Medina é vice

Gabriel Medina leva virada de Owen Wright e fica com o vice-campeonato do Tahiti Pro; Filipe Toledo é o novo líder do ranking mundial.

0
Gabriel Medina é vice-campeão do Tahiti Pro.

Pelo segundo ano consecutivo, Gabriel Medina e Owen Wright decidiram o título do Tahiti Pro, mas desta vez o australiano levou a melhor nos canudos de Teahupoo.

Clique aqui para ver as fotos

Foi a quinta final de Medina em oito participações na etapa taitiana. O brasileiro buscava a sua terceira vitória na competição e a liderança do ranking mundial, que agora pertence a Filipe Toledo.

A final começou tensa, com Medina usando a prioridade em uma fraca e Owen fracassando ao tentar passar por dentro de um canudo. Detentor da prioridade, o brasileiro viu o adversário sair na frente com uma onda intermediária avaliada em 6.17, mas respondeu forte com 7.83 e ampliou ainda mais a vantagem com 7.10.

Depois de cometer alguns erros na sequência, Owen finalmente reagiu com 7.73, passando a buscar 7.21. A virada veio nos minutos finais, quando Gabriel tinha a prioridade. O australiano se livrou do adversário e pegou um cilindro embaixo do pico, mandando 9.17 para complicar a situação do adversário, que passou a precisar de 9.08.

Owen Wright leva a melhor em revanche com o brasileiro.

Enquanto Medina esperava no outside, ainda deu tempo de Owen pegar outra onda intermediária perfeita, obter 7.90 e deixar Medina precisando de 9.24.

“Eu não poderia estar mais feliz agora”, disse Owen, em um momento emocionante após a sua vitória. “Este foi um evento incrível. Hoje cedo eu disse que queria surfar contra o Gabriel na final, e nós dois conversamos também no ano passado. Eu tive essa estranha sensação de que isso aconteceria novamente. As ondas estavam muito perfeitas hoje, e compartilhar isso com um ótimo companheiro foi muito especial”.

Foi a quarta vitória de Owen na elite mundial. Em dezembro de 2015, o australiano sofreu um grave acidente em Pipeline e ficou afastado das competições por um ano. “Eu não ganho um evento desde aquela etapa em Snapper (2017)”, continuou Owen. “E foi muito cedo no meu processo de recuperação. Desde então, tem sido para cima e para baixo, para cima e para baixo, e agora, nos últimos meses, finalmente, foi para cima e para cima e para cima. É o momento que eu precisei. Eu queria ganhar este evento por muito tempo, minha família está aqui comigo e tudo parece certo. Estou muito feliz por conseguir a vitória”.

Gabriel Medina e Owen Wright celebram mais uma final em Teahupoo.

Em 2018, Owen Wright enfrentou Gabriel Medina na final e liderou a bateria decisiva até os últimos minutos, mas levou a virada de Medina na última onda e saiu da água frustrado com o vice-campeonato.

Este ano, Medina e Owen foram os autores das duas únicas notas 10 da competição. O brasileiro obteve a nota máxima na última terça-feira, enquanto o australiano roubou a cena nesta quarta, diante de Jadson André.

“Quando você vem aqui e recebe um 10 na sua primeira bateria do dia, isso realmente coloca as coisas em movimento”, falou Owen. “Eu senti que era o meu dia. Isso fazia parecer que as coisas estavam vindo na minha direção, e o que eu precisava fazer era colocar a cabeça para baixo e continuar. Estou muito feliz por vencer”, finalizou o australiano.

Owen conquista a sua quarta vitória na elite mundial, a primeira em Teahupoo.

Apesar da derrota, Gabriel Medina ficou feliz pela festa do amigo. “A final hoje foi incrível”, comentou Gabriel. “Tivemos boas ondas em todo o evento, e Owen realmente merecia isso. Estou feliz por ele e fiquei feliz por estar na final com ele novamente. No ano passado eu venci e hoje ele me bateu. Isso é incrível e eu adoro competir contra ele. Estou feliz por ficar em segundo”, revelou o brasileiro.

Com o vice-campeonato, Medina ganhou três posições no ranking e agora aparece em quarto, a pouco menos de 2.000 pontos do líder, Filipe Toledo. “A partir daqui, estou pensando no título mundial. Eu tenho que aproveitar esse momento e usá-lo. Foi difícil encontrar o ritmo este ano, mas agora sinto que estou lá”, admitiu Medina.

O último dia do Tahiti Pro teve ainda a presença dos brasileiros Adriano de Souza e Caio Ibelli. Adriano foi infeliz em sua estratégia contra o sul-africano Jordy Smith, abrindo mão da prioridade em uma onda que rendeu 9.23 ao adversário. Já Ibelli travou uma dura batalha com o havaiano Seth Moniz e chegou a obter a maior nota da bateria (8.83), mas não conseguiu uma segunda nota expressiva para avançar às semifinais.

Confira mais detalhes em nossas próximas atualizações.

View this post on Instagram

Congratulations @owright, winner of the 2019 #TahitiPro 🏆 @hurley

A post shared by World Surf League (@wsl) on

View this post on Instagram

10-point ride. What a way to kick off Finals Day, @owright. 👊 Watch the #TahitiPro Pres. By @hurley live now on worldsurfleague.com, the WSL app, WSL Facebook Live and on FOX Sports 2 (U.S. Only)

A post shared by World Surf League (@wsl) on

Resultado do Tahiti Pro 2019

1 Owen Wright (AUS)
2 Gabriel Medina (BRA)
3 Seth Moniz (HAV)
3 Jordy Smith (AFR)
5 Jadson André (BRA)
5 Adriano de Souza (BRA)
5 Caio Ibelli (BRA)
5 Jeremy Flores (FRA)

Top 5 do Championship Tour 2019 depois de 7 etapas

1 Filipe Toledo (BRA) 36.600
2 Jordy Smith (AFR) 35.450
3 Kolohe Andino (EUA) 35.175
4 Gabriel Medina (BRA) 34.695
5 John John Florence (HAV) 32.690