Abertura adiada

Início do Rip Curl Pro Argentina é adiado para quarta-feira em Mar del Plata.

0
Wesley Santos defende o título do Rip Curl Pro Argentina 2018.

Com a previsão de ondas melhores para os próximos dias, o início do Rip Curl Pro Argentina foi adiado na terça-feira em Mar del Plata. No total, 81 surfistas de oito países vão participar da sétima edição da única etapa do Circuito Mundial na Argentina. São 58 representantes de cinco nações divididos nas dezesseis baterias da primeira fase do QS 1500 masculino e 23 meninas de sete países nos oito confrontos da rodada inicial do QS 1000 feminino. A primeira chamada da quarta-feira será as 9h00 na Playa Grande para as duas categorias.

A decisão pelo adiamento foi anunciada na segunda reunião da comissão técnica do Rip Curl Pro Argentina para analisar as condições do mar, realizada às 12h00 da terça-feira em frente ao Biologia Surf Club, onde está instalada a arena do evento na Playa Grande de Mar del Plata. Esta é a terceira etapa do WSL Qualifying Series organizada pela WSL South America este ano, para os homens disputarem pontos no ranking mundial e no regional que define o campeão sul-americano da temporada. Já para as mulheres, será a primeira de 2019 no continente.

“A direção de prova decidiu adiar o evento hoje (terça-feira) na segunda chamada do dia, por conta que as ondas não melhoraram nem na maré cheia e ainda teve o agravante que o vento norte/nordeste aumentou, prejudicando ainda mais a formação das ondas”, explicou o Tour Manager da WSL South America, Roberto Perdigão. “Teremos uma nova chamada amanhã às 9h00 da manhã para ver como vai estar o mar e a possibilidade de iniciar a competição, porém estamos vendo que a previsão está melhor mais para a quinta-feira, indicando boas ondas também para a sexta-feira, sábado e domingo”.

Maximiliano Marinucci
Vencedor da prova 2017, Thiago Camarão marca presença na etapa.

Um dos representantes dos surfistas que participou das reuniões da comissão técnica na terça-feira foi o paulista Thiago Camarão, que já venceu o Rip Curl Pro Argentina em 2017, no mesmo ano que conquistou o título sul-americano da WSL South America. Ele está escalado na primeira bateria com mais dois brasileiros, Alax Soares e Gabriel André. O Brasil ganhou todas as seis edições da etapa argentina e é maioria entre os 58 participantes deste ano, com 33 surfistas, contra dezessete argentinos, quatro chilenos, três peruanos e um costa-riquenho.

Entre as mulheres, a equatoriana Dominic Barona está invicta em Mar del Plata, vencendo as duas únicas vezes que teve competição feminina no Rip Curl Pro Argentina, em 2017 e 2018. Já é quase uma tradição os ganhadores desta etapa se sagrarem campeões sul-americanos no final do ano. Foi assim com Alex Ribeiro em 2014, Robson Santos em 2015, Thiago Camarão em 2017 e Wesley Santos em 2018. Também no ano passado, Dominic Barona conseguiu seu segundo título sul-americano na temporada iniciada com o bicampeonato em Mar del Plata.

Mimi Barona também está escalada na primeira bateria do Rip Curl Pro Argentina, com a argentina Catalina Mercere e a brasileira Julia Duarte. O Brasil também é maioria entre as 23 inscritas no evento que abre a disputa pelo título sul-americano de 2019 em Mar del Plata, com nove surfistas. A Argentina vem a seguir com seis competidoras e a lista dos sete países representados na categoria feminina prossegue com duas peruanas, duas chilenas, duas norte-americanas, uma mexicana e uma equatoriana, a defensora do título, Dominic Barona.