O vaivém das marés

Dr. Marcelo Baboghluian fala sobre os altos e baixos da medicina do surfe nesta temporada.

0
Temporada havaiana está só no começo e já causou alguns estragos.

O surfe tem vivido momentos de alegrias e de tristezas, em um movimento que se assemelha às marés, com altos e baixos.

Enquanto vivemos um momento de domínio brasileiro no circuito mundial, surfe nas Olimpíadas, novos equipamentos, assistimos também a diversas lesões importantes, e até mesmo morte de atleta durante competição.

A primeira maré, marcada pelas alegrias, é fruto da conscientização dos atletas sobre cuidados pessoais para se atingir alta performance. Esse movimento começou há 20 anos, quando os primeiros atletas passaram a seguir programas de acompanhamento médico, treinamento físico, cuidados com dieta, sono, psiquismo, e nos últimos anos os resultados desse movimento foram colhidos.

A segunda maré, marcada pelas tristezas, é fruto da falta de informação e conscientização dos atletas e praticantes sobre a prevenção de lesões e problemas relacionados ao surfe. Nosso esporte requer uma abordagem diferente dada a sua complexidade.

É hora de todos se juntarem, praticantes e profissionais da saúde, para que tenhamos os mesmos bom resultados em competição também na prevenção de lesões e ocorrências. O crescimento do surfe é inevitável e, se não nos prepararmos, a incidência de problemas será cada vez maior.

Diversas entidades como a Sobrasa, na figura do Dr. David Szpilman e o SurfSalva, além do Ibrasurf e seu curso de Formação de Instrutores, buscam disseminar informações de prevenção há muitos anos.

Nós recentemente lançamos uma plataforma que irá, assim como fizemos há 20 anos, introduzir os cuidados pessoais para melhor desempenho, proporcionar melhores estatísticas e consequentemente as orientações para prevenção.

Para isso é preciso que cada surfista, assim como profissionais de saúde, passe a colocar suas informações no aplicativo. Isso é gratuito, colaborativo e aberto todos terão acesso as informações estatísticas, não as pessoais.

A plataforma se chama SID – Surf Injury Data, na qual você irá surfar mais e melhor e estará colaborando para que casos como vimos recentemente sejam cada vez mais raros e possamos somente comemorar e não lamentar.

Dr. Marcelo Baboghluian é especialista em medicina esportiva, co-fundador do aplicativo SID e colaborador do Waves há muitos anos.

View this post on Instagram

Ontem fiz meu primeiro “10 pontos” em Pipeline, só que não foi nessa onda, foi na cabeça hahaha que susto! Mas graças a Deus esta tudo bem! Sem palavras para agradecer as pessoas que me ajudaram a sair da água e a chegar no hospital.

A post shared by Michael Rodrigues (@michaelrodrigues85) on

View this post on Instagram

⏩Arrasta para o lado para ver como foi 😷| Está tudo bem com o @italoferreira 🙏 – – Video @marcoscasteluber

A post shared by WSL Brasil (@wslbrasil) on