Remada para a glória

Mormaii Big Wave escreve novo capítulo na história do surfe de ondas grandes do Brasil.

0

Sol, água clara e séries que ultrapassaram os 5 metros na praia do Cardoso. O dia 21 de maio de 2018 ficará marcado na história do big surf brasileiro com a realização do Mormaii Big Wave.

Grandes nomes do surfe de ondas grandes reuniram-se no Farol de Santa Marta, em Laguna, litoral sul catarinense, um evento planejado na raça pelas associações de tow-in do Farol de Santa Marta e de Jaguaruna.

Apesar da boa premiação, o clima de união entre os big riders foi um dos pontos altos do campeonato. O público que não compareceu pôde acompanhar ao vivo pela internet muitas vacas e bombas sendo dropadas no braço.

Palanque montado às pressas na praia do Cardoso.

“Um evento desse porte só acontece quando todos vestem a camisa e compreendem que o mundo do big surf é diferente. No Farol foi assim, as pessoas entenderam que a real importância é a harmonia entre os surfistas e a natureza”, comenta Thiago Jacaré, um dos organizadores do evento e responsável pela segurança dos atletas durante a competição.

O evento coroou o talentoso Lucas “Chumbo” Chianca como campeão. Com muita disposição, o saquaremense, um dos principais nomes do big surf mundial, arrancou as maiores notas da competição e saiu do Cardoso com o cheque de R$ 20 mil.

“Estou destruído, preciso de uma cama (risos). Esse mar estava muito pesado, tomei muito caldo hoje, mas fico feliz em ver condições assim no Brasil”, desabafou o ainda cansado Chianca no pódio.

Algumas séries ultrapassaram os 5 metros no poderoso beach break.

As condições não facilitaram a vida dos big riders. Todos os competidores saíram exaustos, porém realizados do Farol de Santa Marta. O experiente fotógrafo Sebastian Rojas disse em seu perfil nas redes sociais que aquelas foram as maiores ondas que fotografou no Brasil nos últimos 30 anos.

“Lembro que vários atletas quando viram as condições do Cardoso compararam com Nazaré em seus dias não tão grandes e Waimea nos seus dias de fúria”, relata Jacaré.

“Quando chegamos ao outside, lembro que João Capilé me falou que seria um dos eventos mais difíceis da sua vida, e realmente foi. A responsabilidade de trabalhar em uma prova assim é enorme, pois qualquer vacilo pode custar caro”, complementa Jacaré.

O evento também foi uma homenagem ao big rider gaúcho Zeca Scheffer, desbravador das ondas da Laje da Jagua (SC) e Ilha dos Lobos (RS). Zeca faleceu tragicamente em 2006 em um acidente de carro na BR-101.

“Não foi um evento para um ou outro aparecer, mas sim para demonstrar ao mundo que o Brasil também é um país do big surf. E o maior responsável por isso é o Zeca, que plantou essa semente lá trás. Não tínhamos como não homenageá-lo”, finaliza Jacaré.

O Mormaii Big Wave foi realizado em parceria com a WSL (World Surf League), Fecasurf (Federação Catarinense de Surf), ASTFSM (Associação de Surf e Tow-in do Farol de Santa Marta) e Atow-Inj (Associação de Tow-in de Jaguaruna). Patrocínio: Mormaii, Governo de Santa Catarina, FESPORTE e Prefeitura de Laguna.