Um passo de cada vez

Kelly Slater planeja aposentadoria e mira participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

0
Kelly Slater revela esperança em fazer parte da equipe olímpica e se aposentar depois dos Jogos.

Prestes a disputar o Pipe Masters, o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater teve uma entrevista publicada recentemente pela Sports Illustrated.

Em conversa com a jornalista Jamie Lisanti, Slater falou sobre temas como moda, sustentabilidade e surfe nas Olimpíadas, dentre outros assuntos.

Este ano, Slater juntou-se à marca de relógios suíços Breitling para criar um relógio que está na moda, funcional e com visão de futuro. O novo relógio Superocean Héritage II Chronograph 44 Outerknown apresenta uma bracelete feita de um material reciclado chamado fio ECONYL. “Por mais estranho que pareça, a praia é, na verdade, o meu escritório, então eu sou confrontado com a poluição diariamente”, disse Slater no fim de novembro. “Eu farei o que puder para ajudar a manter as praias e os oceanos limpos do mundo”, disse o atleta, que terá a companhia de Stephanie Gilmore e Sally Fitzgibbons como embaixadores da Breitling.

Durante a entrevista, o atleta da Flórida declarou ainda que planeja se aposentar depois dos Jogos Olímpicos de 2020, caso consiga fazer parte da equipe norte-americana.

De acordo com o principal critério de classificação, Slater precisa terminar o ano de 2019 como Top 10 do Championship Tour e ser um dos dois melhores representantes dos Estados Unidos (incluindo os havaianos) no ranking da elite mundial. Ainda acreditam no maior surfista de todos os tempos?!

Confira abaixo a entrevista concedida ao Sports Illustrated.

Este ano, Slater disputou a etapa sul-africana do Tour, mas mostrou arrependimento devido à lesão no pé.

Você está surpreso de como a tecnologia tem conseguido ajudar a progredir na sustentabilidade e ajudar a impulsionar certas iniciativas? O bracelete do relógio é apenas um exemplo de um material inovador que ajuda a fazer a diferença?

Nós fizemos a banda de fios ECONYL, um tecido reciclado de redes de pesca – nylon é a coisa que é realmente reciclável. Por muito tempo as redes ficam presas no oceano. Esse foi o enredo que estávamos trazendo com o produto, reunindo nossa marca [Outerknown] e a marca Breitling. Nós dois temos esse objetivo comum juntos. A conversão oceânica se beneficiará a longo prazo das coisas que estamos fazendo e de algumas das doações que estamos fazendo.

Qual a importância da sustentabilidade para você e para o que você faz fora do surfe?

As pessoas estão começando a ver que sustentabilidade é algo que todos nós teremos que incorporar em nossas vidas – em algum momento, em todas as facetas, porque estamos poluindo a terra tão rapidamente, na água, no ar, e assim por adiante. Há muitas ideias inovadoras e estamos implantando essas sementes em crianças agora, então, à medida que estão crescendo, estão vendo produtos.

Normalmente, quando você tem algo estabelecido, seja uma empresa de roupas ou qualquer outra coisa, é difícil trazer esse aspecto para depois do fato. Mas quando você começa uma marca e mostra o que a marca é, é muito mais fácil e é isso que tentamos fazer com a Outerknown. É por isso que estou realmente orgulhoso de que a Breitling quisesse formar uma parceria com a Outerknown para enviar essa mensagem de uma maneira maior.

Nos próximos dias, o 11 vezes campeão mundial marca presença no Pipe Masters.

Você co-fundou sua marca de moda sustentável, Outerknown. Como você descreveria o seu estilo? O que a moda significa para você?

Durante o meu crescimento, a moda não era muito para mim. Eu estava falando recentemente nas minhas redes sociais sobre como eu não tinha meias quando era adolescente. Quando eu era criança, nós realmente não tínhamos muito dinheiro nem nada, então se eu ganhasse uma camiseta nova eu ​​ficaria feliz. Neste ponto, ser capaz de criar e co-fundar minha própria marca com a Outerknown, e ter outras pessoas que vêem essa visão e essa ideia, é ótima.

Queríamos aprimorar o que era moda de surfe: fazer coisas legais que não ficam ultrapassadas e durarão muito tempo porque são muito bem feitas e, em alguns casos, têm garantia vitalícia sobre a roupa. Realmente tem a ver com o estilo de vida. Eu estou em muitos lugares diferentes, sempre viajando. Tinha que ser informal o suficiente para ser moda praia, mas também capaz de ser usado em lugares como Paris ou Los Angeles ou Nova York. Nossas peças mais agradáveis ​​são realmente agradáveis, mas não ultra formais de qualquer forma e até mesmo o nosso material mais básico é de baixa manutenção.

Quais são seus planos para Tóquio 2020? Sendo a primeira vez que o surfe é incluído nos jogos de verão, você sente necessidade de competir?

Eu não fiz uma declaração oficial, mas eu disse que se eu me classificasse para a equipe olímpica em 2020, eu surfaria. Eu provavelmente faria minha aposentadoria oficial depois disso.

Slater em seu parque de diversões, o Surf Ranch.

Você ficou empolgado quando soube que o surfe seria incluído nas Olimpíadas pela primeira vez?

Eu acredito que o melhor surfista do mundo vence competitivamente o título da World Surf League todos os anos. Nós surfamos vários tipos diferentes de condições e coisas. Quando você está indo para uma medalha olímpica, você tem que estar naquele dia, você tem que se sentir bem, sua mente tem que estar no lugar certo. Seja um curso ou o que for que vamos surfar, esse tipo de onda tem de se adequar ao seu estilo e ao que você é bom, seja no seu frontside ou backside no surfe. Um monte de coisas para se reunir ao mesmo tempo. Mas será mais raro do que um título do campeonato mundial.

Já dentro do surfe há uma certa revolta contra a concorrência com algumas das coisas básicas. Algumas pessoas acham que surfar não é um esporte; é apenas mais um estilo de vida, algo que você faz. E aí dentro, você tem mais dos puristas da competição que acham que devemos apenas ter um título de circuito mundial e talvez não precisemos das Olimpíadas. É uma porcentagem cada vez menor de pessoas. Mas as Olimpíadas abrem o surfe para uma população mais ampla de pessoas que diz: “Ah, legal, surfe nas Olimpíadas, vamos ver isso”.

Há sempre esse fator de choque inicial quando há uma mudança que as pessoas têm que se sentir confortáveis e descobrir o que isso significa para eles e para o esporte, mas acho que as coisas vão mudar assim que se estabelecerem. Estar nas Olimpíadas é uma grande honra para qualquer esporte, especialmente em um esporte emergente que está crescendo e está procurando aceitação fora de sua população hardcore.

É ótimo para os jovens surfistas que estão chegando no esporte, para ter a Olimpíada como uma opção.

Para os caras que estão antes de mim, parece muito estranho, porque esses caras nunca teriam a chance de surfar nas Olimpíadas. Então, provavelmente há um pouco de preconceito lá. Mas eu tenho que pensar no meu afilhado agora, ele tem 11 anos e provavelmente está pensando: quando eu tiver 18 anos, eu posso fazer parte da equipe olímpica. Essas crianças vão mudar esse DNA no surfe.

Billabong Pipe Masters 2017, North Shore de Oahu, Havaí

Na sua idade e neste momento da sua carreira, onde está a sua motivação, tanto no surfe quanto fora do esporte?

Eu sou apaixonado por muitas coisas, então isso me sustenta todos os dias. Eu faço o meu melhor para ficar longe de tudo isso de vez em quando, seja um par de dias ou algumas semanas, e apenas sintonizar e surfar. Ou até mesmo não fazer nada.

Nasci e cresci na Flórida, mas mudei-me e não vivo muito lá agora. Mas quando eu volto lá eu sinto que é o meu tempo de férias para ir a um lugar onde ninguém faz um grande barulho para mim. Eu cresci com todas as pessoas lá, é uma cidade pequena, e eu posso ir para casa e ficar sozinho por uma semana a cada vez. Mesmo meus melhores amigos não ligam (risos). É assim que eu me recarrego e fujo.

Como é fazer parte do Breitling “Surfer Squad” com Stephanie Gilmore e Sally Fitzgibbons, duas mulheres poderosas no esporte, apoiando uma boa causa como essa?

É legal. Na verdade, Stephanie e eu somos muito bons amigos há muito tempo. Ela e minha namorada são muito amigas. Ela e Sally são personalidades e personagens bem diferentes. Eu acho que Steph é provavelmente a surfista feminina mais talentosa de todos os tempos. Ela acabou de alcançar o maior número de títulos mundiais, com sete, e acho que ela poderia ganhar uma dúzia se quisesse. Ela é simplesmente incrível e realmente relaxada e realmente despreocupada. Sally, quando se trata de competição, é muito mais focada, quase como uma competidora olímpica no modo como ela se aproxima do surfe. E ela está um pouco mais no lado de branding e marketing do esporte. Elas são personalidades bem diferentes, então funciona dessa maneira.

Sua lesão no pé te afastou do surfe por um bom tempo. Como você está se sentindo hoje em dia?

Eu quebrei meu pé no ano passado, mas depois eu me contundi novamente em junho. Tivemos uma competição no dia seguinte [filmamos o vídeo da Breitling na África do Sul] e eu tentei surfar – eu provavelmente não deveria ter tentado surfar. Eu mal conseguia andar na hora. Agora, eu posso surfar todos os dias, mas posso sentar aqui e mexer o pé e dói muito. Eu tenho feito alguma reabilitação, um pouco de alguma coisa todos os dias para melhorar.

Fonte: Sports Illustrated.