Toledo eliminado

Líder do ranking mundial, Filipe Toledo cai na terceira fase do Quiksilver Pro France.

0
Filipe Toledo cai na terceira fase do Quiksilver Pro France.

Atual líder do ranking mundial, o brasileiro Filipe Toledo caiu na terceira fase do Quiksilver Pro France e está fora da etapa francesa do Tour. Com a derrota, Filipe tem sua liderança seriamente ameaçada pelo compatriota Gabriel Medina, que precisa no mínimo chegar às semifinais da prova.

Clique aqui para ver as fotos

Filipe travou uma batalha eletrizante com o australiano Ryan Callinan e os dois atletas registraram as duas maiores pontuações da etapa até o momento, mas o brasileiro levou a pior. Callinan arrancou 7.93 e 8.87 dos juízes, contra 7.60 e 9.00 de Filipe Toledo.

“Eu estava bastante perdido naquele momento, para ser sincero”, disse Callinan. “Estava numa situação complicada na bateria e as duas ondas que vieram para mim foram bonitas, sem balanço. Quando eu estava no Tour, tive um monte de grandes séries como essa, mas nunca pareciam seguir meu caminho. Parece estar mudando neste evento, então é ótimo!”, comemorou o australiano.

Filipe lamentou a derrota, mas reconheceu a boa apresentação do adversário. “É triste e muito difícil perder assim, mas tenho muito respeito pelo Ryan (Callinan) e ele surfou bem também para me vencer”, disse Filipe Toledo. “Estou no circuito há seis anos, mas ainda cometi alguns erros de novatos no Tour. Esse meu erro de prioridade (de escolha da próxima onda) me custou a bateria e provavelmente a lycra amarela (do Jeep Leaderboard de número 1 no ranking). Mas, vou continuar focado para lutar pelo título mundial até o fim”.

Ryan Callinan vira bateria e rouba a cena na terceira fase.

Vice-líder do Tour, Gabriel Medina entrou em ação na sequência e derrotou o compatriota Wiggolly Dantas. Medina foi melhor desde o início da bateria e venceu com notas 5.00 e 6.33, contra 4.00 e 4.37 de Guigui.

Com o resultado, o vice-líder do Tour ganha força na briga pela liderança da temporada. Para tomar a lycra amarela de Filipe, Medina precisa chegar no mínimo às semifinais da etapa francesa.

“Foi muito difícil lá fora e eu estava meio perdido”, disse Medina. “Eu assisti a todo mundo entubando e mandando grandes aéreos o dia todo e parecia muito divertido, mas nós não tivemos muita sorte naquela bateria. É incrível ver todo o apoio aqui, especialmente quando você não está em casa. Filipe (Toledo) fora é obviamente bom para a minha própria campanha, mas como já disse, estou realmente focado em mim e quero ir bem aqui”, declarou o vice-líder do ranking.

A terceira fase começou com uma bateria polêmica. O brasileiro Italo Ferreira e o australiano Matt Wilkinson travaram uma batalha acirrada, com o australiano levando a melhor nos instantes finais.

Wilko tinha 7.43 e 5.00 nas duas melhores ondas, contra 7.27 e 6.33 de Italo. Precisando de 6.17, o australiano conseguiu a virada com 6.47 em uma direita, mas o brasileiro respondeu com uma boa esquerda. Os juízes deram 6.57 a Italo, que perdeu por uma diferença de apenas seis centésimos.

Italo Ferreira perde em confronto com resultado polêmico a favor de Matt Wilkinson.

Também em baterias com resultados apertados, o Brasil perdeu Yago Dora e Ian Gouveia na seqüência.

Yago caiu diante do norte-americano Conner Coffin (10.43 x 10.27), enquanto Ian foi superado pelo sul-africano Jordy Smith (10.50 x 10.30).

A primeira vitória brasileira veio com Willian Cardoso no quarto confronto, também com resultado apertado. O brasileiro conseguiu a virada na penúltima onda, avaliada em 4.83, totalizando 11.13, contra 11.07 do australiano Connor O´Leary.

Em seguida, Adriano de Souza imprimiu um forte ritmo no outside e atacou bem as esquerdas para obter 6.50 e 8.70 nas duas melhores ondas, deixando o australiano Adrian Buchan em situação complicada, precisando de 9.43.