Medina é campeão

Gabriel Medina vira bateria na última onda e vence o Tahiti Pro em Teahupoo.

0
Gabriel Medina vira bateria na última onda e vence o Tahiti Pro em Teahupoo.

Com uma virada emocionante nos instantes finais, o brasileiro Gabriel Medina levou o título do Tahiti Pro, etapa do CT disputada em Teahupoo. Na decisão, Medina derrotou o australiano Owen Wright, que liderou o placar durante boa parte do tempo, mas viu a vitória escapar na última série da bateria.

“Estou muito feliz por ganhar aqui novamente e, primeiro, quero agradecer a Deus”, disse Medina. “Eu vim aqui e treinei muito, estava esperando pela vitória. Eu amo o Taiti e tive ótimas finais aqui. Eu ganhei aqui antes, tive dois segundos lugares e outra vitória agora. Eu tenho uma ótima família aqui, o que é incrível. Agora eu posso começar a pensar em ganhar um título mundial. Eu acho que tudo é possível. Há alguns eventos para ir e eu só quero continuar dando o meu melhor”, declarou o campeão.

No início da bateria, Medina lutou para ficar melhor posicionado nas esquerdas, mas a primeira boa onda foi surfada por Owen, que viu uma série mais à direita da bancada e conseguiu tomar distância do brasileiro, saindo na frente com 6.50.

Logo depois, Medina mandou um aéreo reverse com alto grau de dificuldade e trabalhou bem a onda até a finalização, mas recebeu apenas 6.17.

No decorrer do confronto, Medina ampliou vantagem com 3.93 em uma valinha extensa, mas sem manobras expressivas.

Owen Wright termina em segundo na prova.

Owen usou a prioridade em uma onda que aparentava bom potencial e lutou para passar por dentro de um longo tubo, mas a seção foi bem espremida, devido à influência do vento que entrou em cena. Os juízes deram 4.20 e o australiano virou o placar, deixando Medina a apenas 4.54 pontos da vitória.

O brasileiro investiu em um pequeno tubo, mas acabou espremido pela fechadeira. Sem esperar muito, ele partiu para um aéreo rodando na onda de trás, mas novamente foi infeliz na tentativa.

O tempo foi passando e a situação ficou ainda mais dramática no outside, com Medina surfando ondas ruins e Owen mantendo a prioridade.

Com a vitória, Medina assume a vice-liderança do ranking mundial.

A onda da vitória veio nos minutos finais. Owen usou a prioridade na primeira onda e até conseguiu trocar sua segunda melhor nota por 5.57, mas logo atrás veio Gabriel passando por dentro do cilindro e virando o placar em Teahupoo com 7.33 pontos.

“Eu estava apenas orando, ‘Deus me dê mais uma, mais uma’, e Owen (Wright) teve que ir na primeira, mas, se ele não fosse, eu iria naquela”, disse Medina. “Estou muito feliz agora, mas sei que Owen tem a mesma sensação que eu tive no ano passado, o que foi horrível para mim, mas é uma competição e é por isso que amamos competir. Eu me sinto abençoado por ter ficado nos picos certos neste evento e agora vou aproveitar esse momento, e então vou focar no próximo evento”, finalizou Medina.

O australiano lamentou a virada, mas parabenizou o amigo pelo triunfo. “É uma dor, mas é bom estar de volta à final”, contou Wright. “Agora, é difícil ficar em segundo, mas tem sido uma semana incrível. Tudo aconteceu nas últimas duas ondas. Eu tomei a decisão errada de pegar a onda da frente e é isso que dói mais. Estou feliz por Gabby, uma merecida vitória para ele depois que Julian (Wilson) lhe tirou o título no ano passado. Parabéns a Gabby”, reconheceu o australiano.

Com a vitória, Medina assume a vice-liderança do ranking mundial com 35.685 pontos.

Filipe Toledo chega à semifinal e segue na liderança do Tour.

Derrotado por Owen Wright na semifinal, Filipe Toledo segue isolado na liderança, agora com 41.985 pontos.

“Eu me sinto muito feliz e orgulhoso de mim mesmo com todo o trabalho duro que eu coloquei aqui”, disse Toledo. “Estou no Tour há seis anos e este é um daqueles anos em que tudo está dando certo, tudo está acontecendo. Estou apenas me certificando de tirar proveito e fazer o trabalho. É importante manter o foco no que eu tenho feito – meu treinamento, meu surfe, e não me preocupar com o mundo exterior”, diz Filipe, que começou o dia barrando o sul-africano Michael February, mas caiu diante de Owen na semi.

O terceiro colocado no ranking é o australiano Julian Wilson, com 32.380, seguido pelo brazuca Italo Ferreira, que tem 30.160 pontos.

Italo não conseguiu entrar em sintonia com as ondas nas quartas e foi eliminado por Gabriel Medina, mas segue firme na briga pelo título da temporada. “Fico feliz em fazer as quartas de final mesmo com a minha lesão, e acho que é um resultado incrível”, disse Ferreira. “Espero ficar mais forte do que nunca e ainda temos quatro eventos, então estou pronto. Espero que eu possa aproveitar melhor o resto do ano e estou muito animado com o Surf Ranch para ver o que posso fazer lá”, revelou o quarto do ranking.

A próxima etapa do Championship Tour acontece de 6 a 9 de setembro, na Califórnia (EUA), nas ondas artificiais do Surf Ranch, piscina desenvolvida pela Kelly Slater Wave Company.

Mesmo lesionado na coxa, Italo Ferreira chega às quartas e fica em quinto na etapa.

Baterias deste domingo

Quartas de final

1 Filipe Toledo (BRA) 11.43 x 8.60 Michael February (AFR)
2 Owen Wright (AUS) 16.00 x 9.57 Wade Carmichael (AUS)
3 Gabriel Medina (BRA) 13.10 x 7.57 Italo Ferreira (BRA)
4 Jeremy Flores (FRA) 13.34 x 5.73 Kolohe Andino (EUA)

Semifinais

1 Owen Wright (AUS) 12.60 x 10.03 Filipe Toledo (BRA)
2 Gabriel Medina (BRA) 15.17 x 6.10 Jeremy Flores (FRA)

Final

Gabriel Medina (BRA) 13.50 x 12.07 Owen Wright (AUS)

Ranking do Championship Tour

1 Filipe Toledo (BRA) – 41.985 pontos
2 Gabriel Medina (BRA) – 35.685
2 Julian Wilson (AUS) – 32.380
4 Italo Ferreira (BRA) – 30.160
5 Wade Carmichael (AUS) – 26.550
6 Owen Wright (AUS) – 24.740
6 Jordy Smith (AFR) – 23.575
8 Michel Bourez (TAH) – 22.705
9 Willian Cardoso (BRA) – 21.825
10 Kolohe Andino (EUA) – 21.070
11 Mikey Wright (AUS) – 20.865
12 Jeremy Flores (FRA) – 19.945
13 Griffin Colapinto (EUA) – 18.700
14 Michael Rodrigues (BRA) – 18.605
15 Adrian Buchan (AUS) – 18.580
16 Kanoa Igarashi (JAP) – 18.445
17 Ezekiel Lau (HAV) – 17.455
18 Conner Coffin (EUA) – 17.360
19 Adriano de Souza (BRA) – 16.515
20 Frederico Morais (POR) – 15.525
21 Sebastian Zietz (HAV) – 13.035
21 Yago Dora (BRA) – 13.035

Outros brasileiros:

23 Tomas Hermes (BRA) – 12.340
28 Jessé Mendes (BRA) – 9.955
31 Ian Gouveia (BRA) – 7.465
35 Wiggolly Dantas (BRA) – 3.750
36 Miguel Pupo (BRA) – 3.345
37 Caio Ibelli (BRA) – 2.940
39 Alejo Muniz (BRA) – 1.665
43 Deivid Silva (BRA) – 420