupo e Luel Felipe no round 2, e Gabriel Medina, Jesse Mendes, Jadson André, Caio Ibelli, Michael Rodrigues, Yago Dora, Willian Cardoso, Alex Ribeiro, Miguel Pupo e Deivid Silva na terceira fase.

Destaque do dia – A maior nota desse primeiro dia da Vans World Cup of Surfing foi conquistada por Billy Kemper. O big rider havaiano, atual vice-campeão do Circuito Mundial de Ondas Grandes, atacou uma direita da série, começando um layback que jogou muita água pro alto e fez ainda outros bons movimentos pra arrancar 8.83 dos juízes.

Billy Kemper conquista a maior nota do dia.

Próxima chamada – A próxima chamada para o evento acontece nesta terça-feira, às 14:30h (de Brasília).

Assista às disputas ao vivo aqui no Waves.

Previsão das ondas – A previsão oficial do evento informa que o mar vai perder pressão nesta terça-feira, mas na quarta volta a ganhar força e pode ter ondas maiores que as desta segunda-feira.

World Cup of Surfing

Round 1

1 Nolan Rapoza (EUA) 9.10 x Eli Hanneman (HAV) 9.03 x Dylan Lightfoot (AFR) 6.47 x Makai McNamara (HAV) 6.16
2 Nicholas Squiers (AUS) 11.27 x O’Neil Massin (TAH) 8.90 x Aritz Aranburu (ESP) 8.40 x Ulualoha Napeahi (HAV) 7.43
3 Billy Kemper (HAV) 15.60 x Imaikalani deVault (HAV) 13.07 x Anthony Walsh (HAV) 10.73 x Kalani Rivero (HAV) 9.13
4 Finn McGill (HAV) 13.76 x Joaquin Del Castilho (PER) 13.73 x Tanner Gudauskas (EUA) 12.66 x Logan Bediamol (HAV) 8.74
5 Mihimana Braye (HAV) 13.67 x Cody Young (HAV) 8.46 x Coconut Willie (HAV) 7.13 x Reef Heazlewood (AUS) 4.64
6 Callum Robson (AUS) 12.70 x Patrick Gudauskas (EUA) 12.50 x Eithan Osborne (EUA) 10.80 x Michael O’Shaughnessy (HAV) 6.33
7 Jordy Maree (AFR) 11.50 x Makuakai Rothman (HAV) 9.13 x Evan Valiere (HAV) 8.63 x Charly Quivront (FRA) 8.53
8 Cole Houshmand (EUA) 9.50 x Gavin Gillette (HAV) 6.87 x Cooper Chapman (AUS) 6.23 x Jackson Butler (EUA) 5.94
9 Chris Zaffis (AUS) 14.00 x Tyler Newton (HAV) 9.57 x Marco Fernandez (BRA) 5.30 x Flavio Nakagima (BRA) 4.36
10 Tomas Hermes (BRA) 8.34 x Thiago Camarão (BRA) 7.67 x Tereva David (TAH) 7.17 x Dean Bowen (AUS) 5.60
11 Ian Crane (EUA) 11.10 x João Chianca (BRA) 10.47 x Ocean Macedo (HAV) 9.87 x Keanu Asinng (HAV) 9.80
12 Kiron Jabour (HAV) 15.70 x Alejo Muniz (BRA) 12.73 x Kainehe Hunt (HAV) 9.83 x Benji Brand (HAV) 8.16
13 Luke Gordon (EUA) 11.50 x Billy Stairmand (AUS) 10.87 x Tanner Gudauskas (HAV) 7.84 x Robert Patterson (HAV) 4.50
14 Kalani Ball (AUS) 11.07 x Dusty Payne (HAV) 8.90 x Vasco Ribeiro (POR) 7.37 x Shayden Pacarro (HAV) 6.53
15 Sheldon Simkus (AUS) 10.53 x Tristan Guilbaud (FRA) 10.53 x Vicente Romero (ESP) 9.27 x Kala Willard (HAV) 6.65
16 Weslley Dantas (BRA) 10.86 x Brodi Sale (HAV) 10.20 x Michael Dunphy (EUA) 8.00 x Noah Beschen (HAV) 5.87

Clique aqui para ver as próximas baterias