Missão strike em Jaconé

Fotógrafo Tony D’Andrea parte com surfistas de Itacoatiara para a laje do Caboclo e registra sessão nas direitas de até 12 pés.

0

Em tempos de mudanças climáticas, o maior swell do ano encostou no litoral carioca quase no verão. A expectativa era grande, já que a ondulação chegaria com pouco vento e vários picos poderiam funcionar. Por volta das 5:30h, Gabriel Sampaio, Alexey Wanick, Marcelo Ribeiro, Guttemberg Goulart e Pedro Menezes checavam as condições no Shock e na praia. Itacoatiara amanhecia com “morning sickness”, sem condições de surfe.

Enquanto isso, em Saquarema, Marcos Monteiro sinalizou que a Barrinha tinha alguma chance de um big surf. As imagens recebidas instigaram o crew de Itacoatiara que partiu para Saquarema. No caminho fizemos contato com o fotografo Tony D’Andrea, que, sempre pilhado, também se juntou ao grupo. As quase duas horas de estrada foram suficientes para fazer com que o tempo abrisse e o mar mudasse completamente.

O grupo chegou na Barrinha por volta da 10:00h e encontrou um mar impenetrável, com séries massivas de 12 pés. Nessas condições, a única locação viável para o big surf era Jaconé. O grupo então seguiu para lá e encontrou condições perfeitas! Séries entre 8 a 12 pés, clean, quebravam do point até a praia. Para muitos, essa foi a melhor condição já surfada no pico.

Vale destacar a experiência de Pericles Gomes e Patrick Reis ao operarem um jet ski em uma arrebentação de 6 a 8 pés sólidos.

Confira mais do trabalho do fotógrafo Tony D’Andrea no perfil @tonydandreafotografia do Instagram.