Arpex prime

Swell faz o Arpoador bombar por vários dias e associação local promove evento especial em altas ondas.

0

Uma consistente ondulação de sudeste atingiu o litoral carioca no fim de julho, proporcionando uma semana de altas ondas no lendário pico do Arpoador. A Associação dos Surfistas do Arpoador – Arpoador Surf Club – ASC aproveitou a oportunidade para chamar um dos eventos mais tradicionais da cidade, o OsklenSurfing Arpoador Clássico, valendo como etapa prime do circuito local.

Na quarta-feira anterior ao evento, as condições começaram a se alinhar e já no fim de tarde rolou um free surf de respeito. Porém, foi na quinta-feira que as condições ficaram épicas. Enquanto em Maricá (RJ) acontecia uma etapa do Estadual do Rio, no Arpoador quebravam tubos quadrados com vento terral, para delírio da galera local.

Para não conflitar com o evento da FESERJ, e aproveitando que as previsões indicavam um reforço na ondulação durante o fim de semana, a direção de prova fez a chamada para domingo (21) e segunda-feira (22), permitindo assim que os atletas e os free surfers pudessem treinar à vontade, antes do início da prova.

Máquina ligada para o Arpoador Clássico 2019.

Mais um clássico – Mais uma vez as previsões se confirmaram e as condições fizeram jus ao nome do evento. O sólido swell de sudeste / leste-sudeste, combinado com o fundo ainda muito bom formado por uma ressaca de sudoeste, ligou a máquina de esquerdas do Arpex por mais de cinco dias consecutivos. Sol e ventos favoráveis completaram o cenário perfeito para a competição mais tradicional do berço do surfe carioca.

Além de só acontecer em condições especiais, este campeonato é muito aguardado, pois tem um formato de competição diferenciado nas categorias Open e Grand Master, nas quais todos os atletas entram na água nos dois dias de competição (somando 70 minutos de surfe), computando suas quatro melhores ondas. Os quatro primeiros dentre todos os participantes são classificados para a final, onde somam suas duas melhores ondas à média da 1ª fase. É um formato de pontos corridos que vem premiando ao longo dos anos aqueles que realmente se destacam durante todo o evento.

Nova geração leva a melhor – Na Open, categoria principal do circuito e cujo campeão do ranking 2019 será premiado com uma surf trip a Mentawai no barco Maki Boat, a final foi composta por dois surfistas da nova geração, o local Anderson “Picachú” e o atleta da Rocinha / São Conrado “Popó”, e dois veteranos locais que competiram profissionalmente nos anos 90, Bruno Coutinho e Leonel Brizola.

Anderson Picachu se deu bem no Arpoador Clássico 2019.

Vencedor do Arpoador Clássico 2009, Bruno Coutinho fez a sua parte para voltar ao topo do pódio dez anos depois, surfando com mais força e inversão que os demais finalistas. Porém, os juízes valorizaram as rasgadas mais alongadas de Picachú, que acabou se consagrando campeão da primeira e mais importante etapa do ano, colocando o primeiro pé no convés do Maki Boat. Em segundo na final, tendo valorizada a maior fluidez e velocidade com que surfou as suas ondas, ficou o polivalente surfista de São Conrado, Popó. E completando o pódio ficou Leonel Brizola, que voltou a mostrar um pouco do surfe que o consagrou como um dos melhores do Arpoador no fim dos anos 90 e início de 2000.

Vale mencionar o surfe sempre vistoso de outro ex-profissional e hoje instrutor de surfe local, Marcelo Bispo “Preto-Loro”, que ficou de fora da final por apenas 1 centésimo.

Bruno Coutinho atacou as esquerdas com vontade.

O “local” de Macaé – Na Grand Master (40+) quem levou a melhor foi um surfista de Macaé (RJ) Nando Madalena, que surfa no Arpoador apenas nos campeonatos do ASC, mas, que pela forma elegante e pelas linhas que desenha nas ondas, parece ter nascido naquelas pedras. Em segundo ficou o big rider local Evaristo Ferreira, que sempre se destaca quando as ondas sobem e exigem um surfe mais na borda.

Completaram a final os amigos Betinho Deng (3º), com o surfe afiado após uma longa surf trip no México, e Pedro Peixoto (4º), atual vice-campeão da categoria.

Nando Madalena apresentou seu belo estilo e venceu.

O “novato” Bocão – A fim de “desafogar” a categoria Grand Master e dar mais chances de competição aos atletas com mais de 50 anos, neste ano a associação do Arpoador resolveu adicionar mais uma categoria ao circuito local, a Grand Kahuna (50+). E nada melhor que estrear com uma vitória convincente de um dos maiores ícones do surfe local, o legend Ricardo Bocão.

E Bocão não teve uma tarefa fácil para superar o Marcelo Boscoli (2º), que nos últimos anos esteve nas cabeças da categoria Grand Master. Mas, o apresentador do Woohoo estava inspirado… Inscreveu-se nas duas categorias e botou pra baixo nas maiores, sempre voltando correndo pela areia para entrar pela pedra. Parecia um garoto amarradão com as condições. Na verdade, ele continua um garoto, mas, com a experiência de um veterano. Completaram o pódio os locais Antônio Buchaúl (3º) e Gustavo Capanema (4º).

Ricardo Bocão atacou o lip do Arpex.

Tetracampeão inicia campanha para o Penta – Sem a presença do atual campeão do Circuito, Roni Veloso (em pronta recuperação de problemas de saúde), os veteranos da categoria Legends Longboard foram para a água em busca dos 1.200 pontos oferecidos para o campeão.

E quem colocou pra baixo nas maiores e levou a melhor foi o maior campeão da categoria, Roberto Coelho (1º), deixando Renato Moura em segundo, Luís Leal em terceiro, e Gian Cacciola em quarto.

Coelho dominou as canhotas.

Superação – Superação foi o nome do jogo na categoria feminina. E as oito meninas / mulheres tiveram de encarar seus medos já entrando no mar, quando uma série das grandes varreu o lineup. Passado o susto inicial, elas tiveram de superar seus limites para colocar pra baixo nas ondas que quebravam fortes e rápidas naquele momento. Todas representaram muito bem o surfe feminino!

Mas, uma delas ali tinha algo mais a superar… E não foi um strep arrebentado logo na entrada que a fez ter de voltar até a areia e entrar sozinha depois das outras. Ariane Mateik tinha de superar uma contusão grave (fratura) no tornozelo que a deixou dois meses fora d’água. Não sabia nem se ia conseguir surfar naquelas condições. Não só surfou como pegou as melhores ondas, vencendo com folga. Superação é o nome do jogo!

Completaram o pódio Letícia Moraes (2ª), a atual campeã da categoria Mari Taboada (3ª), e a estreante Carolina Nunes (4ª).

Ariane Mateik foi a melhor entre as meninas.

Depois da entrega de prêmios, elas esticaram a comemoração e foram tomar uma gelada na Galeria River. Mais do que justo, elas tinham muito o que comemorar! Tiveram o Arpoador Clássico só para elas e deram conta do recado, ganhando mais um grau no surfe!

Próxima etapa – O período de espera da próxima etapa do circuito já está aberto, e nesta teremos também as categorias de base (Sub 12, Sub 14, Sub 16 e Escolinha). Fiquem atentos à chamada!

O Arpoador Surf Club agradece a todos que ajudaram a viabilizar este evento, aos atletas e à nossa equipe de trabalho (staff): Guilherme Aguiar (organizador/diretor de prova); Magno Mexicano (produção); Felipe Baltazar (árbitro-chefe); Guguinha Malaquias (árbitro-chefe); Paulo Dolabella (árbitro), Daniel Hardman (árbitro); Fred Baltazar (árbitro); Jefferson Cardoso (árbitro); Pablo Souza (árbitro); Ewerton Marques (spotter); Henrique Prates (locutor); Gilberto Pereira (locutor); Roberto Montilho Mé (beach-marshall); Alexandre Silva Rascunho (técnico de som); Jean Carlos (segurança de água); Ítalo Scooby (segurança de água); Bimbo (apoio); Rodrigo Carvalho Tico (apoio); Claudio Franco (webcast/videomaker); Ana Paula Vasconcelos (fotógrafa); Bárbara Becker (fotógrafa), e a toda a galera local que apoiou e prestigiou. Muito obrigado!

Resultados

Open

1 Anderson Picachú 1200 pontos
2 Popó 1080
3 Bruno Coutinho 972
4 Leonel Brizola 875

Grand Master

1 Nando Madalena 1200
2 Evaristo Ferreira 1080
3 Betinho Deng 972
4 Pedro Peixoto 875

Grand Kahuna

1 Ricardo Bocão 1200
2 Marcelo Boscoli 1080
3 Antonio Buchaúl 972
4 Gustavo Capanema 875

Legends Longboard

1 Roberto Coelho 1200
2 Renato Moura 1080
3 Luis Leal 972
4 Gian Cacciola 875

Feminino

1 Ariane Mateik 1200
2 Letícia Moraes 1080
3 Mari Taboada 972
4 Carolina Nunes 875

Para acessar os resultados completos e as notas das baterias, clique aqui.

O OsklenSurfing Arpoador Clássico 19 foi uma realização da associação dos surfistas do Arpoador – Arpoador Surf Club – A.S.C. em parceria com a OsklenSurfing e apoio da Maki Boat, Silverbay, Boards Co, Acquatic, Eklo Water, Cerveja Praya, Artesanal Produtor Naturais, Juçaí Orgânico, Kilhas, Sons Of A Beach, Nivana e Miramar Surf Camp.

Apoio institucional: Instituto E, FESERJ, e Superintendência Regional da Zona Sul.

Agradecimentos: Casa2imagem, Prefeitura do Rio, 3º SGMAR, 14ª Delegacia De Polícia Civil, 23º Batalhão De Polícia Militar, e Favela Surf Clube.

Saiba mais sobre o ASC em: Arpoadorsurfclub.com