Surfe marcha para Paris

Surfe, skate, escalada e breakdance podem fazer parte dos Jogos Olímpicos de 2024, em Paris, de acordo com presidente do comitê organizador.

0
Franceses podem receber o surfe nos Jogos Olímpicos de 2024.

O surfe é uma das modalidades sugeridas para os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris, França.

A notícia foi divulgada nesta quinta-feira, pelo presidente do comitê organizador, Tony Estanguet.

Até o momento, o esporte está confirmado apenas no Japão, que recebe os Jogos Olímpicos de 2020.

Em cerimônia realizada em Paris, Estanguet adiantou que o surfe, o skate, a escalada e o breakdance devem ser convidados para as Olimpíadas de 2024.

“Queremos nos ligar a esportes que são disputados em todo o mundo para darmos aos Jogos uma dimensão mais urbana, ligada à natureza, mais artística”, disse o presidente do comitê.

A lista sugerida de novos esportes, incluindo o surfe, foi oficialmente apresentada ao COI (Comitê Olímpico International) e será revista internamente. Os novos esportes receberão aprovação provisória durante a 134ª sessão do COI em Lausanne, no dia 24 de junho, antes de receber a confirmação formal do Conselho Executivo do COI, em dezembro de 2020, depois dos Jogos de Tóquio 2020 – onde o surfe fará sua histórica estreia olímpica.

A notícia foi muito comemorada por Fernando Aguerre, presidente da International Surfing Association (ISA) e personagem de extrema importância para a inclusão do surfe como modalidade olímpica. “Hoje é outro marco incrível na onda olímpica do surfe. Estamos entusiasmados e satisfeitos por Paris 2024 incluir o surfe em sua lista de esportes propostos para os Jogos Olímpicos de 2024. Este anúncio nos leva um passo mais perto de nossa meta de inclusão olímpica a longo prazo”, diz Aguerre.

Recentemente, a CEO da World Surf League, Sophie Goldschmidt, revelou que a WSL tem a intenção de construir duas piscinas de onda em Paris, na capital francesa. Com um histórico de divergências com a ISA, a Liga vem tentando manter uma boa relação com Aguerre e os dirigentes das confederações internacionais para também ter um papel fundamental no surfe olímpico.

Uma das metas da WSL é que as disputas aconteçam em ondas artificiais – o que alavancaria um dos principais projetos da Liga, que tem a Kelly Slater Wave Company como subsidiária. No ano passado, a World Surf League também confirmou que estava construindo uma piscina de ondas no Japão. Porém, a ISA anunciou que a competição será disputada em Tsurigasaki Beach, em Chiba, pico localizado a 60 quilômetros da capital japonesa.