Barrinha liga a máquina

Dudu Pedra e José Otávio Carvalho partem de Itacoatiara em busca das ondas nervosas da Barrinha, em Saquarema (RJ).

0

O swell apontava ondas acima de 3 metros. O dia anterior já tinha proporcionado condições nervosas no Pampo, em Itacoatiara (RJ). Tirar os bodyboarders Dudu Pedra e José Otávio Carvalho de Itacoá em dias como esse é quase uma missão impossível, mas partiu do próprio Dudu a ideia de se jogar na Barrinha de Saquarema (RJ).

“O Marcos Monteiro sempre me chama pra pegar essas ondas da Barrinha nos dias grandes. Para também provar outros picos é preciso fazer esse sacrifício de sair de Itacoatiara”, diz Dudu.

Amanheceu e tudo parecia cooperar. Itacoatiara não estava bom e Dudu e Otávio se encontraram com o fotógrafo Aporé de Paula logo cedo. Marcos já tinha mandado o report: “Está demorando, mas tem umas boas!”.

Quando chegaram, Aporé se posicionou no melhor ângulo para as fotos, enquanto Dudu e Otávio foram sedentos para a água. Mas Saquarema é muito diferente de Itacoatiara. “As ondas te prendem no inside. É muito difícil varar essa arrebentação”, afirma José Otávio, que logo perdeu a paciência e foi entrar pelo lugar mais suicida.

Colado com o pico da Barrinha tem um canal, mas há pedras por toda parte e as séries estavam gigantes. Mesmo assim, Otávio se jogou na hora certa e conseguiu varar. Já Dudu, quando ia atrás do Otávio, viu seu amigo Wagner Beta no jet-ski vindo até o inside oferecer uma carona. Enfim, os dois chegaram juntos no outside!

O mar estava imenso! Os dois estudaram um pouco a onda e logo já estavam se jogando nas maiores. Eles estavam bem à vontade buscando os tubos que mais pareciam cavernas e manobraram como se estivessem surfando ondas pequenas!

O fotógrafo Aporé de Paula registrou toda a caída, inclusive de locais como Marcos Monteiro e João Chumbinho, que deram aula de como surfar nessas condições. Para acompanhar o trabalho do fotógrafo, siga o perfil @aporedepaula no Instagram.